Túmulo de Gigantes

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Túmulo de Gigantes[1]
Kjæmpehøjen
Autor (es) Henrik Ibsen, sob o pseudônimo “Brynjolf Bjarme”
Idioma norueguês
País  Noruega
Género teatro
Editora Scandinavian Studies and Notes
Lançamento 1917 (póstumo)
Cronologia
Último
Último
Catilina
Norma
Próximo
Próximo

Túmulo de Gigantes, ou O Tumulus[2] , ou Túmulo do Guerreiro[3] (Kjæmpehøjen) foi a segunda peça teatral escrita pelo dramaturgo norueguês Henrik Ibsen, e a primeira a ser produzida. É um drama escrito em 1850,[1] quando Ibsen tinha 22 anos de idade. A produção foi ao palco no Christiania Theater em 26 de setembro de 1850, sob o pseudônimo de Ibsen na época, Brynjolf Bjarme.

Características[editar | editar código-fonte]

A peça é uma alusão ao destino trágico dos vikings nas suas lutas pelo Mediterrâneo. Trata-se de uma peça romântica, em um único ato,[2] com heróis nórdicos idealizados, sob influência da mitologia nórdica que, na época, renascia através do nacionalismo, e teve um êxito questionável.[1] Para Jane Pessoa da Silva, “Túmulo do Guerreiro”, atualmente, ao lado das primeiras peças de Ibsen, é uma peça “totalmente ignorada”.[3]

Otto Maria Carpeaux, em seu “Estudo Crítico” sobre Ibsen, observa que, em uma Noruega que perdera sua independência política em 1378, a lembrança da Idade Média e dos tempos heróicos dos vikings e da mitologia germânica significou uma verdadeira renascença nacional na época de Ibsen, influenciando a literatura norueguesa. Carpeaux ressalta, porém, que o próprio nacionalismo norueguês era algo importado da Dinamarca, e a influência do poeta e dramaturgo romântico dinamarquês Adam Gottlob Oehlenschläger, que introduzira a mitologia nórdica em sua baladas e peças dramáticas, servia de modelo para os noruegueses. Em “Túmulo de Gigantes”, há tal influência romãntica, e Carpeaux considera a peça uma “imitação (…) dos Vaeringerne i Miklagaard, de Oehlenschläger”.[1]

Personagens[editar | editar código-fonte]

  • Roderik
  • Blanka
  • Gandalf
  • Asgaut
  • Hrolloug
  • Jostejn
  • Vikings
  • Hemming

Fonte:[4]

Histórico[editar | editar código-fonte]

A ideia da peça e a sua primeira versão surgiu em Grimstad, durante o inverno de 1849-1850, e o título era então "Normannerne" ("Os Normandos").[5] Em uma carta de 05 de janeiro de 1850 a seu amigo Ole C. Schulerud, Ibsen menciona que reescreveu a pequena peça “Normannerne”, para torna-la melhor, em uma idéia mais ampla do que aquela para a qual foi originalmente destinada.[6]

Estréia[editar | editar código-fonte]

Christiania Theater, onde estreou a peça “Túmulo de Gigantes”, de Henrik Ibsen, em 1850
Henrik Ibsen, autor de “Túmulo de Gigantes”.

Na estreia da produção no Christiania Theater, em 26 de setembro de 1850 – sob o pseudônimo Brynjolf Bjarme - Ibsen estava presente, nervoso e afirmou ter se escondido no canto mais escuro do teatro. O interesse em torno deste perfomance foi grande. O número de bilhetes vendidos para a estréia foi 557.

O espetáculo foi repetido em 29 de setembro e 24 de outubro do mesmo ano, o que era muito para a época. No total, para as três performances, 1171 ingressos foram vendidos. O elenco era composto por atores dinamarqueses, com uma exceção: Laura Svendsen (mais tarde conhecida como Laura Gundersen) fez o papel de Blanka. O diretor, que também foi escalado para o papel de Bernhard, foi Christian Jørgensen".[5]

Publicação[editar | editar código-fonte]

“Túmulo de Gigantes” na versão original nunca foi publicada no tempo de vida de Ibsen. Apesar de Ole Schulerud ter assinado um contrato com o livreiro P.A. Steensballe em Christiania, sobre a compra e impressão do manuscrito, a publicação nunca saiu.

A primeira vez que foi publicada a versão original foi em Scandinavian Studies and Notes, vol. 4, 1917, mas não foi baseada no manuscrito do próprio Ibsen - que não foi preservado - mas em um script do Christiania Theater.

Em 1853, Ibsen revisou “Túmulo de Gigantes”. Ele mudou-se para Bergen em 1851 e foi nomeado para o Det Norske Theater como autor e diretor. Esta nova versão, revisada, difere radicalmente da antiga. O cenário da ação foi mudado da "Costa da Normandia" para "uma pequena ilha ao largo da Sicília", e Bernhard, pai adotivo de Blanka, foi renomeado Roderik.[5]

Foi essa versão revisada que Ibsen produziu no Det Norske Theater, em Bergen, em 02 de janeiro de 1854. A versão foi publicada, então, em quatro partes no jornal de Bergen, Bergenske Blade, entre 29 de janeiro e 08 de fevereiro de 1854.

Notas e referências[editar | editar código-fonte]

  1. a b c d Carpeaux, Otto Maria. . [S.l.]: Editora Globo. pp. 39-93 pp.
  2. a b Oliveira, Vidal de. . [S.l.]: Editora Globo. pp. 9-35 pp.
  3. a b Silva, Jane Pessoa da. Ibsen no Brasil. Historiografia, Seleção de textos Críticos e Catálogo. [S.l.]: USP.
  4. The Oxford Ibsen, Volume I, Oxford University Press 1970, in: Ibsen.net
  5. a b c Ibsen.net: Processo criativo de “Tumulo de Gigantes” (em inglês)
  6. Ibsen.net: Carta a Ole Schulerud

Referências bibliográficas[editar | editar código-fonte]

  • CARPEAUX, Otto Maria (1984), Estudo Crítico, Rio de Janeiro: Editora Globo. ISBN In: IBSEN, H. O Pato Selvagem.
  • OLIVEIRA, Vidal de (1984), Biografia e comentários sobre a obra de Ibsen, Rio de Janeiro: Editora Globo. ISBN In: IBSEN, H. O Pato Selvagem.
  • SILVA, Jane Pessoa da (2007), Ibsen no Brasil. Historiografia, Seleção de textos Críticos e Catálogo Bibliográfico, São Paulo: USP. ISBN Tese

Ligações externas[editar | editar código-fonte]