Suzuki AN 400 Burgman

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Este artigo não cita fontes fiáveis e independentes. (desde janeiro de 2010). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Suzuki AN 400
Suzuki Burgman 400.JPG
Fabricante Suzuki
Produção Atual
Tipo motoneta/scooter
Motor 3853
monocilíndrica, injeção eletrônica, 4 tempos OHC, monocilíndrico, 4 válvulas, refrigeração líquida
Potência 32 cv a 8.000 rpm
Torque 3,3 kgm a 6.000 rpm
Transmissão Automática continuamente variável - CVT
Suspensão D:telescópica, de amortecimento hidráulico
T:Monoamortecedor hidráulico
Freios D:Duplo disco de 260 mm
T:Disco de 210 mm
Pneus D:110/90-13M/C 55P
T:130/70-13M/C 63P
Altura do Assento 695 mm
Tanque 13 lts

A Suzuki AN 400 Burgman é uma motoneta/scooter fabricado pela Suzuki e vendido no Brasil e em diversos países.

Histórico[editar | editar código-fonte]

Em 1998, a Suzuki resolveu lançar o maior scooter já fabricado pela marca. Com mira no sucesso de mercado de outros big-scooters como a Honda Helix 250 e a Yamaha Majesty 250, a Suzuki lançou (inicialmente apenas no Japão), o modelo AN400, conhecido no mundo ocidental como Burgman, mas chamada no Japão de Skywave. Além da versão de 400 cilindradas, a linha AN compreendia ainda a versão de 250 cilindradas (também chamada de Burgman/Skywave) e a versão de 125 cilindradas(AN125, chamada de Burgman pela Suzuki do Brasil, mas que era chamada apenas de AN125 nos outros mercados).

Burgman X Skywave[editar | editar código-fonte]

Embora conceitualmente a Burgman e a Skywave sejam a mesma moto, há algumas diferenças básicas entre a Skywave (destinada ao mercado japonês) e a Burgman (destinada ao mercado ocidental). Na Skywave, além do guidão mais estreito, o assento é mais baixo em relação ao solo, por conta da menor estatura média da população nipônica, além de diferenças relacionadas ao tráfego em mão-inglesa, também aplicados às Burgmans vendidas no Reino Unido.

Em 1998, ano do lançamento da Skywave no mercado japonês, ela ainda não era vendida na Europa. A Suzuki adota mundialmente a sigla W para referenciar os modelos do ano de 1998, então a Skywave ano 98 é também chamada de AN400W. O sistema de freios é composto de dois discos, sendo que o acionamento do freio traseiro era combinado com o dianteiro (este com menos força do que o acionamento "solo" do freio dianteiro). Este sistema combinado auxiliava uma melhor distribuição da força entre os dois freios.

Linha do tempo[editar | editar código-fonte]

O Suzuki Skywave de 1999 não teve alterações significativas. A sigla do ano é X, então a Skywave 1999 é também chamada de AN400X.

Para a linha 2000, iniciaram-se as vendas no continente europeu, já com o nome Burgman (manteve-se a denominação Skywave para os modelos japoneses). Não houve alterações mecânicas para o modelo europeu. Neste ano, foi lançada (exclusivamente no mercado japonês), uma versão da Skywave denominada Winter, que possuía itens extras como manoplas aquecidas e protetor de punhos. Esta versão nunca foi vendida fora do Japão. Os modelos deste ano são referidos como AN400Y.

Em 2001 (linha AN400K1) houve alterações estéticas nos modelos vendidos no Japão e Europa. A traseira adquiriu maior porte, com lanternas que lembram alguns automóveis da Mercedes-Benz, e entrou no mercado a versão de 250cc (AN250). Apesar das alterações estéticas na traseira, toda a parte dianteira manteve-se com o mesmo "layout" das versões anteriores, incluindo-se aí comandos e painel de instrumentos. Esta versão passou a ser chamada de "Burgman Business" em alguns países europeus, mantendo-se a nomenclatura Skywave para o Japão e apenas Burgman para outros países. No Japão, o novo modelo também ganhou a versão Winter. Não houve modificações na parte mecânica. Neste ano também iniciaram-se as vendas da AN400 no mercado brasileiro (utilizando o nome Burgman), ainda com o modelo de traseira antigo (à direita), e pequenas adaptações mecânicas para o mercado brasileiro (especificamente ajustes na carburação para o uso da gasolina com 22% de álcool anidro comercializada aqui, e troca da bomba de combustível por uma mais resistente ao maior poder corrosivo do álcool). Independente do modelo de traseira (antigo ou novo), todas as AN400 fabricadas em 2001 são chamadas de AN400K1.

Em 2002, não houve alterações no modelo europeu. No Brasil, pouquíssimas unidades da Burgman 400 (já na versão nova) foram comercializadas neste ano. Os modelos deste ano são referidos como K2, ou AN400K2.

Em 2003, a linha Burgman/Skywave sofre uma completa reformulação na Europa e Japão. A dianteira recebe faróis de duplo refletor, que passam uma impressão de maior porte, e a traseira abandona o estilo inspirado nos Mercedes-Benz para adotar um estilo próprio. O painel de instrumentos ganhou conta-giros, ganhando estilo de painel de automóvel. O espaço para pequenos objetos aumentou, com a mudança da bateria do lado direito do porta-luvas para dentro do porta-malas, e com a mudança do bocal de abastecimento do radiador do nicho à esquerda do painel para outra localização. Com essas modificações, o porta-luvas praticamente dobrou de tamanho e ainda ganhou-se mais um nicho extra para pequenos objetos (só havia um e passaram a ser dois). O novo porta-luvas ainda por cima passou a incluir uma tomada de 12 volts, útil para carregar telefones celulares, por exemplo. A abertura do porta-malas, que antes tinha fechadura em separado, passou a ser no próprio miolo da ignição. Vieram ainda rodas de liga leve com novo design, que acabaram provando também ser mais resistentes. Mas as grandes modificações de fato foram na parte mecânica: o motor recebeu sistema de injeção eletrônica, tornando o modelo apto a atender as rígidas normas de emissão dos Estados Unidos da América (onde também passou a ser comercializado no mesmo ano) e pequenas alterações no sistema de transmissão (utilização de rolamentos mais leves no variador do câmbio CVT) elevou o regime de rotação de potência máxima para os 7600 rpm. A adoção da injeção eletrônica não chegou a prover maior potência (que se manteve em 32hp). Para o mercado do Brasil, infelizmente, estas inovações só vieram para a linha 2004, e no ano de de 2003 manteve-se o layout "traseira de Mercedes" das K1 e K2 europeias/japonesas e motor alimentado por carburador. Os modelos deste ano (sejam os europeus / japoneses / norte-americanos com injeção eletrônica e novo design, sejam os brasileiros com layout antigo e motor com carburador) são referidos como K3 ou AN400K3.

Em 2004, não houve alterações significativas no modelo, exceto no mercado brasileiro, que passou a receber o novo modelo, com as devidas adaptações para o nosso combustível. O modelo ganhou um indicador de troca de óleo (com km programável pelo usuário) em todos os mercados. As Burgman/Skywave deste ano são chamadas de K4 ou AN400K4.

Para a linha AN400K5 (2005), a grande novidade (que não veio para o mercado brasileiro) era a versão "Type S" da Burgman / Skywave . As diferenças para a versão padrão se resumiam basicamente à estética mais esportiva, sem o encosto do garupa (substituído por um spoiler), o parabrisas mais baixo, as rodas na cor cinza-grafite e o painel de instrumentos com fundo branco, além das cores mais agressivas (como o "Vermelho Ferrari"). Para a linha AN400K6 (2006), não houve modificações.

Com o lançamento da linha 2007 da Suzuki nos mercados europeu / japonês / americano, a Burgman/Skywave foi, novamente, completamente reformulada. O farol de duplo refletor foi substituído por dois faróis individuais (que lembram muito a GL 1800 Gold Wing da Honda, e as Burgman 650 e V-Strom da própria Suzuki). As modificações mecânicas foram extensas: o motor passou a 399cc e passou a ter comando DOHC. A roda dianteira de 13 polegadas foi substituída por uma de 14", o que melhorou bastante a ciclística. O sistema de escapamento passou a receber catalisador e sensor de oxigênio, para atender às rígidas normas Euro 3 de emissão de poluentes. O porta-malas, que já era gigantesco com seus 55 litros, passou a 62.

Todas as modificações foram estendidas à versão "Type S". O fato é que mesmo com os controles extras de poluição, as melhorias na parte mecânica tornaram possível manter o mesmo nível de potência e torque dos modelos anteriores. A única perda foi a eliminação do sistema de freio combinado, a partir deste modelo, a manete esquerda aciona apenas o freio traseiro, e a direita apenas o dianteiro. A linha AN400K7 brasileira mantém o modelo antigo.

Na verdade o modelo 2010 da Burgman 400 veio, com certo atraso, para o Brasil com as modificações que já haviam sido feitas para o mercado europeu. Seu porta-malas aumentou, aumentou também a distância entre o guidão e o para-lamas dianteiro, dando a impressão que a moto ficou maior. O parabrisas ficou maior e mais largo. Também houve modificação no painel, com novas formas de conta-giros e velocímetro. Ainda no painel a Burgman 400 2010 traz termômetro e o freio à mão está localizado bem abaixo do guidão; as anteriores a peça ficava na carenagem, no lado direito. De fato o modelo 2010, para o mercado brasileiro, perdeu o apoio das costas para o carona, a roda dianteira saltou de 13 para 14. As inovações internacionais finalmente chegaram ao Brasil. Agora resta esperar se haverá fortes alterações para os próximos anos.