Rio Tâmisa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Tamisa)
Ir para: navegação, pesquisa
Rio Tâmisa / Rio Tamisa
ter
Comprimento 346 km
Nascente perto da aldeia de Kemble
Foz mar do Norte
País(es)  Reino Unido
Tower Bridge sobre o Tâmisa, em Londres.

O rio Tamisa (português europeu) ou Tâmisa (português brasileiro) (em inglês: River Thames) é um rio do sul da Inglaterra que banha Oxford e Londres e desagua no mar do Norte. Com 346 km de extensão, nasce perto da aldeia de Kemble na região de Cotswolds e atravessa Oxford, Wallingford, Reading, Henley-on-Thames, Marlow, Maidenhead, Eton, Windsor e Londres.

O Rio Tâmisa[editar | editar código-fonte]

Dos tempos do 'Grande Fedor' – como o Tâmisa ficou conhecido também como rio fedorento em 1858, quando as sessões do Parlamento foram suspensas por causa do mau cheiro – até hoje, foram quase 120 anos de investimento na despoluição das águas do rio que cruza a cidade de Londres. Milhares de milhões de libras mais tarde, remadores, velejadores e até pescadores voltaram a usar o Tâmisa, que hoje conta com 121 espécies de peixes.

Se a poluição começou ainda nos anos de 1610, quando a água do rio deixou de ser considerada potável, a despoluição só foi começar a partir de meados do século XIX, na época em que o rio conquistou a infame alcunha com o seu mau cheiro.

A decisão de construir um sistema de captação de esgotos também deve muito às epidemias de cólera das décadas de 1850 e 1860. A infraestrutura construída então continua até hoje como a espinha dorsal da rede atual, apesar das várias melhorias ao longo dos anos. Na época, os engenheiros criaram um sistema que simplesmente captava os dejetos produzidos na região metropolitana de Londres e os despejava no Tâmisa alguns quilômetros rio abaixo.

Na época, a solução funcionou perfeitamente, e o rio voltou a se recuperar por alguns anos. No entanto, com o crescimento da população, a mancha de esgoto foi subindo o Tâmisa e, por volta de 1950, o rio estava, mais uma vez, biologicamente morto. Foi então que as primeiras estações de tratamento de esgoto da cidade foram construídas.

Reintrodução artificial do Salmão[editar | editar código-fonte]

Em 1979, o salmão – que é reconhecidamente sensível à poluição, foi reintroduzido no rio, tendo sido escolhidos espécimes ainda imaturos para que fossem por instinto até ao mar e de seguida subissem o rio de modo a reproduzirem-se naturalmente. No entanto, em 2006 e pela primeira vez desde o início desta experiência, não foi detectado um único salmão, o que leva a crer que o projeto esteja à beira de falhar.[1]

ONG[editar | editar código-fonte]

No início de março de 2010, o rio teve o nível mais baixo já registrado, o que revelou uma enorme quantidade de lixo, especialmente de garrafas e sacos de plástico. A ONG Thames21 tenta realizar a limpeza periódica do rio. Em dez anos, ela contabiliza que foram retiradas do rio cerca de 250 000 sacolas plásticas[2] .

Londres vista do Tâmisa (foto:Maureen Lunn/Flckr)

Locais onde o Rio passa[editar | editar código-fonte]

O rio atravessa diversas áreas urbanas do Reino Unido e é atravessado por cerca de 114 pontes, vinte túneis, seis linhas férreas e um vau.

As pontes em Londres são:

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Salmon are turning their back on Thames
  2. NINNI, Karina (22 de março de 2010). Londres - Poluição ancestral. Caderno Planeta. Jornal O Estado de S.Paulo
Ícone de esboço Este artigo sobre Geografia da Inglaterra é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.