Suharto

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Suharto
Presidente da Indonésia Indonésia
Mandato 12 de março de 1967
a a 21 de maio de 1998
Antecessor(a) Sukarno
Sucessor(a) Jusuf Habibie
Vida
Nascimento 8 de junho de 1921
Kemusuk, Yogyakarta
Morte 27 de janeiro de 2008 (86 anos)
Jacarta
Dados pessoais
Primeira-dama Siti Hartinah
Partido Golkar
Profissão militar

Hadji Mohamed Suharto, ou simplesmente Suharto (Kemusuk, Yogyakarta, 8 de junho de 1921Jacarta, 27 de janeiro de 2008) foi um político e militar indonésio.

Foi general e o segundo presidente da Indonésia entre 1967 e 1998[1] .

Biografia[editar | editar código-fonte]

Suharto nasceu em 8 de junho de 1921 durante o Índias Orientais holandesas, em uma casa de bambu trançado murado na aldeia de Kemusuk, uma parte da grande aldeia de Godean. A aldeia fica a 15 km a oeste de Yogyakarta, o coração cultural do javanesa. Seu pai, Kertosudiro tinha dois filhos de seu casamento anterior, e era um oficial de irrigação da aldeia. Sua mãe Sukirah, uma mulher local, era parente distante do sultão Hamengkubuwono V por sua concubina em primeiro lugar[1] .

Em 30 de setembro de 1965,[2] Suharto orquestrou um golpe que foi acompanhado pelo massacre de comunistas e democratas indonésios e que resultou num genocídio que fez entre 500 mil e dois milhões de vítimas, perante a indiferença mundial.[3]

Durante as três décadas em que esteve à frente dos destinos da Indonésia, Suharto construiu um governo nacional forte e centralista, forçando a estabilidade no heterogéneo arquipélago indonésio através da supressão dos dissidentes políticos e dos separatismos regionais[4] . As suas políticas levaram a um substancial crescimento económico do país, apesar de muitos dos ganhos no nível de vida tenham sido perdidos com a crise financeira asiática que começou em 1997 e acabou por precipitar a sua queda. Com a prosperidade económica, Suharto enriqueceu pessoalmente, tendo criado um pequeno círculo de privilegiados através da implementação de monopólios estatais, subsídios e outros esquemas menos lícitos[1] .

A invasão de Timor-Leste[editar | editar código-fonte]

Em 1975, na sequência da retirada de Portugal do Timor Português, a Fretilin tomou momentaneamente o poder e Suharto ordenou às suas tropas que invadissem o país. Em causa estavam elevados interesses económicos, nomeadamente o petróleo do Mar de Timor. Estima-se que 200 mil timorenses tenham perecido, cerca de um terço da população total[4] . Em 15 de julho de 1976 o antigo Timor Português tornou-se a 27.ª província indonésia, adoptando o nome de "Timor Timur". A situação só foi alterada em 1999, quando o seu sucessor, Baharuddin Jusuf Habibie, acordou a transferência da administração para as Nações Unidas e a realização de um referendo que acabou na proclamação da independência de Timor-Leste[4] .

Morte[editar | editar código-fonte]

Após um período de internação que durou 23 dias o ex-ditador indonésio morreu no hospital Petarmina em Jacarta depois de uma coma causada por falência múltipla dos órgãos[5] .

Referências

  1. a b c Mohamed Suharto (em português). Infopédia. Página visitada em 08 de junho de 2012.
  2. Jon Halliday Jung Chang. Mao - A História Desconhecida. 1 ed. [S.l.: s.n.], 2006. 992 p. ISBN 8535908730
  3. A morte de um ex-ditador. Folha de Pernambuco (29/01/2000). Página visitada em 2009-07-19.
  4. a b c Suharto - News (em inglês). The New York Times - Topics. Página visitada em 08 de junho de 2012.
  5. Suharto Dies at 86; Indonesian Dictator Brought Order and Bloodshed (em inglês). The New York Times. Página visitada em 08 de junho de 2012.

Ligações Externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Suharto
Portal A Wikipédia possui o
Portal da Indonésia


Precedido por
Sukarno
Presidente da Indonésia
19671998
Sucedido por
Jusuf Habibie