Street punk

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Merge-arrows 2.svg
Foi proposta a fusão deste artigo ou se(c)ção com Oi! (gênero musical). Pode-se discutir o procedimento aqui. (desde dezembro de 2011)
Pode encontrar ajuda no projeto sobre Música/Rock. Se existir um projeto mais adequado, por favor corrija esta predefinição.
Question book.svg
Este artigo não cita fontes fiáveis e independentes. (desde setembro de 2012). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Street punk
Origens estilísticas Punk rock
Glam rock
Pub rock
Cantos de beber
Cantos de futebol
Folk
Contexto cultural Final dos anos 70.
Reino Unido (especialmente região oeste de Londres).
Instrumentos típicos Vocais - Bateria - Guitarra elétrica - Baixo
Popularidade Underground. Sucesso entre punks, skinheads, herberts e casuais.
Gêneros de fusão
New York hardcore  · Anhalt EBM
Outros tópicos
Oi! - Sounds - Classe trabalhadora

Street punk é o nome dado à uma uma variação do punk rock surgida no final da década de 1970 na Inglaterra com bandas como o Sham 69 (considerada como os pais do estilo), Cockney Rejects, Cock Sparrer, The 4-Skins e outras. O Streetpunk/Oi! era basicamente um punk rock vindo dos subúrbios, tinha como ideal ser uma revitalização do punk agressivo, realista, das ruas, sem a comercialização e a suavização da new wave. Era a música que, segundo Gary Bushell, unia "punks, skins e toda a juventude sem futuro".

A designação do streetpunk pelo termo Oi! foi originado no início da década de 1980 pelo jornalista britânico Garry Bushell, termo esse retirado da música dos Cockney Rejects "Oi! Oi! Oi!". Porém, a subcultura já existia desde o final dos anos 1970, liderada por diversas bandas. A palavra oi! na gíria cockney, tem o mesmo significado da saudação oi! em português.

O Streetpunk/Oi! foi associado ao fascismo e ao neonazismo, pois muitos skinheads neonazistas ouviam esse tipo de som e iam aos shows. Porém, várias bandas iniciais do estilo como Cockney Rejects, Sham 69, The Oppressed, The Redskins entre outras, se declararam publicamente contra essa associação. Jeff Turner, vocalista do Cockney Rejects, em sua autobiografia, descreve um incidente em que os membros da banda e seus roadies se envolveram em uma briga contra membros do British Movement num dos primeiros shows do Cockney Rejects. O Sham 69 parou durante um tempo de tocar ao vivo, depois que um concerto em 1978 no Middlesex Polytechnic foi interrompido por white powers simpatizantes do National Front que quebraram o palco. Com o passar do tempo, os skinheads neonazistas se ligaram mais ao RAC do que ao Streetpunk/Oi!.

Streetpunk/Oi! no Brasil[editar | editar código-fonte]

A popularidade do termo foi obscurecida na primeira metade da década de 1980. Musicalmente houve participações de duas bandas no festival punk O Começo do Fim do Mundo em São Paulo, que foi registrada com as músicas "Faces da Morte" do Dose Brutal e "Careca" do Neuróticos, no álbum gravado nesse festival.

O termo voltou a se tornar popular no começo da década de 1990 e atualmente é utilizado com diversos significados: exclusivamente como nome do estilo musical; como referência a punks ditos "verdadeiros", que não estariam a seguir um modismo, punks ligados a grupos sem inclinação político-partidária.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre Música punk é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.