Taiti

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Taiti
Tahiti
Taiti
Praia de areia preta, no Taiti.
Língua oficial Francês
Estatuto político Dependência francesa. Divisão administrativa da Polinésia Francesa
Capital Papeete
Maior cidade Papeete
População total
(Censo de 2007)
178.133[1]
Densidade 170 hab./km²
Moeda Franco CFP
Fuso horário UTC -10
Domínio de topo .pf
Código telefônico 689
Mapa do Taiti

O Taiti (em francês Tahiti) é a maior ilha da Polinésia Francesa, localizada no arquipélago das Ilhas da Sociedade. A capital é Papeete, situada na costa noroeste da ilha. Ela tem um comprimento de 45 quilômetros nos seus pontos mais distantes, e cobre aproximadamente 1 036 quilômetros quadrados. Seu pico mais elevado, o monte Orohena, culmina a 2 241 metros sobre o nível do mar. O clima é quente e úmido.

A ilha consiste de duas porções quase circulares com centro nas montanhas vulcânicas, conectadas por um pequeno istmo chamado de Taravao, por causa da cidade ali situada. A parte nordeste é conhecida como Tahiti Nui (Grande Taiti), e a parte sudeste, muito menor, é conhecida como Tahiti Iti (Pequeno Taiti) ou Taiarapu. A parte Tahiti Nui é bastante populosa, principalmente perto de Papeete e tem uma boa infraestrutura, como estradas e rodovias, enquanto Tahiti Iti ainda é bastante isolado e sua parte sudeste (Te Pari) é acessível apenas por barcos.

A vegetação predominante é de uma floresta tropical bastante abundante. O período de chuvas é entre novembro e abril.

O aeroporto que atende a ilha chama-se Aéroport International de Faaa.

História[editar | editar código-fonte]

A população nativa é de polinésios e estima-se que eles tenham se estabelecido na ilha entre 300 e 800 a.C., embora existam alguns estudos que dizem que pode ter sido ainda antes desta data.

O solo fértil da ilha, combinado com a pesca, são fontes amplas de comida para a população. A natureza calma da população local e a caracterização da ilha como paradisíaca impressionaram os primeiros visitantes europeus e geraram um fascínio que dura até hoje.

Embora as ilhas tenham sido descobertas por um navio espanhol em 1606, a Espanha não teve nenhuma intenção de colonização ou comércio com a ilha. Samuel Wallis, um capitão inglês, avistou o Taiti em 18 de Junho de 1767 e é considerado o europeu que descobriu a ilha.

Wallis foi seguido pelo explorador francês Louis-Antoine de Bougainville, que completou a primeira navegação ao redor da ilha em abril de 1768. Bougainvill tornou o Taiti famoso na Europa quando ele publicou as impressões de sua viagem no Vouyage autour du Monde. Nesta publicação, ele descreve a ilha como um paraíso na terra onde homens e mulheres viviam felizes em inocência, distantes da corrupção da civilização. Sua descrição da ilha influenciou pensamentos utópicos de filósofos como Jean-Jacques Rousseau antes da Revolução Francesa.

Em 1774 o capitão James Cook visitou a ilha e estimou a população em aproximadamente 200 mil habitantes na época. Provavelmente ele tenha exagerado, outras estimativas do mesmo período dizem que a população era de aproximadamente 122.000 habitantes.

Depois da visita de Cook, navios europeus visitaram a ilha com maior freqüência. O mais conhecido destes navios foi o HMS Bounty, comandado por William Bligh cuja tripulação se amotinou logo após deixarem o Taiti em 1789, conforme o livro O Motim no Bounty de Caroline Alexander, ou O Garoto no Convés de John Boyne. Os nativos antigos do Taiti, a chamavam de Otaheite. A influência européia rompeu com a tradição da sociedade, trazendo prostituição, doenças venéreas e álcool para a ilha. Doenças como o tifo e varíola mataram tantos taitianos, que em 1797 a população era de apenas 16 mil habitantes. Mais tarde, caiu ainda mais, para 6 mil habitantes.

Em 1842 o reino do Taiti foi declarado uma província francesa.

Em 1880, o rei Pomare V foi forçado a reconhecer a soberania do Taiti e suas dependências para a França em 29 de Junho. Em troca ele foi honrado como Oficial da Ordem da Legião da Honra e Ministro e com o Mérito de Agricultura da França.

Em 1946, o Taiti e toda a Polinésia Francesa se tornaram um Territoire d'Outre-Mer (território francês de outro continente) e em 2004 seu estado mudou para Pays d'Outre-Mer.

O pintor francês Paul Gauguin viveu no Taiti nos período de 1890 e pintou muitos temas taitianos. A cidade de Papeari tem um pequeno museu da obra o pintor.

Taiti Moderno[editar | editar código-fonte]

Localização do Taiti

Os taitianos são considerados cidadãos franceses com plenos poderes civis e políticos. Ambas as línguas taitiana e francesa são usadas na ilha.

O Taiti abriga uma universidade francesa: a Universidade da Polinésia Francesa (Université de la Polynésie Française). É uma pequena universidade com cerca de 2 mil estudantes e 60 pesquisadores. Os físicos Pascal Ortega (estudos de ótica) e Alessio Guarino (física não-linear) estão entre eles. No departamento de Ciências Humanas, destaca-se o sociólogo L. Schuft pelo seu estudo da integração de trabalhadores franceses no Taiti.

Turismo é a grande indústria do Taiti, especialmente durante o festival Heiva, que acontece em Papeete. Este festival celebra a cultura indígena e a comemoração da Bastille na França. Ambos ocorrem em abril.

Esportes[editar | editar código-fonte]

O esporte principal do Taiti é a Canoa Polinésia. Inesperadamente a Seleção Taitina de Futebol foi campeã da Copa das Nações da OFC e se classificou para a Copa das Confederações de 2013 sendo a "zebra" da competição.

Referências

  1. Instituto de Estatística da Polinésia Francesa (ISPF). Recenseamento da população de 2007 (PDF). Página visitada em 2007-12-02.(em francês)
Commons
O Commons possui multimídias sobre Taiti

Ligações externas[editar | editar código-fonte]