Sua Alteza Sereníssima

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde dezembro de 2014). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Searchtool.svg
Esta página foi marcada para revisão, devido a inconsistências e/ou dados de confiabilidade duvidosa (desde dezembro de 2014). Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor, verifique e melhore a consistência e o rigor deste artigo.

Sua Alteza Sereníssima (SAS), em inglês: His Serene Highness (HSH), em espanhol: Su Alteza Sereníssima, em francês: Son Altesse Sérénissime é um tratamento associado à alta nobreza ocidental.

Descrição[editar | editar código-fonte]

Este é o primeiro tratamento da variação da classe de alteza, que deve ser exclusivamente usado em repúblicas, haja visto que este tratamento se tornou famoso, com o seu uso mais precisamente por nobres que eram príncipes, e que não herdavam tronos da nobiliarquia[1] de natureza alta (ou seja tronos reais ou imperiais), ou também seja, os príncipes que detinham este tratamento eram soberanos de países, e os membros de sua família principesca[2] . Seguindo este raciocínio lógico deve se supor que por exemplo um príncipe soberano, deva ter o tratamento de Alteza Principesca,e não este que não faz referencia a sua nobreza. Quem deve mesmo ostentar este tratamento é a aristocracia das repúblicas.

Este tratamento está abaixo por exemplo do tratamento de Alteza, e muito distante também em nobreza do de Alteza Imperial.

Uso no mundo da nobreza atualmente[editar | editar código-fonte]

O tratamento é tradicionalmente usado e associado a membros de famílias nobres, mais respecticamente dos principescas de Mônaco e Liechtenstein, a Casa de Grimaldi e a Casa de Liechtenstein, respectivamente. Não sendo exclusividade desta casta da nobreza, a principesca[3] .

Uso no passado monárquico[editar | editar código-fonte]

Também foi usado por membros de famílias nobres alemãs (até 1917), quando a revolução alemã, varreu a monarquia da alemanha[nota 1] ; e por membros cadetes das dinastias da França, Itália e Rússia (durante as monarquias destes três países).

Uso casual em situações especiais[editar | editar código-fonte]

Sendo o tratamento não exclusivo da posição principesca de nobres, o tratamento também foi utilizado em diversas ocasiões, sendo citadas abaixo as mais relevantes historicamente:

O rei Jorge I da Grã-Bretanha era tratado como "Sua Alteza Sereníssima", na condição de arquitesoureiro do Sacro Império Romano e Príncipe-Eleitor daquele império, mas se renomou mesmo como artistocrata quando se tornou de fato Sua Majestade Britânica[4] .

No Reino da Hungria (1920-1946), o almirante reformado Miklós Horthy, durante seu governo regencial, usou também o tratamento de "Alteza Sereníssima"[5] .

O almirante Miklós Horthy foi tratado até o fim da sua regência como Alteza Sereníssima,[6] embora ele não tivesse o lastro nobiliárquico necessário para seu uso. Por ter recebido este tratamento pelo legislativo, não foi observada a regra de que ele deveria ser um aristocrata. Seu tratamento completo foi:Sua Alteza Sereníssima, O Regente do Reino da Hungria.

O chanceler da Alemanha Otto von Bismarck também ostentou o tratamento de "Sua Alteza Sereníssima", concedido a ele pelo imperador Guilherme I da Alemanha, quando este era rei da Prússia[7]

O rei Luís Filipe I da França, na condição de Duque de Orléans, e antes mesmo como Duque de Chantres, ou seja antes de acender ao trono real daquela nação como Rei dos Franceses, ostentou também o tratamento de "Sua Alteza Sereníssima", antes de ser estilizado "Sua Alteza Real", pelo seu primo, o rei Carlos X.

Uso em repúblicas[editar | editar código-fonte]

Como se sabe, que em repúblicas podem ter aristocracias, este tratamento por várias lógicas também foi usado nas seguintes repúblicas.

Uso no México[editar | editar código-fonte]

De 1853 a 1855, o presidente vitalício do México, Antonio López de Santa Anna também usou o tratamento oficial de "Sua Alteza Sereníssima".[8]

Uso na atual república francesa[editar | editar código-fonte]

Todos os Chefes de Estado franceses (incluindo também todos os presidentes), são também por validade de antigos tratados internacionais assinados no século XVI, estilizados "Alteza Sereníssima", que garantiu a divisão do co-tratamento com um clérigo católico. Como os termos do tratado se referem a todos os governantes franceses, portanto todos os presidentes franceses são também por direito "Sua Alteza Sereníssima".[9]

Notas

  1. Todos os antigos príncipes alemães até a unificação de 1870 eram e permaneceram Suas Altezas Sereníssimas. [carece de fontes?]

Referências

  1. Significado de Nobiliarquia (em Português) priberam.pt. Visitado em 29 de abril de 2015.
  2. Significado de Principesco (em Português) priberam.pt. Visitado em 29 de abril de 2015.
  3. Palais Princier de Monaco (em francês) palais.mc. Visitado em 2 de maio de 2014.
  4. George I Archontology.org. Visitado em 13 de agosto de 2013.
  5. Miklos_Horthy (em inglês) docstoc.com. Visitado em 29 de agosto de 2014.
  6. DECRETO No 57.595, DE 4 DE JANEIRO DE 1966 (em Português) planalto.gov.br. Visitado em 10 de janeiro de 2015.
  7. Coleção Nova História Crítica - Sétima Série Mário Schmidt.
  8. Muñoz, Rafael F. Santa Anna. El dictador resplandeciente. FCE/SEP, 1984..
  9. Andorra (em Português). Visitado em 11 de janeiro de 2015.
Wiki letter w.svg Este artigo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o. Editor: considere marcar com um esboço mais específico.