Tabuleta de Nebo-Sarsequim

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

A Tabuleta de Nebo-Sarserquim é uma inscrição cuneiforme de argila (2.13 polegadas; 5.5 centímetros) que faz parte da coleção do Museu Britânico. Datado por volta de 595 a.C., faz referência a um oficial na corte de Nabucodonosor II, rei de Babilônia.

Arqueólogos descobriram a tabuleta na antiga cidade de Sippar (perto da moderna Bagdá) por volta de 1870. O museu britânico adquiriu a tabuleta em 1920, mas esta ficou arquivada até que Michael Jursa fez a descoberta em 2007.

Decifrando a escrita[editar | editar código-fonte]

A tabuleta trata de uma oferenda de ouro apresentada por Nebo-Sarsequim no principal templo da Babilônia, provavelmente em honra aos deuses, sendo parte de um arquivo de um ídolo-sol do templo em Sippar.

Michael Jursa catedrático associado da universidade de Viena e especialista na civilização assíria, fez a descoberta em 2007, com a seguinte tradução:

[Recebendo] 1.5 minas (750 quilogramas) de ouro, da propriedade do Nabu-sharrussu-ukin, (Nebo-Sarserquim) o eunuco principal, que foi enviado através do eunuco Arad-Banitu, ao [templo] Esangila: Arad-Banitu [ele] entregou a Esangila. Na presença do bel-usat, filho de Alpaya, guarda-costas real, [e de] Nadin, filho de Marduk-zer-ibni. Mês XI, dia 18, ano 10 de Nabucodonosor II, rei de Babilônia.

Comparações bíblicas[editar | editar código-fonte]

De acordo com o livro de Jeremias (39: 3 no texto massorético; 46:3 na Septuaginta), um indivíduo com o nome de Nebo-Sarsequim (Sarsequim) visitou Jerusalém durante a conquista babilônica. O versículo começa indicando que todos os oficiais babilônicos sentaram-se com autoridade no portão do meio, e a seguir nomeia diversos deles, e conclui, mencionando que todos os outros oficiais estavam lá também.

  • Jeremias 39:3:
Cquote1.svg . . .E todos os príncipes do rei de Babilônia passaram a entrar e a sentar-se no Portão do Meio, [a saber:] Nergal-Sarezer, Sangar-Nebo, Sarsequim, Rabe-Saris, Nergal-Sarezer, o Rabe-Mague, e todos os demais príncipes do rei de Babilônia. Cquote2.svg

Durante muitos anos, os tradutores bíblicos dividiram os indivíduos nomeados de maneiras diferentes (como visto na tabela abaixo), rendendo em qualquer lugar dois a oito nomes. Esta tabuleta cuneiforme pode alterar o texto, para futuras revisões mais consistentes (isto é, hifenização ou apagamento alternado das vírgulas) em versões futuras.

Hebraico:

נרגל שראצר סםגר־נבו שרסכים רב־סריס נרגל שראצר רב־מג

Grego:

Μαργανασαρ και Σαμαγωθ και Ναβουσαχαρ και Ναβουσαρεις Ναγαργας Νασερραβαμαθ

Uncial:

ΜΑΡΓΑΝΑΣΑΡ ΚΑΙ ΣΑΜΑΓΩΘ ΚΑΙ ΝΑΒΟΥΣΑΧΑΡ ΚΑΙ ΝΑΒΟΥΣΑΡΕΙΣ ΝΑΓΑΡΓΑΣ ΝΑΣΕΡΡΑΒΑΜΑΘ

Vulgate: NEREGEL SERESER SEMEGAR NABU SARSACHIM RABSARES NEREGEL SERESER REBMAG
Versão Nome #1 Nome #2 Nome #3 Nome #4 Nome #5 Nome #6 Nome #7 Nome #8
KJV Nergal-Sarezer, Sangar-Nebo, Sarsequim, Rabe-Sáris, Nergal Sarezer, Rabe-Maque,
NM Nergal-Sarezer, Sangar-Nebo, Sarsequim, Rabe-Saris, Nergal-Sarezer, Rabe-Mague,
ALA Nergal-Sarezer, Samgar-nebo, Sarsequim, Rabsáris, Nergal, Sarezer, Rabe-Maque,
AL Nergal-Sarezer, Samgar-nebo, Sarsequim, Rabe-Sáris, Nergal, Sarezer, Rabe-Maque,
AM Nabusezbã, chefe dos eunucos, Nergal-Sereser,
EP Nergalsareser, Samgar-Nabu, Sar-Saquim, chefe dos eunucos, Nergalsareser,

Flávio Josefo[editar | editar código-fonte]

No livro 10 (Capítulo VIII, parágrafo 2; linha 135) em Antigüidades Judaicas, Flávio Josefo registra os oficiais babilônicos como:

Ρεγαλσαρος Αρεμαντος Σεμεγαρος Ναβωσαρις Αχαραμψαρις

William Whiston historiador, teólogo e matemático inglês, traduz Jeremias 39:3 invertendo dois deles:

Nergal Sharezer (Nergal-Sarezer), Samgar Nebo (Sangar-Nebo), Rabsaris (Rabe-Saris), Sarsechim (Sarsequim), e Rabmag (Rabe-Mague).

Veja também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]