Taiti

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Taiti
Fp-map.png
17° 40' S 149° 27' O
Geografia física
País Polinésia Francesa
Localização Oceania
Arquipélago Ilhas da Sociedade
Ponto culminante Orohena, a 2 241 m
Área 1 036  km²
Geografia humana
População 178 133 (2007 [1] )
Densidade 170 hab./km²
Plage.sable.noir.Tahiti.JPG
Praia de areia preta, no Taiti

O Taiti (em francês Tahiti) é a maior ilha da Polinésia Francesa, localizada no arquipélago das Ilhas da Sociedade. A capital é Papeete, situada na costa noroeste da ilha. Ela tem um comprimento de 45 quilômetros nos seus pontos mais distantes, e cobre aproximadamente 1 036 quilômetros quadrados. Seu pico mais elevado, o monte Orohena, culmina a 2 241 metros sobre o nível do mar. O clima é quente e úmido.

A ilha consiste de duas porções quase circulares com centro nas montanhas vulcânicas, conectadas por um pequeno istmo chamado de Taravao, por causa da cidade ali situada. A parte nordeste é conhecida como Tahiti Nui (Grande Taiti), e a parte sudeste, muito menor, é conhecida como Tahiti Iti (Pequeno Taiti) ou Taiarapu. A parte Tahiti Nui é bastante populosa, principalmente perto de Papeete e tem uma boa infraestrutura, como estradas e rodovias, enquanto Tahiti Iti ainda é bastante isolado e sua parte sudeste (Te Pari) é acessível apenas por barcos.

A vegetação predominante é de uma floresta tropical bastante abundante. O período de chuvas é entre novembro e abril.

O aeroporto que atende a ilha chama-se Aéroport International de Faaa.

História[editar | editar código-fonte]

A população nativa é de polinésios e estima-se que eles tenham se estabelecido na ilha entre 300 e 800 a.C., embora existam alguns estudos que dizem que pode ter sido ainda antes desta data.

O solo fértil da ilha, combinado com a pesca, são fontes amplas de comida para a população. A natureza calma da população local e a caracterização da ilha como paradisíaca impressionaram os primeiros visitantes europeus e geraram um fascínio que dura até hoje.

Embora as ilhas tenham sido descobertas por um navio espanhol em 1606, a Espanha não teve nenhuma intenção de colonização ou comércio com a ilha. Samuel Wallis, um capitão inglês, avistou o Taiti em 18 de Junho de 1767 e é considerado o europeu que descobriu a ilha.

Wallis foi seguido pelo explorador francês Louis-Antoine de Bougainville, que completou a primeira navegação ao redor da ilha em abril de 1768. Bougainvill tornou o Taiti famoso na Europa quando ele publicou as impressões de sua viagem no Vouyage autour du Monde. Nesta publicação, ele descreve a ilha como um paraíso na terra onde homens e mulheres viviam felizes em inocência, distantes da corrupção da civilização. Sua descrição da ilha influenciou pensamentos utópicos de filósofos como Jean-Jacques Rousseau antes da Revolução Francesa.

Em 1774 o capitão James Cook visitou a ilha e estimou a população em aproximadamente 200 mil habitantes na época. Provavelmente ele tenha exagerado, outras estimativas do mesmo período dizem que a população era de aproximadamente 122.000 habitantes.

Depois da visita de Cook, navios europeus visitaram a ilha com maior freqüência. O mais conhecido destes navios foi o HMS Bounty, comandado por William Bligh cuja tripulação se amotinou logo após deixarem o Taiti em 1789, conforme o livro O Motim no Bounty de Caroline Alexander, ou O Garoto no Convés de John Boyne. Os nativos antigos do Taiti, a chamavam de Otaheite. A influência européia rompeu com a tradição da sociedade, trazendo prostituição, doenças venéreas e álcool para a ilha. Doenças como o tifo e varíola mataram tantos taitianos, que em 1797 a população era de apenas 16 mil habitantes. Mais tarde, caiu ainda mais, para 6 mil habitantes.

Em 1842 o reino do Taiti foi declarado uma província francesa.

Em 1880, o rei Pomare V foi forçado a reconhecer a soberania do Taiti e suas dependências para a França em 29 de Junho. Em troca ele foi honrado como Oficial da Ordem da Legião da Honra e Ministro e com o Mérito de Agricultura da França.

Em 1946, o Taiti e toda a Polinésia Francesa se tornaram um Territoire d'Outre-Mer (território francês de outro continente) e em 2004 seu estado mudou para Pays d'Outre-Mer.

O pintor francês Paul Gauguin viveu no Taiti nos período de 1890 e pintou muitos temas taitianos. A cidade de Papeari tem um pequeno museu da obra o pintor.

Taiti Moderno[editar | editar código-fonte]

Localização do Taiti

Os taitianos são considerados cidadãos franceses com plenos poderes civis e políticos. Ambas as línguas taitiana e francesa são usadas na ilha.

O Taiti abriga uma universidade francesa: a Universidade da Polinésia Francesa (Université de la Polynésie Française). É uma pequena universidade com cerca de 2 mil estudantes e 60 pesquisadores. Os físicos Pascal Ortega (estudos de ótica) e Alessio Guarino (física não-linear) estão entre eles. No departamento de Ciências Humanas, destaca-se o sociólogo L. Schuft pelo seu estudo da integração de trabalhadores franceses no Taiti.

Turismo é a grande indústria do Taiti, especialmente durante o festival Heiva, que acontece em Papeete. Este festival celebra a cultura indígena e a comemoração da Bastille na França. Ambos ocorrem em abril.

Esportes[editar | editar código-fonte]

O esporte principal do Taiti é a Canoa Polinésia. Inesperadamente a Seleção Taitina de Futebol foi campeã da Copa das Nações da OFC e se classificou para a Copa das Confederações de 2013 sendo a "zebra" da competição.

Referências

  1. Instituto de Estatística da Polinésia Francesa (ISPF). Recenseamento da população de 2007 (PDF) (em francês). Página visitada em 2007-12-02.
Commons
O Commons possui imagens e outros ficheiros sobre Taiti

Ligações externas[editar | editar código-fonte]