Taha Yassin Ramadan

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Taha Yasin Ramadan Al-Jizrawi

Taha Yasin Ramadan Al-Jizrawi (Mossul, 1938 - Bagdad, 20 de Março de 2007) foi o vice-presidente do Iraque desde Março de 1991 até à queda de Saddam Hussein em Abril de 2003.

Carreira política[editar | editar código-fonte]

Originalmente um funcionário bancário, juntou-se mais tarde aos militares, e em 1956 e ao Partido Baath, onde conheceu Saddam Hussein. As carreiras dos dois homens estiveram intimamente interligadas desde emtão, e em 1991, Saddam fê-lo vice-presidente do Iraque. Ele era originário da região curda do Iraque e era fluente na língua curda.

Ramadan era um dos poucos sobreviventes entre os participantes do golpe de estado de 1968, que levou o Baath ao poder. Desde então, foi subindo sem descanso os degraus do partido laico pan-árabe.

Em tudo, Ramadan demonstrou fidelidade total a Saddam. Ele foi a voz dentro do regime que insultava diferentes governantes árabes, às vezes em público, criticando seu alinhamento com os Estados Unidos da América.

Foi alvo de vários atentados, o último deles em 1997.

Captura, julgamento e execução[editar | editar código-fonte]

Depois da Invasão do Iraque em 2003, Taha Yasin Ramadan foi colocado pelos norte-americanos na "Lista dos Iraquianos mais Procurados", e mais tarde pintado como o Dez de Ouros no "Baralho dos Iraquianos mais Procurados". Foi capturado no dia 19 de Agosto de 2003 em Mossul, por guerreiros da União Patriótica do Curdistão (PUK) e entregue às forças americanas.

Ele foi julgado pelo mesmo tribunal especial que fez o julgamento de Saddam Hussein pelo homicídio de 148 xiitas em Al-Dujail, como consequência de um atentado frustrado ao antigo presidente. No dia 5 de Novembro de 2006 foi sentenciado a prisão perpétua. Três dias depois um dos seus advogados de defesa, Adel al-Zubeidi, foi assassinado por três homens armados.

De qualquer forma, no dia 26 de Dezembro de 2006 a Câmara de Apelações ordenou o envio do caso Ramadan ao Tribunal Penal Supremo, solicitando uma sentença mais dura, por considerar que o veredicto havia sido muito clemente. A condenação à morte por enforcamento foi determinada no dia 12 de Fevereiro de 2007.

A execução teve lugar às primeiras horas da madrugada do dia 20 de Março de 2007.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]