Symphony X

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou secção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto (desde janeiro de 2011).
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Symphony X
Symphony X.jpg
Symphony X em São Francisco, Califórnia, em 2007
Informação geral
Origem Nova Jérsei
País  Estados Unidos
Gênero(s) Metal Progressivo
Metal neoclássico
power metal
Período em atividade 1994 – atualmente
Gravadora(s) Insideout
Página oficial SymphonyX.com
Integrantes
Michael Romeo
Russell Allen
Michael Pinnella
Michael Lepond
Jason Rullo
Ex-integrantes
Thomas Walling
Thomas Miller
Rod Tyler

Symphony X é uma banda americana de metal progressivo formada em Nova Jérsei em 1994 pelo guitarrista Michael Romeo.

História[editar | editar código-fonte]

Em abril de 1994 nos Estados Unidos de Nova Jérsei o guitarrista Michael Romeo, aproveitando o sucesso de seu demo solo The Dark Chapter resolveu montar uma banda. O primeiro membro a integrar-se foi o baixista Thomas Miller, com quem Michael já havia trabalhado muito nos últimos dez anos. A dupla então chamou para o conjunto o baterista Jason Rullo, o vocalista Rod Tyler e o tecladista Michael Pinella.

Gravaram seu primeiro álbum Symphony X nos meses de agosto e setembro de 1994. Sendo lançado no Japão em dezembro do mesmo ano. Não foi feita nenhuma turnê para divulgação desse álbum devido ao fato da banda ter lançado o primeiro álbum no fim do ano e logo depois já ter entrado em estúdio novamente para a gravação do segundo disco, ou seja, não houve tempo para uma turnê.

No começo de 1995, o vocalista Rod Tyler abandonou a banda durante as gravações do segundo álbum, The Damnation Game. Russell Allen assume então os deveres vocais. Apenas oito meses após o álbum de estréia, o Symphony X lança seu segundo disco. Também não foi feita nenhuma turnê para promover o álbum, pois a banda preferiu descansar o resto do ano, visto que tinham gravado os 2 álbuns seguidamente e sem quase nenhum descanso.

Já no final de 1996 a banda voltou ao estúdio para começar a gravar seu terceiro álbum The Divine Wings of Tragedy. Iniciou-se depois o trabalho para o sucessor de The Divine Wings of Tragedy. No final de 1997, pouco antes de iniciarem as gravações, o baterista Jason Rullo deixou a banda e foi substituído por Thomas Walling.

Após o lançamento de Twilight in Olympus, a banda fez turnê na Europa, mas Thomas Wailing, o novo baterista e Thomas Miller, o baixista não puderam excursionar pelo continente. O ex-baterista Jason Rullo decidiu voltar para a banda.

Ao voltar para os Estados Unidos foram feitas várias audiências para escolher o substituto definitivo de Thomas Miller, o que resultou na estrada de Mike LePond. Também em 1998, um mês depois do lançamento de Twilight in Olympus, ocorreu o lançamento do álbum Prelude to the Millennium, uma coletânea reunindo os clássicos da banda.

Em 1999 o Symphony X entra novamente em estúdio para gravar o próximo álbum, lançado no ano seguinte. V: The New Mythology Suite. Foi durante a turnê na Europa do mesmo, que houve a gravação do primeiro disco ao vivo da banda, o duplo Live on the Edge of Forever, lançado em 2001. Em 2002 deu-se o lançamento de novo álbum do Symphony X, The Odyssey, com sua faixa título de mais de 24 minutos.

Após cinco anos longe dos estúdios, o Symphony X lança o seu oitavo álbum, Paradise Lost, com lançamento em 26 de Junho de 2007.

Em 2011, o grupo lança o seu oitavo disco, Iconoclast, cujas letras têm como tema "máquinas dominando tudo e a tecnologia em que nós colocamos nossa sociedade sendo nossa morte".[1]

Symphony X Dungeon[editar | editar código-fonte]

The Dungeon é o estúdio localizado na casa do guitarrista Michael Romeo. A banda utilizou este estúdio no passado para gravar algumas partes, e gravou o álbum The Odyssey inteiramente lá, com a produção do próprio Michael. O Symphony X gastou uma grande soma de dinheiro com equipamento para The Dungeon e softwares para orquestração, de modo a poder gravar os arranjos sinfônicos de suas músicas com samplers.

Integrantes[editar | editar código-fonte]

Formação atual[editar | editar código-fonte]

Ex-membros[editar | editar código-fonte]

Discografia[editar | editar código-fonte]

Álbuns de estúdio[editar | editar código-fonte]

Álbuns ao vivo[editar | editar código-fonte]

Compilações[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Symphony X: New Album Title, Lyrical Concept Revealed. Blabbermouth.net (29 de Janeiro de 2011). Página visitada em 29 de Janeiro de 2011.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]