Sturlungaöld

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Este artigo não cita fontes confiáveis e independentes (desde janeiro de 2015). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Um islandês se submetendo a ordens do rei norueguês.

A Sturlungaöld (em islandês) ou era de Sturlung foi um período de cerca de 43 anos de lutas internas no século XIII na Islândia. Este foi, provavelmente, o período mais violento e sangrento da história do país. Esse período foi documentado por meio da Saga de Sturlunga.

Este período é marcado pelo conflito entre poderosos caciques, goðar, que juntaram seguidores e entraram em guerra. O nome deste período vem da família Sturlungs, o clã familiar mais poderosos da Islândia na época. No fim deste período a Comunidade Islandesa deixou de existir e o país se tornou colônia da Noruega.

Os historiadores atribuem ao ano de 1220 como o início da era dos Sturlungs, apesar de alguns acharem que o conflito começou alguns anos antes na Batalha de Víðines. O poder do país estava consolidado no domínio de algumas famílias, que eram as seguintes: os Haukdælir, de Árnesþing; os Oddaverjar, de Rangárþing; os Ásbirningar, de Skagafjörður; os Vatnsfirðingar de Ísafjörður; os Svínfellingar de Eastfjords e os Sturlungar, de Hvammur em Dalir.

Neste período o rei Haakon IV da Noruega estava tentando estender sua influência na Islândia. Muitos chefes islandeses se tornaram seus seguidores e faziam diversos favores para o rei; em troca recebiam presentes, seguidores e status de respeito. Consequentemente, os maiores chefes islandeses estavam submetidos ao poder do rei norueguês, de uma forma ou de outra.

Ícone de esboço Este artigo sobre a Islândia é um esboço relacionado ao Projeto Europa. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.