Taifa de Sevilha

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Antistub.png
Este artigo está em manutenção emergencial a fim de evitar uma futura eliminação. Ajude a corrigir imprecisões no texto e colocar fontes que atestem sua relevância. Se você se dispõe a melhorar este artigo e quer um tempo para fazê-lo clique aqui para inserir um tópico e evitar uma futura eliminação (não se esqueça de pôr título com wiki para o artigo).
Question book.svg
Este artigo não cita fontes fiáveis e independentes. (desde maio de 2013). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Reino de Sevilha - século XI.

A Taifa de Sevilha [1] (em árabe طائفة أشبيليّة, Ta'ifa Ishbiliya) foi uma taifa do Al-Andalus que posteriormente passaria a formar parte, junto com outros reinos, da Coroa de Castela.

A 426, a região havia sido tomada pelos Vândalos ao comando de Gunderico. Um século depois, foi destruída pelos Visigodos dirigidos por Recaredo que soube elevar a zona ao seu apogeu durante esta época.

Com a invasão muçulmana da Península Ibérica, esta região, progressivamente anexada ao al-Andaluz, tornou-se conhecida por Ishbiliya (em árabe: أشبيليّة), derivando posteriormente para Shbiya, para terminar na forma actual: Sevilha. Já na sequência do colapso do califado de Córdoba, foi capital de uma das taifas mais poderosas. Na época almóada, construíram-se a Giralda e os Alcáceres Reais; a cidade de Sevilha foi conquistada pelos castelhanos a 1248, durante o reinado de Fernando III de Castela.

Ver também[editar | editar código-fonte]


Referências

  1. Historia de España Menéndez Pidal (1999). Tomo VIII-I: Los Reinos de Taifas, pag. 108-114