Técnica de relaxamento

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Uma técnica de relaxamento é um método de intervenção psicológica não específico (ou seja, pode ser utilizado no tratamento de diversos tipos de problemas) que tem por fim auxiliar o indivíduo a atingir um estado de relaxamento físico (relaxamento muscular e redução da estimulação do sistema nervoso simpático) e mental (tranquilidade e equilíbrio interior).[1]

Relaxamento[editar | editar código-fonte]

Question book.svg
Este artigo não cita fontes confiáveis e independentes (desde julho de 2010). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

A ausência de tensão muscular - o relaxamento, em sentido restrito, constitui um típico processo psicofisiológico de carácter interactivo, em que o fisiológico e o psicológico não são simples correlatos um do outro, mas ambos interagem, sendo partes integrantes do processo, como causa e como produto. Na prática, trata-se de fazer perceber ao cliente as suas impressões sensoriais, das mais simples às mais complexas, como sejam o tacto, a audição e até as mais sofisticadas como a respiração e depois o controlo de imagens mentais (Turpin,1989).

É uma forma de atividade psicomotora na qual se objetiva a redução das tensões psíquicas, levando à descontração muscular. O relaxamento proporciona melhor conhecimento do esquema corporal, melhor estruturação espaço-temporal e equilíbrio, contração e descontração. É a noção de tenso, relaxado, duro, mole, e a criança transpõe essas noções para seu próprio corpo.

O relaxamento é considerado o contrário de tonicidade e contração e procura ocasionar uma regulação dos ritmos orgânicos (respiração, circulação etc.). Sua finalidade básica é o afinamento, valorizando a integração conscientizada dos diferentes estados tensionais e promovendo progressivamente a unificação psicossomática. Pretende atingir um estado de repouso e de calma interior, proporcionando uma integração da corporalidade.

O relaxamento não é possível senão a partir de um certo nível mental. Na recuperação de deficientes mentais, segundo Vayer (1984), o relaxamento não é um meio, mas um fim.

O primeiro relaxamento aplicado em um individuo deverá ser de:

  • tomada de consciência;
  • noção de imobilidade;
  • desenvolvimento da faculdade de inibição ou seja, controle tensão – relaxamento.

É necessário, por isso, que o relaxamento global preceda ao segmentário. O relaxamento global permite a obtenção de descondicionamento, ou seja, o esquecimento das atitudes e dos movimentos do cotidiano. O relaxamento segmentar, devidamente interiorizado, permite a progressiva percepção e controle das diferentes partes do corpo, a diminuição da rigidez e tensão musculares dos segmentos em relação ao tronco.

Reduzindo e equilibrando progressivamente as tensões, o relaxamento associado ao controle respiratório favorece o equilíbrio emocional e a disposição mental.

Prática[editar | editar código-fonte]

Três técnicas de relaxamento muito difundidas e comprovadas empiricamente são:

Referências

  1. Vaitl, Dieter (1982). Entspannungsverfahren. In: Reiner Bastine et al. (Hrgs.) Grundbegriffe der Psychotherapie. Weinheim: Edition Psychologie. ISBN 3-527-16002-7

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Petermann, Franz [Hrsg.] (2009). Entspannungsverfahren: Das Praxishandbuch, 4., vollständig überarbeitete Aufl. Weinheim: Beltz. ISBN 978-3-621-27642-9

Ver também[editar | editar código-fonte]

Portal A Wikipédia possui o
Portal de Psicologia


Ícone de esboço Este artigo sobre psicologia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.