Subak (irrigação)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Pix.gif Paisagem Cultura da Província de Bali: o sistema Subak como manifestação da filosofia Tri Hita Karana *
Welterbe.svg
Património Mundial da UNESCO

Bali panorama.jpg
Irrigação Subak em plantações de arroz
País Indonésia
Tipo Cultural
Critérios ii, iii, v, vi
Referência 1194
Região** Ásia e Oceania
Histórico de inscrição
Inscrição 2012  (36ª sessão)
* Nome como inscrito na lista do Património Mundial.
** Região, segundo a classificação pela UNESCO.

Subak é o nome de um sistema de irrigação para campos alagados na ilha de Bali, Indonésia, que foi desenvolvido há mais de 1.000 anos atrás. Para os balineses, a irrigação não se constitui do simples ato de molhar as plantas, mas sim da construção de um complexo ecossistemas artificial.[1] Os campos alagados em Bali foram construídos ao redor de templos de água e a localização da água é feita por um pastor.

Sistema[editar | editar código-fonte]

Subak é um sistema de irrigação tradicional ecologicamente sustentável[2] que liga a região agrária de Bali ao centro da comunidade de Bale Banjar e aos templos balineses. O manejo da água é feito sob a égide de pastores em templos de água sem esquecer a Filosofia Tri Hita Karana que mostra a relação entre os humanos, a terra e os deuses; um antigo método do hinduísmo.

Ameaça[editar | editar código-fonte]

Desde a década de 1960,[3] Bali vem atraindo muitos aventureiros e turistas do mundo todo. Estimativas indicam que cerca de 1.000 hectares de campos alagados foram convertidos em construções turísticas, o que ameaça este antigo sistema de irrigação.[2]

Museu[editar | editar código-fonte]

Em 1981, o Museu Subak foi aberto com, ainda hoje, poucos itens.[4]

UNESCO[editar | editar código-fonte]

A UNESCO inscreveu a Paisagem Cultura da Província de Bali: o sistema Subak como manifestação da filosofia Tri Hita Karana como Patrimônio Mundial por "ser um sistema democrático e igualitário de prática de cultivo criado pelos balineses a fim de tornar mais prolífico o cultivo de arroz no arquipélago desafiando a grande densidade populacional da região"[5]

Galeria[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Lansing, J.S.. (1987). "Balinese "Water Temples" and the Management of Irrigation". American Anthropologist 89 (2): 326–341. DOI:10.1525/aa.1987.89.2.02a00030.
  2. a b ‘Subak’ farming world-heritage listed (21 de maio de 2012).
  3. http://blogs.aljazeera.com/blog/asia/balis-ancient-irrigation-system
  4. A thousand years on, can ‘subak’ survive? (18 de abril de 2013).
  5. Cultural Landscape of Bali Province: the Subak System as a Manifestation of the Tri Hita Karana Philosophy. UNESCO World Heritage Centre - World Heritage List (whc.unesco.org). Em inglês ; em francês. Páginas visitadas em 24/12/2013.
  • J. Stephen Lansing, Priests and Programmers: Technology of Power in the Engineered Landscape of Bali Princeton University Press.
  • "Balinese Water Temples Withstand Tests of Time and Technology" - National Science Foundation
  • Simulation Modeling of Balinese Irrigation (extract) by J. Stephen Lansing (1996)
  • "The Impact of the Green Revolution and Capitalized Farming on the Balinese Water Temple System" by Jonathan Sepe (2000). Literature review.
  • Direct Water Democracy in Bali. [1]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]