Submarinos no cinema

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde Fevereiro de 2008).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde Fevereiro de 2008).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.

Historicamente, o conceito de navegar submerso e usar isso como vantagem em tempos de guerra é mais antigo do que a idéia de guerra do senso comum: submarinos já existiam, pelo menos teoricamente, desde o início do século 17, de acordo com alguns projetos de antigos navegadores holandeses. O primeiro submarino realmente moderno foi o projeto (1903) do americano John Holland, com tripulação de 7 pessoas e um lança-torpedos.

Os submarinos no cinema não exploram apenas paisagens inusitadas, mas também as tensões entre pessoas confinadas em um artefato de metal cercado por muitos milhões de metros cúbicos de água. Talvez por isso eles sejam usados como cenário ideal para muitos filmes. A seguir, sinopses de alguns filmes sobre submarino.

Sobre os primeiros submarinos[editar | editar código-fonte]

The Hunley[editar | editar código-fonte]

Em 1864, a tripulação do submarino, que é movido a manivela e iluminado com velas, enfrenta a morte dentro de um espaço minúsculo que se enche de água rapidamente. Depois disso, o filme conta a história de um militar que faz de tudo para provar que os submarinos podem ser uma excelente máquina de guerra, apesar dos perigos.

O Hunley era um dos vários submarinos usados na Guerra Civil Americana (1861-1865). Recebeu o nome de seu criador. O submarino era tão mal construído que afundou algumas vezes, antes de entrar em ação. Quando finalmente atacou um navio, não resistiu à explosão.

Sobre submarinos da Segunda Grande Guerra[editar | editar código-fonte]

A maior parte dos bons filmes de guerra se concentram na Segunda Grande Guerra[carece de fontes?] e alguns deles retrataram os submarinos como as máquinas indispensáveis que realmente são[carece de fontes?].

Em 1943, a Segunda Grande Guerra já estava caminhando para o fim. A Alemanha, que em 1941 parecia imbatível, havia apanhado feio em 1942, com as derrotas no front oriental e com a vitória britânica no Egito e África do Norte. A invenção do sonar, utilizado pelas naves aliadas, acabou com a supremacia tática dos submarinos alemães. Para piorar a situação, em 1943 a Itália caiu fora da Guerra e, a partir de então, os aliados foram fechando o cerco.[carece de fontes?]

Rumo a Tóquio[editar | editar código-fonte]

“Rumo a Tóquio”, de 1943, com Cary Grant, foi realizado na mesma época da história do filme e é um dos primeiros marcadamente propagandístico feito pelos EUA [carece de fontes?]. Foi, também, a primeira vez[carece de fontes?] em que se usou um submarino como cenário para uma produção de ação e guerra. Os efeitos especiais, utilizando miniaturas de submarinos e torpedos, foram super elogiados[carece de fontes?], e o roteiro foi indicado ao Oscar.[carece de fontes?]

Um Mergulho no Inferno[editar | editar código-fonte]

Filme de 1943, no qual o capitão Dana Andrews disputa Anne Baxter com o imediato Tyrone Power. Nos intervalos do namoro quando estão em missão, os homens enfrentam os nazistas no Atlântico Norte.

Filmes da década de 50[editar | editar código-fonte]

20.000 Léguas Submarinas[editar | editar código-fonte]

20.000 léguas submarinas, com direção de Richard Fleischer, com Kirk Douglas, James Mason e Peter Lorre no elenco, é uma adaptação para o cinema do clássico de Julio Verne e, portanto, cinemão de primeira produzido pelos estúdios Disney. Há uma versão mais recente, feita para TV, com Michael Caine no papel do Capitão Nemo. O grande astro do livro e do filme é o submarino "Náutilus", movido por uma "energia desconhecida".

A Raposa do Mar[editar | editar código-fonte]

Também se passando durante a Segunda Guerra, é uma perseguição debaixo d’água, com Robert Mitchum e Curd Jürgens, o mesmo ator alemão que fez o vilão em 007 – O Espião que me amava. O roteiro mostra o duelo entre os comandantes de um destróier americano e um submarino alemão.

Operação Petticoat[editar | editar código-fonte]

Nesse filme de 1959 (br.: Anáguas a bordo), de Blake Edwards, o capitão Cary Grant e o tenente Tony Curtis, apesar de discordarem dos métodos que cada um emprega, precisam um do outro para escapar do bombardeio japonês às Filipinas em 1941, a bordo de um submarino avariado com um único motor funcionando (de um total de quatro). No meio do caminho, resgatam cinco enfermeiras e pintam a embarcação de cor-de-rosa, por falta de tinta disponível.

Filmes da década de 60[editar | editar código-fonte]

Viagem ao Fundo do Mar (TV)[editar | editar código-fonte]

Talvez porque estimulem nossa imaginação ao explorar águas misteriosas, os submarinos foram muito usados também em filmes de fantasia, como Viagem ao Fundo do Mar, primeiro sucesso[carece de fontes?] do produtor Irwin Allen. Foi dele a idéia[carece de fontes?] de criar um supersubmarino nuclear com janelas para observação frontal, o que rendeu boas imagens do fundo do mar. Daí o nome original Seaview ("vista do mar"). O filme fez tanto sucesso[carece de fontes?] que levou Allen a produzir vários seriados para TV, onde se firmou como um dos maiores do gênero. Sua primeira incursão na TV foi, justamente, com uma versão deste filme.

Viagem Fantástica[editar | editar código-fonte]

O filme mostra uma avançada experiência do governo americano que reduz um grupo de médicos ao tamanho de micróbios, colocando-os dentro de um submarino (o Proteus) para viajar dentro do corpo de um importante cientista que está para morrer devido a um coágulo no cérebro. Sua missão é encontrar o coágulo e salvar o cientista.

Submarino Amarelo (Desenho)[editar | editar código-fonte]

Com direção de George Dunning, Submarino Amarelo é uma animação musical famosa pela música dos Beatles. O grupo aparece transformado em desenho animado (em carne e osso, só nas cenas finais). Ao completar 30 anos, foi relançado em VHS e DVD[carece de fontes?], devidamente remasterizado, e em uma nova versão do CD, com músicas que não constavam do disco anterior. Na história, o submarino amarelo leva os Beatles para salvar Pepperland das garras dos malvados Blue Meanies.

007 contra a Chantagem Atômica[editar | editar código-fonte]

Quarto filme da série, ainda com Sean Connery, levou o Oscar de efeitos especiais. O submarino escolhido era bem pequeno.

Os russos estão chegando[editar | editar código-fonte]

Os russos estão chegando!, de 1966 foi dirigido por Norman Jewison e tem Alan Arkin, Carl Reiner, Eva Marie Saint no elenco. Trata-se de uma sátira à Guerra Fria que mostra as reações das pessoas à chegada de um submarino soviético às costas da Nova Inglaterra.

Estação Polar Zebra[editar | editar código-fonte]

Com Rock Hudson, Patrick MacGoohan e Ernest Borgnine no elenco, Estação Polar Zebra se passa todo dentro de um submarino e foi baseado no famoso livro homônimo de Alistair MacLean. Na história, soldados soviéticos e americanos buscam um microfilme que caiu no pólo Norte.

A Hora Final[editar | editar código-fonte]

A Hora Final extrapola a Guerra Fria e discute como seria o mundo durante uma Terceira Grande Guerra. Gregory Peck é o comandante de um submarino nuclear que segue até o último refúgio onde a radiação provocada pelas explosões do conflito ainda não chegou: a Austrália.

Latitude Zero[editar | editar código-fonte]

Latitude Zero, de 1969, é uma produção nipo-americana que mistura fantasia com ficção científica. Conta a história de dois cientistas e um jornalista que são arrastados por uma explosão vulcânica e recolhidos por um submarino que os leva até uma cidade fantástica.

Filmes da década de 70[editar | editar código-fonte]

SOS Submarino Nuclear[editar | editar código-fonte]

SOS – Submarino nuclear (1978), dirigido por David Greene, tem Charlton Heston, David Carradine, Stacy Keach, Ned Beatty e a estréia de Christopher Reeve. No filme, o submarino nuclear comandado por Charlton Heston sofre um acidente a dezenas de metros da superfície, à beira de um abismo. Depois de várias tentativas frustradas para resgatar o navio, a marinha dos Estados Unidos contrata um cientista especialista em resgates submarinos (Carradine) que, com seu pequeno submarino de resgate, tentará salvar o grande artefato nuclear.

1941 - Uma Guerra Muito Louca[editar | editar código-fonte]

É a primeira comédia dirigida por Steven Spielberg e tem Dan Aykroyd, Ned Beatty, John Belushi, Treat Williams, Nancy Allen, Robert Stack, Toshiro Mifune, Christopher Lee e John Candy no elenco. Um submarino japonês ataca Los Angeles durante a Segunda Guerra, provocando confusão.

Filmes da década de 80[editar | editar código-fonte]

Caçada ao Outubro Vermelho[editar | editar código-fonte]

Caçada ao Outubro Vermelho, de 1989, de John McTiernan, traz Sean Connery, Alec Baldwin, Sam Neill e James Earl Jones. Baseado em best-seller de Tom Clancy, conta a história de um capitão soviético que leva um supersecreto submarino para águas americanas. Enquanto os russos acham que ele quer desertar, os americanos suspeitam de um atentado. A ação acontece sempre debaixo d’água. Levou o Oscar de efeitos sonoros.

O Segredo do Abismo[editar | editar código-fonte]

Dirigido por James Cameron e com Ed Harris e Mary Elisabeth Mastrantonio no elenco, conta a história de uma equipe que enfrenta estranhas forças ao tentar resgatar um submarino, perdido a 600 metros de profundidade, à beira de um abismo. Ganhou Oscar de efeitos especiais.

O Barco - Inferno no Mar[editar | editar código-fonte]

O Barco – Inferno no Mar se passa na Segunda Guerra e mistura tensão com terror. Mostra a guerra sob o ponto de vista alemão.

Filmes da década de 90[editar | editar código-fonte]

Maré Vermelha[editar | editar código-fonte]

Maré Vermelha (1995), de Tony Scott e com Gene Hackman e Denzel Washington, conta a história de militares russos rebeldes que roubam armamento nuclear e ameaçam detonar o mundo ocidental. Um submarino americano é convocado para salvar a raça humana.

K-19: The widowmaker[editar | editar código-fonte]

Filme de 2002 sobre a guerra fria estrelado por Harrison Ford, conta a história do submarino russo obsoleto encarregado de explodir uma bomba nuclear na atmosfera, sobre o Pólo Norte, no auge da Guerra Fria. Depois de o teste ser executado com sucesso, o submarino recebeu uma nova missão, a de patrulhar um região entre Washintong DC e Nova York. No caminho ao seu novo posto o submarino tem um problema com o reator e a tripulação passa a viver um drama.

U-571[editar | editar código-fonte]

Dirigido por Jonathan Mostow, esse filme de 2000 tem Mathew McCounaghey, Bill Paxton, Harvey Keitel e Bon Jovi. Conta a história da tripulação de um submarino aliado que, em 1941, tem como missão capturar um equipamento que decifra o Código Enigma, usado pelos nazistas para informar seus u-boats sobre a posição dos inimigos.

Ver também[editar | editar código-fonte]