Sujeito

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Em análise sintática, o sujeito é um dos termos essenciais da oração, geralmente responsável por realizar ou sofrer uma ação ou estado. Ele é o termo com qual o verbo concorda. [1] [2] [3]

Segundo uma tradição iniciada por Aristóteles, toda oração pode ser dividida em dois constituintes principais: o sujeito e o predicado. Em português, o sujeito rege a terminação verbal em número e pessoa e é marcado pelo caso reto quando são usados os pronomes pessoais. As regras de regência do sujeito sobre o verbo são denominadas concordância verbal. Na frase, Nós vamos ao teatro. vamos é uma forma do verbo "ir" da primeira pessoa do plural que concorda com o sujeito nós.[carece de fontes?]

Para os verbos que denotam ação, frequentemente o sujeito da voz ativa é o constituinte da oração que designa o ser que pratica a ação e o da voz passiva é o que sofre suas consequências. Sob outra tradição, o sujeito (psicológico) é o constituinte do qual se diz alguma coisa. Segundo Bechara, "É o termo da oração que indica a pessoa ou a coisa de que afirmamos ou negamos uma ação ou qualidade".[carece de fontes?]

Exemplos:

O pássaro voa.
Os pássaros voam.
O menino brinca.
Os meninos brincam.
Pedro saiu cedo.
Os jovens saíram.

Didaticamente, fazemos uma pergunta para o verbo: Quem é que? ou Que é que? ― e teremos a resposta; esta resposta será o sujeito. O sujeito simples tem um núcleo.

O menino brinca.

Quem é que brinca? O menino. Logo, o menino é o sujeito da frase.

O livro é bom.

O que é que é bom? O livro. Logo, o livro é o sujeito da frase.

Classificação[editar | editar código-fonte]

O sujeito pode ser classificado em simples, composto, indeterminado, elíptico ou oculto, e inexistente. [2] Nesse último caso, temos o que se convencionou chamar de oração sem sujeito.

Sujeito simples[editar | editar código-fonte]

É o sujeito que apresenta apenas um núcleo substantivo (nome ou pronome). [2] Aumentar o número de características a ele atribuídas não o torna composto. Exemplos de sujeito simples (o sujeito está em negrito):

Obs.: o verbo concorda com o sujeito, seja ele anteposto ou posposto.

Maria é uma garota bonita.
A pequena criança parecia feliz com seu novo brinquedo.

Sujeito composto[editar | editar código-fonte]

É aquele que apresenta mais de um núcleo substantivo. [2]

Ana e Rute fizeram compras no sábado.
Mateus e o amigo Bruno saíram para almoçar.

O sujeito também pode vir depois do verbo:

Saíram Bruno e Mateus.
Saiu Bruno e Mateus

Obs.: Note que, no segundo caso, o verbo "saiu" concorda com o sujeito "Bruno", mais próximo a ele. Isso é permitido apenas quando o sujeito composto está posposto ao verbo; chama-se concordância atrativa.

Sujeito subentendido; desinencial, implícito, oculto ou elíptico[editar | editar código-fonte]

Sujeito desinencial é aquele que não vem expresso na oração, mas pode ser facilmente identificado pela desinência do verbo.

Fechei a porta.

Quem fechou a porta?

Perguntaste mesmo isso à professora?

Obs.: não confundir vocativo (expressão de chamamento) com sujeito.

Querido aluno, leia sempre! (sujeito oculto: "você" — "você" leia sempre "eu" — "eu" fico feliz com seu sucesso)

Obs.: As classificações do sujeito, em Língua Portuguesa, são apenas três: simples, composto e indeterminado. [carece de fontes?]

Dar o nome de Sujeito desinencial, elíptico ou implícito não equivale a classificar o sujeito, mas somente determinar a forma como o sujeito simples se apresenta dentro da estrutura sintática. No mais, a classificação Sujeito Oculto foi abolida, por questões técnico-formais e linguístico-gramaticais, passando a denominar-se Sujeito Simples Desinencial, uma vez que se pode determiná-lo através dos morfemas lexicais terminativos das formas verbais, situação na qual, para indicar que o sujeito se encontra elíptico usa a forma pronominal reta equivalente à pessoa verbal entre parênteses. Assim, na estrutura sintática: "Choramos todos os dias", para indicar o sujeito simples subentendido na forma verbal, coloca-se entre parênteses da seguinte forma: (Nós)= sujeito simples desinencial. [carece de fontes?]

Sujeito indeterminado[editar | editar código-fonte]

Sujeito indeterminado é a expressão que não identifica o agente. [2] Podemos dizer que o sujeito é indeterminado quando o verbo não se refere a uma pessoa determinada, ou por se desconhecer quem executa a ação ou por não haver interesse no seu conhecimento. Aparecerá a ação, mas não há como dizer quem a pratica ou praticou.

Há quatro maneiras de identificar um sujeito indeterminado:

Verbo na 3ª pessoa do plural[editar | editar código-fonte]

O verbo se encontra na 3ª pessoa do plural, [2] sem referência a qualquer agente já expresso em orações anteriores.

Dizem que eles não vão bem.
Estão chamando o rapaz.
Falam de tudo e de todos.
Falaram por aí.
Disseram que ele morreu.

Verbo Transitivo Indireto[editar | editar código-fonte]

Com um Verbo Transitivo Indireto, somente na 3ª pessoa do singular, mais a partícula se. [4]

Precisa-se de livros. (Quem precisa, precisa de alguma coisa → verbo transitivo indireto)
Necessita-se de amigos. (Quem necessita, necessita de alguma coisa → verbo transitivo indireto)

A palavra se é um índice de indeterminação do sujeito, pois não se pode dizer quem precisa ou quem necessita.

Cuidado! Caso você encontre frases com Verbo Transitivo Direto:

Compram-se carros. (Quem compra, compra alguma coisa → verbo transitivo direto)
Vende-se casa. (Quem vende, vende alguma coisa → verbo transitivo direto)

Não se caracteriza sujeito indeterminado, pois nos casos de VTD, a partícula "se" exerce a função de partícula apassivadora e a frase se encontra na voz passiva sintética. Transpondo as frases para a voz passiva analítica, teremos:

Carros são comprados. (sujeito: "Carros");
Casa é vendida. (sujeito: "Casa").

Verbo Intransitivo[editar | editar código-fonte]

Com um Verbo Intransitivo, [4] somente na terceira pessoa do singular, mais a palavra se, índice de indeterminação do sujeito.

Vive-se feliz, aqui.
Aqui se dorme muito bem.
Brinca-se no carnaval de salão.

Verbo de ligação[editar | editar código-fonte]

Com um Verbo de ligação, [4] na terceira pessoa do singular, mais a palavra "se" que se torna índice de indeterminação do sujeito.

Nem sempre se é justo nesta profissão.

Orações sem sujeito, sujeito inexistente[editar | editar código-fonte]

Há verbos que não têm sujeito, ou este é nulo. A língua desconhece a existência de sujeito de tais verbos. Uma oração é sem sujeito quando o verbo está na terceira pessoa do singular, sobretudo os seguintes:

Obs.: Note que fora do contexto "gramático", sempre há um agente, pois o verbo denota mudança, e mudanças sempre são causadas por um agente. O que há nessa classificação na gramática é que não há um termo na qual haja concordância com o verbo, esse termo, o sujeito.

Fenômenos meteorológicos[editar | editar código-fonte]

Com os verbos que indicam fenômenos da natureza (meteorológicos), tais como: anoitecer, trovejar, nevar, escurecer, chover, relampejar, ventar. [2] [4]

Trovejou muito.
Neva no sul do país.
Anoitece tarde no verão.
Chove muito no Amazonas.
Ventou bastante ontem em Vila Velha no Espirito Santo.

Verbo com sentido de existir[editar | editar código-fonte]

Com o verbo haver, significando existir ou acontecer. [2] [4]

Ainda amigos.
Haverá aulas amanhã.
bons livros na livraria.
gente ali.
homens no mar.
Houve um grave incidente no meu apartamento.

Verbos que indicam tempo[editar | editar código-fonte]

Com os verbos ser, fazer, haver, estar, ir e passar indicando tempo. [2] [4]

Está quente esta noite.
Faz dez anos que não o vejo.
Faz calor terrível no verão.
Está na hora do recreio.
Faz dez anos as comemorações do bicampeonato brasileiro.
Era em Londres.
É tarde.
Era uma vez.
Foi em janeiro.
passa de um ano.
passa das cinco horas.

Obs.: existem advérbios que exercem claramente a função sintática de sujeito, a qual é própria de substantivos.

Amanhã é feriado nacional. (O dia de amanhã...)
Aqui já é Vitória. (Este lugar...)
Hoje é dia de festa. (O dia de hoje...)
Agora já é noite avançada. (Esta hora...)

Obs.: Oração sem sujeito também pode ser chamada de OSS.

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. Dicionário Terminológico para consulta em linha Ministério da Educação e Ciência de Portugal. Visitado em 11 de março de 2014.
  2. a b c d e f g h i Celso Pedro Luft. Moderna gramática brasileira. [S.l.]: Globo Livros, 2002. p. 46-49. ISBN 8525036218, 9788525036216
  3. Gloria Gali. Sujeito e Predicativo do sujeito Língua Portuguesa em Uso (LPeU). Visitado em 11 de março de 2014.
  4. a b c d e f Gloria Gali. Compreendendo o sujeito indeterminado e o oculto Língua Portuguesa em Uso (LPeU). Visitado em 12 de março de 2014.
Wikilivros
O wikilivro Português tem uma página sobre Sujeito