TDB Devastator

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Este artigo não cita fontes fiáveis e independentes. (desde janeiro de 2011). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Um TDB Devastator em 1938.

TDB Devastator foi um avião bombardeiro-torpedeiro fabricado em 1935 pela McDonnell Douglas para a Marinha dos Estados Unidos, que participou dos primeiros estágios da II Guerra Mundial no Pacífico.

Na segunda metade dos anos 30, quando entrou em serviço, o Devastator era considerado o mais avançado avião bombardeiro da marinha norte-americana e possivelmente de qualquer marinha do mundo. Porém, o rápido desenvolvimento da aviação militar no limiar da II Guerra Mundial o transformou num avião ultrapassado por ocasião do ataque japonês a Pearl Harbor.

Após se portar razoavelmente bem nas primeiras batalhas, seus esquadrões foram praticamente dizimados pelos caças e pela marinha japonesa durante a Batalha de Midway em junho de 1942, sendo imediatamente retirados do serviço após a batalha e substituídos pelos TDB Avengers.

Histórico de guerra[editar | editar código-fonte]

Nos primeiros dias da Guerra do Pacífico, os TDB se portaram com valor na Batalha do Mar de Coral, onde ajudaram a afundar o porta-aviões japonês IJN Shoho. Entretanto, problemas com os torpedos dos aviões foram descobertos nessa época. Vários deles pareciam atingir os alvos mas não explodiam, e mostravam uma tendência, depois de lançados, de correrem rumo ao alvo numa profundidade maior do que a estipulada, passando por baixo dos navios, sem atingi-los. A marinha calculou em um ano o prazo para corrigir os problemas.

Caça-torpedeiro TDB Devastator decola do USS Hornet para atacar a frota japonesa. Nenhum tripulante sobreviveu.

O avião continuava ainda não confiável quando da ocasião da Batalha de Midway, um mês depois. Os porta-aviões USS Hornet (CV-8), USS Enterprise (CV-6) e USS Yorktown (CV-5) lançaram 49 Devastators de encontro à marinha japonesa. Seus caças de escolta perderam contato e quando os TDBs chegaram ao alvo e iniciaram o ataque se encontravam sem proteção. O lançamento de torpedos contra um navio exigia uma longa corrida em linha reta, em baixa altitude e velocidade até o alvo, tornando os aviões vulneráveis durante este momento, eles foram alvos fáceis para os velozes e ágeis caças Mitsubishi A6M da escolta japonesa e para a artilharia dos navios.

Dos 49 aviões que atacaram os porta-aviões inimigos, apenas quatro retornaram e nenhum de seus torpedos atingiu o alvo. Seu sacrifício, entretanto, provocou uma grande desorganização na defesa aérea japonesa, que permitiu aos caças bombardeiros SBD Dauntless que os seguiram acertar e destruir todos os porta-aviões do Japão envolvidos na batalha, que se tornou na primeira vitória aeronaval dos Estados Unidos na guerra.

A marinha imediatamente retirou os TDB da ação na linha de frente após Midway. Na verdade, sobravam apenas um total de 39 deles em serviço e estes remanescentes foram utilizados em um breve tempo de serviço no Atlântico e em esquadrões de treinamento de pilotos até 1944. Nenhum deles ficou em uso ao fim da guerra.

Além da fragilidade do avião e de seu sistema de lançamento de torpedos, a causa do desastre acontecido em Midway com os TDB Devastators foi também devido à vulnerabilidade deste tipo de aeronave contra uma artilharia naval anti-aérea bem treinada e seus caças de proteção e escolta. Sem uma bem feita escolta de caças para combater os japoneses e desviar a atenção dos artilheiros dos navios, nem mesmo os seus substitutos mais modernos, os TDB Avengers, conseguiram escapar das pesadas perdas que ainda seriam sofridas no Pacífico.

Ícone de esboço Este artigo sobre um avião, integrado ao Projeto Aviação, é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
Ícone de esboço Este artigo sobre tópicos militares é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.