TGV

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
TGV na estação de Montparnasse, em Paris

O TGV (do francês: Train à Grande Vitesse, em português «trem de alta velocidade») é o serviço ferroviário de alta velocidade da França. É construído pela empresa francesa Alstom, e TGV é uma marca registrada da SNCF (Société nationale des chemins de fer français, em português «sociedade nacional das ferrovias francesas»), empresa pública de transporte ferroviário francesa.

Apesar de ter sido projetado originalmente para ser movido a gás, os protótipos do TGV tornaram-se elétricos com a crise do petróleo de 1973. Após a inauguração do primeiro serviço entre Paris e Lyon em 1981, a rede do TGV, centrada em Paris, se expandiu para conectar cidades através de França e em países adjacentes.

O sucesso da primeira linha levou à expansão da rede, com novas linhas construídas no sul, oeste, norte e leste do país. Buscando igualar o sucesso da rede francesa, países vizinhos como a Bélgica, Itália, Espanha e a Alemanha construíram suas próprias linhas de alta velocidade. O TGV vai até à Suíça, a Itália, a Alemanha e à Bélgica através da rede francesa. O Thalys liga a França à Bélgica, à Alemanha e aos Países-Baixos. O Eurostar liga a França e a Bélgica ao Reino Unido.

Velocidades[editar | editar código-fonte]

O TGV viaja em linhas especiais conhecidas como LGV (ligne à grande vitesse, «linha de alta velocidade»), permitindo velocidades de 320 km/h em operação normal nas linhas mais recentes. O TGV também pode usar linhas convencionais, mas neste caso, a velocidades mais baixas. O TGV tem cerca de duzentos destinos na França e no estrangeiro.

A 3 de Abril de 2007, durante um teste de velocidade, a composição V150, fabricada pela Alstom, atingiu a velocidade de 574,8 km/h em Le Chemin, perto de Champanha-Ardenas, na linha ParisEstrasburgo, que foi aberta a passageiros a 10 de Junho de 2007, estabelecendo um novo recorde mundial de velocidade sobre carris (o Shinkansen JR-Maglev não utiliza carris (trilhos), mas sim sustentação magnética), ultrapassando o objectivo de 540 km/h que havia sido inicialmente previsto (V150 querendo significar «150m por segundo», ou seja 540 km/h).

O TGV Paris–Estrasburgo circula a uma velocidade máxima de 320 km/h, ou seja, vinte quilómetros por hora mais rápido do que as outras linhas TGV em actividade em França.

Trilhos[editar | editar código-fonte]

As mais novas linhas de alta velocidade permitem velocidades de até 320 km/h em operação normal. Originalmente, as LGVs eram definidas como linhas permitindo velocidades de mais de 200 km/h, valor que foi posteriormente revisado para 250 km/h. Como a maioria dos trens de alta velocidade na Europa, os TGVs também podem viajar em linhas tradicionais (em francês: lignes classiques), à velocidade máxima normal dessas linhas, com um limite de 220 km/h. Isso lhes permite atingir destinos secundários ou centros de cidades sem construir novos trilhos até a estação, reduzindo custos em comparação com trens de levitação magnética ou redes de alta velocidade cujos trens têm uma largura maior do que a dos trens normais (como no Japão ou em Espanha).

Linhas existentes[editar | editar código-fonte]

O TGV Réseau em linha de baixa velocidade.
  1. LGV Sud-Est (Paris a Lyon-Perrache), a primeira LGV (inaugurada em 1981)
  2. LGV Atlantique (Paris a Tours e Le Mans) (inaugurada em 1990)
  3. LGV Nord Europe (Paris-Gare du Nord a Lille e Bruxelas e também em direção a Londres, Amesterdã e Colônia) (inaugurada em 1993)
  4. LGV Méditerranée (Uma extensão do Sud-Est: Lyon a Marselha-Saint-Charles) (inaugurada em 2001)
  5. LGV Est (Paris a Estrasburgo) (inaugurada em 10 de Junho 2007)

Linhas planejadas[editar | editar código-fonte]

  1. LGV Rhin-Rhône (Estrasburgo a Lyon) (em construção)
  2. Barcelona a Perpignan e Montpellier, que ligará o TGV à rede AVE espanhola (em construção)
  3. Lião a Chambéry e Turim, que estenderá o TGV à Itália
  4. LGV Sud-Europe (Tours a Bordeaux), estendendo o ramo sul da linha Atlantique
  5. LGV Ouest (Le Mans a Rennes), estendendo o ramo oeste da linha Atlantique
  6. Bordeaux a Toulouse e Narbona
  7. Bordeaux a Dax e País Basco

Amesterdã e Colônia já são servidas pelos trens TGV Thalys circulando em linhas normais, apesar de essas linhas estarem sendo transformadas em linhas de alta velocidade.

Londres é servida atualmente pelos trens Eurostar, que circulam a alta velocidade pela linha do Eurotúnel e pela linha de alta velocidade inglesa (CTRL) até Londres.

TGV fora da França[editar | editar código-fonte]

Rede de TGV na Europa.

A tecnologia do TGV foi adotada por vários outros países:

Impacto[editar | editar código-fonte]

Um TGV a dois andares.

As linhas de TGV reduziram consideravelmente o tráfego aéreo entre as cidades conectadas. Bruxelas–Paris em 90 minutos incrementou o intercâmbio entre as duas capitais, e, do mesmo modo, a linha Paris–Marselha reduziu o tempo de viagem em relação ao avião de maneira significativa.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui multimídias sobre TGV
Ícone de esboço Este artigo sobre transporte ferroviário é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.