Taça Independência

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Locais da Taça Independência

A Taça Independência - também reconhecido como Mini-Copa - foi uma competição de futebol entre seleções nacionais patrocinado pelo Brasil como parte das comemorações do Sesquicentenário da Independência do Brasil. O torneio foi realizado no período de 11 de junho a 9 de julho de 1972. Além do Brasil, disputaram-na países sul-americanos, europeus e as seleções da África e da CONCACAF totalizando 20 equipes.

Vários países convidados deixaram de participar em função de compromissos diversos. A final foi entre a Seleção Brasileira e Portugal, no Estádio do Maracanã, em 9 de julho de 1972. O Brasil sagrou-se campeão ao vencer por 1 a 0, gol de Jairzinho aos 44 minutos do segundo tempo.

O Brasil já não contava com Pelé, que havia se despedido da Seleção em 1971. Mas ainda tinha a base campeã na Copa do Mundo de 1970: Jairzinho, Tostão, Clodoaldo, Gérson e Rivelino, principalmente. O final foi a partida última de Gérson na seleção.

O time de Portugal era composto basicamente pelo time do Benfica: Eusébio, Jaime Graça, José Henrique, Humberto Coelho, Rui Jordão e Toni. Apesar da boa campanha nessa oportunidade, o time não conseguiria classificação para as Copas de 1974 e 1978.

O iugoslavo Dusan Bajevic foi o artilheiro da competição com 13 gols marcados.

A Campanha ao final[editar | editar código-fonte]

Jogos de Brasil
Jogos de Portugal

O final

09 de julho 1972 - Estádio Jornalista Mario Filho ("Maracanã") - Publico: 99.138 pagantes

Brasil Brasil: Emerson Leão (Palmeiras); Zé Maria (Corinthians), Brito (Botafogo), Vantuir (Atlético Mineiro), Marco Antônio (Fluminense) (?' → Rodrigues Neto (Flamengo)), Clodoaldo (Santos), Gérson (Fluminense), Jairzinho (Botafogo), Tostão (Vasco), Leivinha (Palmeiras) (?' → Dario "Dadá Maravilha" (Atlético Mineiro)), Rivellino (Corinthians). Treinador: Mário Jorge Lobo Zagallo - Outros jogadores: Paulo César Caju (Botafogo)

Portugal Portugal: José Henrique (SL Benfica); Artur Correia (Benfica), Humberto Coelho (Benfica), Timula Messias (Benfica), Adolfo Calisto (Benfica), António "Toni" Oliveira (Benfica), Jaime Graça (Benfica), Fernando Peres (Sporting CP), Rui Jordão (Benfica) ( → 77' Artur Jorge (Benfica)), Eusébio (Benfica), Joaquim Dinis (Sporting CP) Treinador: José Augusto - Outros jogadores: Tamagnini Nené (Benfica)

Árbitros: Abraham Klein (Israel); Keith Walker (Inglaterra), Guillermo Velásquez (Colômbia)

Gol: 1-0 (89') Jairzinho


Jogo de terceiro lugar

09 de julho 1972 - Rio de Janeiro, Estádio Jornalista Mário Filho (Maracanã) - Publico: 120,000

Jugoslávia Iugoslávia: Enver Marić (Velež Mostar); Miroslav Boškovic (Hajduk), Dragoslav Stepanović (OFK Beograd), Miroslav Pavlović (Crvena Zvezda), Josip Katalinski Expulso a 68 minutos 68' (Željeznicar), Blagoje Paunović (Partizan), (→ 46' Jusuf Hatunić (Sloboda)), Ilija Petković (OFK Beograd), (→ 46' Jure Jerković (Hajduk)), Branko Oblak (Olimpija Ljubljana), Dušan Bajević (Velež Mostar), Jovan Acimovic (Crvena Zvezda), Dragan Džajić (Crvena Zvezda). Treinador: Vujadin Boškov.

Argentina Argentina: Miguel Ángel Santoro (Independiente); Jorge Dominichi (River Plate), Osvaldo Piazza (Lanús), Ángel Bargas (Chacarita Juniors), Ramón Heredia (San Lorenzo) (→ 71' Rubén Díaz (Racing Club)), Miguel Ángel Raimondo (Independiente) (→ 46' Miguel Ángel Brindisi (Huracán)), Alejandro Semenewicz (Independiente), José Pastoriza Expulso a 68 minutos 68' (Independiente), Ernesto Mastrángelo (River Plate), Roque Avallay (Huracán), Oscar Más (River Plate)). Treinador: Juan José Pizzuti.

Árbitros: Paul Schiller (Austria); José Faville Nieto (Brasil), Edison Pérez (Peru)

Goles: 0-1 (26') Dušan Bajević, 0-2 (36') Josip Katalinski, 1-2 (61', pên.) Miguel Ángel Brindisi, 1-3 (64') Dragan Džajić, 1-4 (82'), Dušan Bajević, 2-4 (87', pên.) Miguel Ángel Brindisi.

Classificação final[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]