Street Fighter (filme)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Street Fighter
Street Fighter - A Batalha Final (PT)
Street Fighter - A Última Batalha (BR)
Pôster promocional
 Estados Unidos
1994 • cor • 102 min 
Direção Steven E. de Souza
Produção Edward R. Pressman
Kenzo Tsujimoto
Akio Sakai
Roteiro Steven E. de Souza
Baseado em Street Fighter da Capcom
Elenco Jean-Claude Van Damme
Raúl Juliá
Ming-Na Wen
Damian Chapa
Kylie Minogue
Wes Studi
Gênero Ação
Idioma Inglês
Música Graeme Revell
Cinematografia William A. Fraker
Edição Edward M. Abroms
Donn Aron
Dov Hoenig
Anthony Redman
Robert F. Shugrue
Estúdio Capcom
Distribuição Estados Unidos
Universal Pictures
Internacional
Columbia TriStar Film Distributors International
Lançamento Estados Unidos 23 de dezembro de 1994
Portugal 30 de junho de 1995
Brasil 19 de setembro de 1995
Orçamento US$35 milhões[1]
Receita US$99,423,521[1]
Cronologia
Último
Último
Street Fighter: The Legend of Chun-Li
Próximo
Próximo
Página no IMDb (em inglês)

Street Fighter (Street Fighter - A Última Batalha (título no Brasil) ou Street Fighter - A Batalha Final (título em Portugal)) é um filme de ação estadunidense de 1994 escrito e dirigido por Steven E. de Souza. Ele é vagamente baseado nos jogos de videogame Street Fighter produzidos pela Capcom, e estrelado por Jean-Claude Van Damme e Raúl Juliá, juntamente com Byron Mann, Damian Chapa, Kylie Minogue, Ming-Na e Wes Studi.

O filme alterou o enredo do jogo original e as motivações dos personagens de Street Fighter. Ele também aliviou significativamente o tom da adaptação, a inserção de vários interlúdios cômicos (por exemplo, uma cena em particular da luta entre E. Honda e Zangief que presta uma homenagem aos velhos filmes do Godzilla).

O filme foi um sucesso comercial, ganhando $99,423,521 milhões, cerca de três vezes a mais que os custos de produção de $35 milhões,[1] mas foi muito criticado pelos críticos. No entanto, o desempenho de Raúl Juliá como o General M. Bison foi amplamente elogiada e lhe rendeu uma nomeação para Melhor Ator Coadjuvante no Saturn Awards. Juliá, que na época estava sofrendo de câncer de estômago (como evidenciado por sua face pálida e magra durante todo o filme), assumiu o papel a pedido de seus dois filhos. Esta foi a última performance no cinema póstuma de Juliá, e morreu dois meses antes do lançamento do filme. O filme é dedicado à sua memória, nos créditos finais do filme há uma homenagem ao ator Raúl Juliá "For Raul Vaya Con Dios".

Dois jogos de vídeo licenciados baseados no filme foram liberados usando imagens digitalizadas dos atores que executam movimentos de luta, semelhante às apresentações na série de jogos Mortal Kombat.

Sinopse[editar | editar código-fonte]

O exército de Shadaloo tomou como reféns 63 pessoas (civis e militares) para chantagear as Nações Unidas. O chefe da tropa, o General M. Bison pede pela liberdade dos reféns a cifra de 20 milhões de dólares para criar uma legião de bio soldados genéticos e assim dominar o mundo. Para ir praticando na criação do soldado genético perfeito, sequestra o Dr. Dhalsim para "ajudá-lo" a criá-lo. Como cobaia, utiliza um dos reféns chamado Carlos "Charlie" Blanco, transformando-o no "feroz" Blanka de pele verde e cabelo roxo. Entre os aliados do vilão, estão, Zangief e Dee Jay.

Os heróis deste filme, basicamente são quatro: Cammy, T-Hawk, Sawada e o líder do grupo, o coronel Guile. Eles serão os encarregados de levar a operação de resgate. Por outro lado, nos encontramos com Ryu e Ken, golpistas que vendem armas de plástico aos mercenários de Shadowloo, liderados por Viktor Sagat e Vega.

Também existe uma equipe de jornalistas que aparentemente está cobriando a notícia em Shadaloo, mas na realidade perseguem a morte de Bison. O grupo de jornalistas é liderado por Chun Li, Balrog e Edmond Honda.

Elenco[editar | editar código-fonte]

O kickboxer Fei Long não aparece no filme. Ele é o único personagem da série ausente no filme. Na época, a produtora alegou que Fei Long só não participou do filme porque era um personagem muito secundário. Porém, como o personagem é claramente inspirado em Bruce Lee, acredita-se que a Capcom não o incluiu porque não queria pagar os direitos de imagem para a família do lutador, morto em 1973.[2]

Produção[editar | editar código-fonte]

Em razão da Capcom ser a co-financiadora do filme, todos os aspectos da produção necessitavam da sua aprovação. Entre outros pontos, eles obrigaram uma data de lançamento até dezembro de 1994, que exigia do elenco e a equipe manterem um cronograma de filmagem agressivo.[3] Capcom havia muito tempo imaginado Jean-Claude Van Damme como Guile e pediu-lhe para ser lançado. Depois de Van Damme ser escalado como Guile e Raúl Juliá como Bison, a maior parte do orçamento de elenco tinha sido gasto.[4] (taxa de Van Damme só levou cerca de 8 milhões de dólares do orçamento de 35 milhões de dólares do filme.[5] ) Isso significava que a maioria das outras partes tinha que ir para atores pouco conhecidos ou desconhecidos.[4] Kylie Minogue foi escalada como Cammy como resultado da Australian Actors' Guild querendo que Steven E. de Souza contratasse um ator australiano. No momento em que recebeu o pedido, o único papel ainda não lançado foi o de Cammy. De Souza soube da Minogue durante a leitura da versão australiana da People Magazine.[4]

Charlie Picerni foi contratado como o coordenador de dublês, ele assumiu o cargo com a condição de que ele precisaria de muito tempo para treinar o elenco. De Souza concordou, no entanto os planos foram mudados uma vez que foi descoberto que Raúl Juliá estava sofrendo de câncer.[4] Inicialmente os planos eram para filmar primeiro as cenas menos intensivas de Juliá, enquanto o resto do elenco iria treinar com Picerni, no entanto, ao ver Juliá, de Souza percebeu que não podia mostrar-lhe em seu estado debilitado atual e foi forçado a mudar a filmagem ao redor. Isso levou a um ambiente onde o elenco seria treinado apenas à parte antes de suas cenas—às vezes apenas algumas horas antes.[4]

De Souza afirmou que ele não queria fazer um genérico filme de artes marciais e descreveu o filme como cruzamento entre Star Wars, James Bond e um filme de guerra. Além disso, indicou que ele também não queria calçadeira em elementos dos jogos, citando o filme mal recebido no ano anterior Super Mario Bros. como um exemplo. De Souza disse que ele evitou os elementos sobrenaturais e poderes dos jogos, mas que sugerem a sua utilização para uma sequência.[6] Os botões da plataforma flutuante de M. Bison são idênticos aos controles do jogo Street Fighter.[2] Após os créditos finais do filme há ainda uma cena envolvendo o General M. Bison, que apenas está disponível na versão do filme exibida nos Estados Unidos.[2]

Street Fighter foi filmado principalmente em Queensland, Austrália ao longo da famosa Gold Coast durante os meses de primavera e verão de 1994 com a maioria dos interiores e exteriores filmadas em estúdios em Brisbane. Algumas cenas externas foram filmadas em Bangkok, na Tailândia, que foram usadas como pano de fundo para a fictícia Shadaloo City.[4] As cenas foram filmadas primeiro em Bangkok, na primavera de 1994, com as filmagens na Austrália começando naquele verão.[3]

A MPAA deu a primeira classificação do filme apresentando uma classificação R de restrito, que era inaceitavelmente alto para Capcom,[7] que havia declarado desde o início que ele deve ser um filme PG-13.[3] Depois de vários cortes serem feitos a classificação G-segundo de Souza-foi dado, que foi batido até PG-13 com a adição de um palavrão na pós-produção.[7] A versão britânica de Street Fighter possui 27 segundos a menos que a versão original. Cenas fortes foram cortadas para que o filme pudesse ter uma censura mais branda no país.[2]

Música[editar | editar código-fonte]

Trilha sonora[editar | editar código-fonte]

A trilha sonora foi lançada em 6 de dezembro de 1994 por Priority Records caracterizando principalmente música rap. A trilha sonora encontrou o sucesso moderado, chegando a #135 na Billboard 200 e #34 em Top R&B/Hip-Hop Albums. Após o seu lançamento em home vídeo no Reino Unido, a trilha sonora foi dado de graça com cada compra da fita VHS nas agências de Tesco, por um período limitado. Embora esta era a única maneira para qualquer um no Reino Unido para comprar o CD, "Straight to My Feet" de Hammer ainda foi lançada como um single, que alcançou a #57 no Reino Unido.

Composição[editar | editar código-fonte]

Graeme Revell compôs a trilha do filme, uma hora de que foi lançado pela Varèse Sarabande.[8] Revell ignorou a música previamente existente da franquia. A música é diferente do estilo mais popular da de Revell,[carece de fontes?] principalmente com a ausência de elementos eletrônicos penetrantes, e é totalmente orquestral. O estilo exagerado do filme é refletida em paródias da faixa. A música durante a cena em que Ryu enfrenta Vega na luta da gaiola cita Habanera de Georges Bizet da ópera Carmen, e um tema ouvido por toda a pontuação, especialmente na faixa "Colonel Guile Addresses the Troops", é uma reminiscência do tema principal de Bruce Broughton para Tombstone.[carece de fontes?]

Recepção[editar | editar código-fonte]

Bilheteria[editar | editar código-fonte]

O filme ganhou $3,124,775 no dia da abertura.[9] O filme arrecadou $9,508,030 em sua semana de estreia, ocupando a posição #3 atrás de Dumb and Dumber e The Santa Clause na bilheteria.[10] [11] Em seu segundo fim de semana o filme arrecadou $7,178,360 e caiu para #7.[12] O filme arrecadou $33,423,521 na bilheteria doméstica e $66,000,000 na bilheteria internacional, perfazendo um total de $99,423,521 em todo o mundo.[1]

Resposta da crítica[editar | editar código-fonte]

Street Fighter recebeu comentários negativos de críticos. Rotten Tomatoes dá-lhe uma classificação de 12%, com base nas opiniões de 25 críticos. O consenso do site afirmou: "Embora ele oferece entretenimento leve através de uma das falas extrovertidas e atuação exagerada do falecido Raúl Juliá, seqüências de ação sem parada de Street Fighter não são suficientes para compensar o previsível, enredo irregular".[13]

Leonard Maltin deu ao filme a sua classificação mais baixa, escrevendo que "até mesmo fãs de Jean-Claude Van Damme não poderiam racionalizar essa bomba".[14] Richard Harrington do The Washington Post disse que o filme era "notável apenas por ser o último filme feito por Raúl Juliá, um ator muito qualificado para as demandas do senhor da guerra do mal, o general M. Bison, mas muito profissional para dar qualquer coisa menos do que seu melhor".[15] Crítico Stephen Holden do The New York Times se refere ao filme como "uma mistura sombria, estofada de seqüências de artes marciais mal editadas e diálogo muitas vezes ininteligível".[16]

O filme encontrou um pequeno, mas duradouro culto seguinte, que vê a maioria de seus pontos negativos como comicamente surreal.[17]

Prêmios[editar | editar código-fonte]

Em 2009, Time listou o filme em sua lista dos dez piores filmes de jogos de vídeo.[18] GameTrailers classificou o filme como o oitavo pior filme de videogame de todos os tempos.[19] O filme também recebeu duas indicações ao Saturn Awards: Melhor Filme de Fantasia e Melhor Ator Coadjuvante (uma indicação póstuma para Raúl Juliá).[20]

Mídia relacionada[editar | editar código-fonte]

Uma adaptação one-shot de quadrinhos do filme, intitulado Street Fighter: The Battle for Shadaloo, foi publicado pela DC Comics em 1995. A história em quadrinhos foi desenhada por Nick J. Napolitano e escrita por Mike McAvennie. A adaptação japanesa one-shot em mangá de Takayuki Sakai também foi publicado na edição de junho de CoroCoro Comics Special.

Dois jogos de vídeo baseado no filme foram produzidos. O primeiro foi um jogo de arcade que funcionava com moedas intitulado Street Fighter: The Movie, produzido pelo desenvolvedor americano Incredible Technologies e distribuído pela Capcom. O segundo era um jogo de vídeo doméstico desenvolvido pela Capcom também intitulado Street Fighter: The Movie, lançado para o PlayStation e Sega Saturn. Apesar de compartilhar o mesmo título, nenhum jogo é uma porta do outro, embora ambos usaram a mesma metragem digitalizada do elenco do filme posando como os personagens de cada jogo.

Muitos elementos do enredo do filme, como a identidade de Blanka e o papel do Dhalsim como cientista, foram reutilizados em 1995 na série animada estadunidense Street Fighter - The Animated Series, um acompanhamento para este filme que combinava aspectos da história do filme com aqueles nos jogos.

Diferenças com o jogo[editar | editar código-fonte]

O filme recebeu muitas críticas por parte dos fãs recibió malas críticas por parte dos cinéfilos em geral e dos videogames [[Street Fighter] em particular porque este não se ajusta a trama do game Street Fighter II, entre os principais erros segundo seus críticos se encontram:

  • No videogame, o nome de "Shadowlaw" corresponde a organização criminal de M. Bison. No filme é o nome do país fictício em que se desenvolve a trama. Além disso, foi renomeado como "Shadaloo".
  • Dhalsim, no videogame, não é doutor mas um guerreiro da Índia, que se inscreve no torneio para conseguir dinheiro para dar de comer a sua família. No filme não é capaz de esticar seus membros e de cuspir fogo pela boca.
  • O personagem Charlie Blanka é completamente distinto do videogame na qual Charlie e Blanka são dois personagens diferentes. Blanka é, na realidade, um garoto que recebeu uma mutação na selva quando viajava no avião em uma noite de tempestade, e assim foi onde adquiriou essa aparência de monstro e seus poderes elétricos (que por sinal, o filme não tem esses poderes). Não é um humano transformado em monstro genéticamente como contam no filme. E Charlie é o melhor amigo de Guile, que em diversas versões Alpha de Street Fighter sai derrotado. Cabe citar também que no filme, o nome de Charlie é um apelido a seu nome real: Carlos, Carlos Blanka.
  • No videogame, Ryu e Ken não são golpistas, mas disciplinados estudantes de artes marciais da escola de karate Shotokan. Ryu é um humilde e rústico, que vaga pelo mundo buscando lutadores mais fortes, praticando a arte da luta. Ken é de uma família privilegiada com um estilo de vida aparentemente despreocupado, mas igualmente é desciplinado e muito rigoroso para a luta e que, além de ser amigo e companheiro de estudos marciais de Ryu, é o seu mais próximo rival, tão frequentemente encontrada em certas versões para testar suas habilidades um contra o outro. Também cabe destacar que ambos são protagonistas do videogame, tanto Ryu como Ken.
  • No videogame, Victor Sagata (que originalmente se chama somente Sagat) não é nenhum mercenário que vende armas para M. Bison, mas um de seus asseclas ou guarda-costas. Assim mesmo, Sagat é um lutador profissional de boxe tailandês

En el videojuego, Victor Sagat (que originalmente se llama sólo Sagat) no es ningún mercenario que vende armas a M. Bison, sino uno de sus secuaces o guardaespaldas. Así mismo, Sagat es un luchador profesional de Thaiboxing que deseja enfrentar Ryu, que conseguiu derrotá-lo ao abrir uma grande cicatriz em seu rosto. No filme também existe a cicatriz, mas lhe não nenhuma importância. Além disso, no filme Sagat busca vencer Ken, quando é Ryu a quem deveria combater segundo a trama do videogame.

  • Vega não trabalha na realidade para Sagat, mas é outro dos asseclas de M. Bison. Além disso, no videogame é narcisista, afeminado, loiro, de olhos verdes e pálido de pele, ao contrário do filme onde é calado, insípido e muito masculino e moreno. Além disso é de origem espanhola, coisa que no filme não se reflete, pois é interpretado por Jay Tavare, um ator nativo norte americano.
  • Cammy não é tenente das Nações Unidas. No videogame, é uma soldado protótipo de Shadowloo, manipulada psíquicamente por M. Bison, mas que posteriormente se rebelou contra M. Bison e se converteu em agente da MI-6.
  • T-Hawk (nome completo: Thunderhawk) no filme é apresentado com um membro do exército das Nações Unidas, quando isto não é verdadeiro. No videogame T-Hawk é um indígena apache nascido no México de mais de dois metros de altura, que luta contra M. Bison porque destruiu seu povo natal e sequestrou a sua irmã.
  • Sawada não aparece no videogame, em vez disso, substitui o personagem Fei Long no filme.
  • No videogame, Guile luta contra Bison para vingar a morte de seu amigo Charlie, e não é tão patriótico nem como herói como ele aparece no filme. E no videogame não é o protagonista.
  • Akuma (Gouki) não aparece no filme, sendo que ele é um dos principais vilões do jogo, mas aparece no videogame baseado no filme.
  • Balrog tampouco é jornalista, mas simplesmente boxeador e outro dos asseclas de M. Bison.
  • Edmond Honda não é jornalista e nem havaiano. No videogame, Honda é um yokozuna (campeão de sumo) que é aposentado e virou ator de kabuki, embora de vez em quando percorre o mundo buscando novos desafíos.
  • Zangief não é mau e nem é tão exageradamente estúpido como aparece no filme. No videogame, Zangief é um lutador de luta livre russo que está incrivelmente orgulhoso de seu país natal, e luta para manter seu país em boa posição. Inclusive se tornou amigo de Mijaíl Gorbachov, e em versões posteriores de Boris Yeltsin. Além disso, no videogame Zangief é o objetivo de Shadowloo.
  • No videogame, Dee Jay não é malvado nem trabalha para M. Bison (ao contrário, o odeia). Não é mais que um porteiro de discote que se dedica a luta e a música em suas horas livres. Note-se que no jogo videogame Dee Jay é um homem negro de uns dois metros e de grande corpulência, enquanto que o ator que o interpreta no filme (Miguel A. Núñez, Jr.) é muito mais baixo e delgado.
  • No filme, Bison não parece especialmente bom em combate corpo a corpo, e o único movimento que parece saber é estrangular o oponente com a mão; apesar disso

En la película, Bison no parece especialmente bueno en combate cuerpo a cuerpo, y el único movimiento que parece saber es estrangular al oponente con la mano; a pesar de ello, na briga contra Chun Li em seu quarto, está tentando adotar uma posição de karate em um par de casos. Tudo isso está errado, já que no videogame Bison é o personagem mais poderoso -na série inclusive é capaz de derrotar Ken e Ryu juntos-, e em nenhuma versão sabe artes marciais, utilizando somente seus poderes para lutar; desses poderes no filme se devem ao electromagnetismo supercondutor que circula por seu traje e adquire depois de ser derrotado por Guile, enquanto o jogo sempre tem e são de origem psíquica.

  • No filme nenhum personagem utiliza apenas ataques especiais como o "Sonic Boom" de Guile ou o "Tiger" de Sagat, e a maioria dos ataques que são usados por outros personagens não estão representados corretamente. Enquanto Ryu luta com Vega, vagamente parece fazer um "Hadouken" quando põe as mãos em posição e a tela fica branca por alguns segundos. Também ele faz um "Tatsumaki Sempuu Kyaku" (pontapé giratório) com um só pontapé. Ken parece fazer um "Shoryuken" em Sagat, mas sem saltar e dando uma volta sobre si mesmo no solo. Na batalha entre Bison e Guile, Bison parece utilizar algumas vezes contra Guile o "Psycho Crusher" quando este ganha seus poderes (mas não brilha nem da voltas como no jogoo). Se pode ver como Guile também utiliza contra os dois "Flash Kick", mas sem efeitos especiais e um "Tatsumaki Sempuu Kyaku", quando Guile nem sequer tem este ataque no jogo já que é de Ryu y Ken. E.Honda também utiliza um "Hundred Hand Slap" (Golpe dos mil socos) quando está lutando contra Zangief e Cammy usa um de seus ganchos com um soldado de Bison.
  • Chun Li não é jornalista, mas uma agente da Interpol que busca a morte de M. Bison por seus crimes (mesmo na série animada dos EUA ainda apresentam nesta função), entre eles a morte de seu pai (este último se comenta no filme, mas muito brevemente e quase anedótica), e de fato se diz que ela foi quem o venceu na história original de SF2.

Referências

  1. a b c d Street Fighter (em inglês) no Box Office Mojo
  2. a b c d Street Fighter AdoroCinema. Visitado em 5 de novembro de 2014.
  3. a b c "SF II Movie Begins Shooting", GamePro, IDG, June 1994, pp. 182-4.
  4. a b c d e f Street Fighter: The Movie — What went wrong | Polygon polygon.com. Visitado em May 26, 2014.
  5. "SF II Movie Update", GamePro, IDG, July 1994, p. 170.
  6. "Street Fighter 2 The Movie Secrets", GamePro, IDG, July 1994, pp. 40-41.
  7. a b Street Fighter: The Movie — What went wrong Vox Media (10 March 2014). Visitado em 13 March 2014.
  8. Street Fighter Varesesarabande.com. Visitado em 2013-10-24.
  9. Street Fighter Box Office Mojo. Visitado em 2013-10-24.
  10. Weekend Box Office Results for December 23–26, 1994 Box Office Mojo. Visitado em 2012-05-27.
  11. Natale, Richard. "Dumb and Streetfighter Doing Up the Holidays : Box office: Jim Carrey's film takes in an estimated $15.7 million, while Jean-Claude Van Damme's movie earns $11.8 million.", The Los Angeles Times, 1994-12-27. Página visitada em 2010-12-21.
  12. Weekend Box Office Results for December 30-January 2, 1995 Box Office Mojo (1995-01-02). Visitado em 2012-05-27.
  13. Street Fighter Rotten Tomatoes Flixster. Visitado em 2010-07-22.
  14. Maltin, Leonard (2009), p. 1333. Leonard Maltin's Movie Guide. ISBN 978-0-452-29557-5. Signet Books. Accessed June 20, 2010.
  15. Harrington, Richard. "'Street Fighter' (PG-13)", Washington Post, 1994-12-24. Página visitada em 2009-01-26.
  16. Movie Review - Street Fighter - FILM REVIEW; Raul Julia's Last Film, With Van Damme - NYTimes.com nytimes.com. Visitado em 2014-03-23.
  17. Street Fighter The Movie: So bad its good? - Blu-ray Forum Forum.blu-ray.com. Visitado em 2013-10-24.
  18. "Top 10 Worst Video Game Movies", Time magazine, 2008-10-20. Página visitada em 2009-04-25.
  19. GT Countdown: Top Ten Worst Video Game Movies GameTrailers (2008-09-17). Visitado em 2010-03-20.
  20. Street Fighter (em inglês) no Internet Movie Database

Ligações externas[editar | editar código-fonte]