Swimming Pool (2003)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Swimming Pool
Swimming Pool (PT)
Swimming Pool - À Beira da Piscina (BR)
 Reino Unido  França
2003 • cor • 94 min 
Direção François Ozon
Roteiro François Ozon/ Emmanuèle Bernheim
Elenco Charlotte Rampling
Ludivine Sagnier
Charles Dance
Género thriller, mistério
Idioma inglês francês

Swimming Pool (br: Swimming Pool - À Beira da Piscina) é um filme franco-inglês de 2003, um thriller psicológico com toques de mistério estrelado por Charlotte Rampling e Ludivine Sagnier e dirigido por François Ozon.

Sinopse[editar | editar código-fonte]

O filme é centrado numa escritora de novelas de mistério britânica, Sarah Morton (Rampling), que viaja para a casa de verão de seu editor no sudoeste da França em busca de inspiração para seu próximo livro. Entretato, a chegada de Julie (Sagnier), a filha do editor, detona diversas complicações e um subsequente crime.

Elenco[editar | editar código-fonte]

Produção[editar | editar código-fonte]

Apesar de protagonista do filme ser britânica e os dois personagens principais serem bilíngues, a quase totalidade do enredo se desenvolve na França e os diálogos são nas duas línguas.

À Beira da Piscina foi lançado no Festival de Cannes em maio de 2003[1] e estreou para o público em geral alguns dias mais tarde.

Bem recebido pela crítica e público, o filme lançou controvérsias a respeito de sua natureza ambígua e final nebuloso que pode ser interpretado de várias maneiras. Sobre isto, o próprio diretor declarou:

O personagem de Charlotte mistura fantasia com realidade. Apesar de no filme tudo relativo à fantasia seja parte do ato de criação, ele é mais sugerido do que mostrado concretamente, causando confusão. Em termos de direção, eu tratei tudo que possa ser imaginário no filme de uma maneira realista, assim você pode ver tudo - fantasia e realidade - no mesmo plano"[2]

Uma das interpretações dadas ao filme é que na verdade Sarah está o tempo todo solitária na casa, e que Julie é apenas uma criação de sua mente, baseada em sua própria juventude. No fim do filme, fica claro que Julie não é, pelo menos, realmente filha do editor.

Recepção da crítica[editar | editar código-fonte]

Com resenhas positivas, o filme foi descrito por críticos internacionais como um competente melodrama psicológico no estilo de hitchcockiano[3] e que Ozon entendeu, como Hitchcock, como pequenos passos errados levam a uma decisão equivocada que cresce em seu erro e transforma-se num terrível pesadelo psicológico" [4] Alcançou metascore de 70% no Metacritic, em base de 37 avaliações profissionais. Por votos dos usuários do site, alcança uma nota de 6.5, usada para avaliar a recepção do público.[5]

Bilheteria[editar | editar código-fonte]

O filme custou cerca de US$8 milhões e arrecadou mais de US$22 milhões mundialmente (US$10 milhões apenas nos Estados Unidos), sendo considerado um sucesso financeiro.[6]

Referências

  1. Festival de Cannes: Swimming Pool festival-cannes.com. Visitado em 2009-11-07.
  2. Futuremovies
  3. Swimming Pool. BBC Film Reviews. Neil Smith, 25 de julho de 2003 (página visitada em 3-8-2009)
  4. Roger Ebert reviews Swimming Pool. Chicago Sun Times, 2 de julho de 2003 (página acessada em 3-8-2009)
  5. Swimming Pool (em inglês) Metacritic. Visitado em 20 de maio de 2014.
  6. Swimming Pool boxofficemojo.com Box Office Mojo, LLC. Visitado em 8-4-2008.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]