Subcomandante Marcos

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Subcomandante Marcos (de boné) ao lado do comandante Tacho em Chiapas.

Subcomandante Marcos (Tampico, Tamaulipas, 19 de junho de 1957[1] ) é o porta-voz do movimento zapatista no sudeste mexicano.

O 'Subcomandante Marcos', é o principal porta-voz do comando militar do grupo indígena mexicano chamado Exército Zapatista de Libertação Nacional (EZLN), que fez a sua aparição pública em 1º de Janeiro em 1994, quando os militares lançaram uma ofensiva na qual conquistou seis municípios, no sulino estado mexicano de Chiapas, exigindo democracia, liberdade, terra, pão e justiça para os índios.

O nome[editar | editar código-fonte]

Segundo ele, "Marcos é o nome de um colega que morreu, e sempre usamos os nomes daqueles que morreram nesta idéia de que um não morre, se a luta continuar." [2] . Esta não é uma sigla, como alguns têm sugerido, nas comunidades onde o EZLN primeiro se levantou (Las Margaritas, Altamirano, Rancho Novamente, Comitan, Ocosingo, OXCHUC e San Cristobal).

A sua identidade segundo o governo mexicano[editar | editar código-fonte]

No dia 9 de fevereiro em 1995, o governo mexicano declarou publicamente que conhecia a identidade do Subcomandante Marcos, identificando-o como Rafael Sebastián Guillén Vicente (Tampico, Tamaulipas México, nascido em 19 de junho de 1957), ex-aluno da Faculdade de Filosofia e Letras da Universidade Nacional Autônoma do México (UNAM) e professor da Universidade Autónoma Metropolitana (UAM), em Cidade do México.

Rafael Sebastián Guillén Vicente foi o quarto de oito irmãos, filho de imigrantes espanhóis zamoranos, e nasceu dia 19 de junho de 1957 no Caridade espanhol, um hospital privado da cidade de Tampico. Ele passou sua infância com seus pais em sua casa na colônia Lauro Aguirre, em primeiro lugar e, finalmente, na casa da rua Ébano 205, na Colônia Petrolera.Aproveitava qualquer festa infantil para atuar como mágico. Antes de envia-lo para a escola primária,seu pai ensinou-lhe a recitar vários poemas. Sofria de asma. Aparentemente, ele estava muito perto de sua avó. Ele fez o primário no Colégio de Jesus Felix ROUGIER, administrado pelos Missionários da Santíssima Trindade, entre 1963 a 1969. Cursou o ensino secundário com os jesuítas no Instituto Cultural Tampico, de 1970 até 1976; nesta fase se destacou pela maneira de preparar os seus argumentos em sala de aula. No ensino secundário não só escreveu a propaganda das lojas de móveis para o pai ( "Mueblerías Guillen, as do crédito imobiliário"), mas subiu na pick-up da empresa, e ajudou a distribuir móveis e equipamentos eletro-dométicos de casa a casa . Além de viajar muito pelo México, South Padre Island, Orlando, Nova Orleans, Las Vegas e no Canadá com sua família, viajou para a Serra Tarahumara na companhia do irmão Carlos Simon. Juntamente com o seu serviço nas colônias marginais de Tampico, é talvez uma das viagens com o maior impacto no sentido de moldar sua personalidade. Quando passou a viver na cidade para estudar na Faculdade de Filosofia e Letras na UNAM, o muito custo deixou o seu emprego na sua cidade natal, mas assim que o fez, retornava apenas em ocasiões especiais, e os seus períodos de desaparecimento cresceram progressivamente. Desde 1992, nunca mais foi visto em Tampico, ou nos seus arredores. Durante uma breve estadia viveu em Espanha, especificamente em Barcelona onde trabalhou nas conhecidas lojas de departamento El Corte Inglés.

Formou-se em filosofia pela Universidade Nacional Autónoma do México (UNAM), com a tese Filosofia e educação: práticas discursivas e práticas ideológicas em livros didáticos para o primário. Depois começou a trabalhar como professor na Universidade Autónoma Metropolitana.

Ideário[editar | editar código-fonte]

Nas suas próprias histórias (versões confirmadas pelo governo), Marcos chegou a Chiapas com alguns outros companheiros depois de ter militado nas Forças de Libertação Nacional durante vários anos. Ele chegou a promover a ideologia maoísta, mas o encontro com os movimentos indígenas de Chiapas transformou a sua ideologia, tornando as comunidades indígenas o centro da sua práxis e do seu discurso. O resultado foi mais próximo de teorias pós-modernas / pós-marxistas que as suas intenções originais. Outras ideias que foram declaradas nos seus discursos e ações estão mais relacionadas com os temas e preocupações de marxistas revisionista italiano de Antonio Gramsci, popular no México, quando ele ainda estudava na universidade.

Desde o início da insurreição, disse à imprensa que o EZLN não era marxista, e tem dito em entrevistas ser "mais influenciado pelo intelectual mexicano Carlos Monsiváis do que por Karl Marx." Além de Emiliano Zapata, também expressou admiração pelo argentino revolucionário Ernesto "Che" Guevara.

Escritos filosóficos e políticos[editar | editar código-fonte]

Entre 1992 a 2006, Marcos escreveu mais de 200 dissertações e histórias, e publicou 21 livros, num total de pelo menos 33 edições, documentando amplamente suas perspectivas filosóficas e políticas. Os ensaios e as histórias são recicladas em livros. Marcos tende a preferir expressões indiretas, pois seus escritos são muitas vezes fábulas. Alguns, no entanto, são muito apegados à sua vida cotidiana e são diretos. Numa carta a ETA em janeiro de 2003 terminou com a frase "Eu pouco me importo com as vanguardas revolucionárias de todo o planeta", Marcos disse:

Citação: Vamos ensiná-los [os filhos] que existem tantas palavras como cores, e há tantos pensamentos em si mesmo, porque o mundo está a nascer com ele nas palavras. A existência de diferentes pensamentos e que temos de respeitá-los ... E ensiná-los a falar com a verdade, isto é, com o coração.

Um dos mais conhecidos livros de Marcos,A História das Coresé uma história para crianças. Baseada num mito da criação Maia, ensinou sobre a tolerância e o respeito pela diversidade.

O seu estilo elíptico, irónico e romântico pode ser uma forma de distanciar-se das circunstâncias dolorosas dos relatórios e protestos. Mas, como em qualquer caso, a sua volumosa obra tem uma finalidade, tal como descrito no livroA nossa arma é a nossa palavra.

Em dezembro de 2004 anunciou a publicação do livro Mortos Incomodos,junto com o escritor Paco Ignacio Taibo II, que foi publicado no jornal mexicanoLa Jornadae consistiu em doze partes onde existe um delineamento da vida política nacional mexicana. O livro primeiramente ia ser escrito por seis mãos, entre Marcos, Paco Ignacio TAIBO e Manuel Vazquez Montalban. Foi publicado na Espanha pela editora Fate em abril de 2005.

A Outra Campanha[editar | editar código-fonte]

Em 1º de janeiro de 2006, Marcos, agora Delegado Zero, começou uma turnê em 32 estados mexicanos a fim de promover a Outra Campanha. Nela, buscava ouvir o povo mexicano, os organizado e aqueles que não estão, "todos aqueles a partir de baixo e da esquerda procuram para mudar o estado atual da sociedade, sempre regidos por determinados princípios, tais como: o anticapitalismo, o horizontalismo, a igualdade, entre outros que o próprio movimento irá definir, na sua caminhada.

A natureza desta iniciativa envolve a distância dos três principais partidos políticos do México e dos seus candidatos presidenciais, deixando claro que a proposta de construção de um novo país não está passando pelo apoio a este ou aquele candidato, mas pela luta em si .

"O processo eleitoral já começou e está indo para alguém vir e dizer que o apoio que se eles vão resolver tudo. Viemos para dizer que eles não iam para resolver nada, nem têm que viemos para trazer soluções, mas problemas, e, convidando-nos sair com seus colegas que estão a subir para cima de outras partes do país para a construção do novo México

No dia 3 de maio de 2006, a polícia municipal de Texcoco tentou expulsar os vendedores de flores do mercado Belisario Domínguez. Habitantes de San Salvador Atenco apoiaram um protesto em Texcoco. Com isso começou um dia de violência que resultou em muitos feridos, dois mortos (Javier Cortés Santiago e Alexis Benhumea), estupro de mulheres, várias centenas de detidos e desaparecidos. Na sequência destes incidentes do EZLN, Marcos os declarou em alerta vermelho e suspendeu indefinidamente a Outra Campanha a fim de lutar pela libertação imediata e incondicional de todos os prisioneiros.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Livros[editar | editar código-fonte]

  • Mexico: A Storm and a Prophecy, Westfield, NJ - 1994
  • Voice of Fire, Berkeley, CA, New Earth Press - 1994
  • Ya basta! Les Insurgés Zapatistes Racontent un An de Révolte au Chiapas, Paris: Éditions Dagorno - 1994
  • Ya basta! Vers l'Internationale Zapatiste, Paris: Éditions Dagorno - 1996
  • Chiapas: el Sureste en dos vientos, una tormenta y una profecía, Montréal: Éditions Mille et Une Nuits - 1996
  • Shadows of Tender Fury, New York: Monthly Review Press - 1996
  • La Historia de los Colores, Guadalajara, Mexico: Colectivo Callejero - 1999
  • EZLN Communiques: Memory from Below, Oakland, CA: Regent Press - 1999
  • Desde las Montañas del Sureste Mexicano, Barcelona: Plaza y Janés Editores - 1999
  • Detras de Nosotros Estamos Ustedes, Barcelona: Plaza y Janés Editores - 2000
  • El Correo de la Selva, Buenos Aires: Retorica Ediciones - 2001
  • Contes Maya, Paris: Éditions L'Esprit Frappeur - 2001
  • Questions and Swords, El Paso, TX: Cinco Puntos Press - 2002
  • Afganistan por Noam Chomsky, James Petras e Marcos, Buenos Aires: Editorial 21 - 2001
  • Relatos Mexicanos Posmodernos por Lauro Zavala, Carlos Monsivais e Subcomandante Marcos, Madrid: Alfaguara, Santillana Ediciones Generales - 2002
  • Nuestra Arma es Nuestra Palabra, Toronto: Siete Cuentos Editorial - 2002
  • Mundo Global Guerra Global? por Atilio Boron, Joseph E. Stiglitz e Marcos, Buenos Aires: Ediciones Continente - 2002
  • Don Durito de la Forêt Lacandone, Lyon: Éditions de la Mauvaise Graine - 2004
  • Muertos Incómodos, Miami, FL: Planeta Publishing - 2005
  • Conversations with Durito, Brooklyn, NY: Autonomedia - 2006
  • The Other Campaign, San Francisco: City Lights Books - 2006

Livros sobre Marcos e Zapatistas[editar | editar código-fonte]

  • Rebellion from the Roots: Indian Uprising in Chiapas por John Ross, Monroe, ME: Common Courage Press - 1995
  • Basta! Land and the Zapatista Rebellion in Chiapas por George Allen Collier e Elizabeth Lowery Quaratiello, Oakland, CA: Food First Books - 1995
  • Marcos: La Genial Impostura, Madrid: Alfaguara, Santillana Ediciones Generales - 1997
  • Le Rêve Zapatiste, Paris, Éditions du Seuil - 1997
  • Religión, Política y Guerrilla en Las Cañadas de la Selva Lacandona, Mexico City: Editorial Cal y Arena - 1998
  • Rebellion in Chiapas: An Historical Reader, New York: The New Press - 1999
  • Marcos: el Señor de los Espejos por Manuel Vázquez Montalbán, Madrid: Aguilar - 1999
  • Marcos. La dignité rebelle por Ignacio Ramonet, Paris: Galilée - 2001
  • Looking for History: Dispatches from Latin America, New York: Knopf Publishing Group - 2001

Referências

  1. O governo do México acredita que o subcomandante Marcos seja Rafael Sebastián Guillén Vicente nascido em Tampico, estado de Tamaulipas em 19 de junho de 1957.
  2. Entrevista com Jorge Ramos. [1]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]