Sujeito (filosofia)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Sujeito é um ser que tem uma consciência e experiências únicas ou uma entidade que tem um relacionamento com outra entidade que existe fora de si mesma (chamado de "objeto") . Um sujeito é um observador e um objeto é uma coisa observada. Este conceito é especialmente importante na filosofia continental, onde "o sujeito" é um termo central nos debates sobre a autonomia humana e da natureza do eu ou do meu ser

A nítida distinção entre sujeito e objeto corresponde à distinção, na filosofia de René Descartes, entre o pensamento e a extensão. Descartes acreditava que o pensamento (a subjetividade) era a essência da mente e que a extensão (a ocupação do espaço) era a essência da matéria.

Na moderna tradição continental, que pode afirmar-se que originou-se com Descartes, debates sobre se a natureza do sujeito desempenha um papel comparável aos debates sobre a pessoa distinta dentro da tradição anglo-americana da filosofia analítica.

Sujeitos pós-modernos[editar | editar código-fonte]

O pensamento de Marx e Freud, desde ponto de partida para questionar a noção de uma unitária, sujeito autônomo, que para muitos pensadores da tradição continental é visto como o fundamento da teoria liberal do contrato social. Esses pensadores abriram o caminho para a desconstrução do sujeito como um conceito central da metafísica.

Ao explorar o inconsciente da mente, Sigmund Freud somou um argumento para as noções iluministas de subjetividade. Entre os mais radicais re-pensadores da auto-consciência do ser humano estava Heidegger, cujo conceito de "ser-aí" (Dasein) desloca todas as noções tradicionais de sujeito pessoal.

Jacques Lacan, inspirado por Heidegger e Saussure, construído no modelo psicanalítico de Freud sobre o sujeito, em que o "sujeito dividido" é constituído por um duplo vínculo: alienado pela jouissance quando ele ou ela deixa o real, entra no imaginário (durante o estágio do espelho), e separa do outro, quando ele ou ela entra no campo da linguagem, diferença e demanda no simbólico ou nome-do-pai.

Pensadores como Althusser, Foucault[1] ou Bourdieu teorizam o assunto como uma construção social. De acordo com Althusser, o "sujeito" é uma construção ideológica (mais exatamente, construído pelos "aparelhos ideológicos do Estado"). Uma de subjetividade existe "sempre pronta" e é descoberta através do processo de interpelação. A ideologia inaugura o sujeito e toda ideologia visa preservar e glorificar o seu sujeito idealizado, bem como a categoria metafísica do próprio sujeito.

De acordo com Foucault, é o "efeito" do poder e "disciplinas" (ver Vigiar e Punir: a construção do sujeito como aluno, soldado, "criminoso", etc.) Foucault acreditava que era possível transformar a si mesmo, ele usou a palavra ethopoiein da palavra ethos para descrever o processo.[2]

Referências

  1. Heartfield, James (2002). Postmodernism and the 'Death of the Subject' The Death of the Subject.. Página visitada em 28 March 2013.
  2. Foucault, Michel. The hermeneutics of the subject : lectures at the Collège de France, 1981-1982. New York: Picador, 2006. 237 pp. ISBN 9780312425708
Ícone de esboço Este artigo sobre filosofia / um filósofo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.