Tamuz

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde janeiro de 2011). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

História

De acordo com a história, Suma mulher Semíramis conhecia a promessa feita da Adão e Eva que suscitaria um descendente da mulher para pisar a serpente (Gn 3:15) e assim teve um filho supostamente de maneira milagrosa e lhe deu o nome Tamuz. Este foi apresentado como o libertador prometido e assim começou a ser adorado juntamente com sua mãe, dando início a uma prática de adorar o filho salvador e a mulher escolhida para concebê-lo. Jeremias condenou a entrega de oferendas a Semíramis (também conhecida por Astarte), conhecida como “rainha do céu” (Jr 7:18; 44:17- 19,25), como também a adoração a Tamuz que havia sido morto por um javali e supostamente ressuscitado (Ez 8:17). Todo esse culto pagão se alastrou por toda a Mesopotâmia chegando até a Síria e a Canaã. O uso de imagens de Semíramis segurando uma criança foi difundido chegando a Fenícia e a partir de lá, conquistou toda a terra. No Egito foram conhecidos como Ísis e Hórus, no panteão egípcio são Osíris e Isis; na Grécia como Afrodite e Eros, Tamuz também é apresentado como Adonis; na Itália como Vênus e Cupido. Todo o sistema religioso pagão da Babilônia teve ramificações, tendo relação estreita com outros deuses, sendo Tamuz associado a Baal e a Dagon, o deus-peixe, também chamado de “guardião da ponte”.

Dumuzi ou Tamuz era uma antiga divindade suméria.

Quase todo a se desconsiderar. Desconsidere as informações considere apenas o nome Tamuz ou Damuz e continue sua pesquisa O bíblico Tamuz era um deus dos sumérios conhecido como Dumuzi e pelos egípcios como Osíris. Tamuz tinha como companheira Asterote, a rainha do céu - Ishtar para os acádios, Ísis para os egípcios, Afrodite para os gregos e Inanna para os sumérios. O relacionamento entre Osíris e Ísis, e as respectivas características deles, correspondem notavelmente ao relacionamento e às características dos babilônios Tamuz e Ishtar. Assim, muitos peritos acham que eles são os mesmos.(Apesar de ser um artigo com informações excepcionalmente raras, este artigo não contém fontes, portanto o conteúdo não é verificável, por favor aguarde para que surjam as fontes e desconsidere as assimilações entre deuses de datas, localidades, culturas, escritas e línguas totalmente diferentes.)

O eterno apaixonado da deusa Inanna, trata-se de um humano que acabou por se tornar num deus, estando associado à vegetação e à agricultura, porquanto é um deus que morreu jovem, e ressuscitou no ano seguinte (e assim sucede também com a vegetação, que todos os anos renasce).

É o oposto de An, um deus verdadeiramente imortal, e por isso mesmo tido por idoso, mas também por culto e experiente.

Foi muito cultuado, mais tarde, em Babilónia, sob o nome de Tamuz (como se vê no livro Bíblico de Ezequiel, capítulo 8, versículo 14). A sua lenda está quase de certeza por de trás de outros cultos antigos, designadamente o de Baal nas terras de Canaã e o de Adónis na Grécia Clássica.

Relação com a Cruz[editar | editar código-fonte]

O deus Tamuz era representado pela primeira letra de seu nome, que é o antigo tau, uma cruz. O "sinal da cruz" era o símbolo religioso de Tamuz.

O Expository Dictionary of New Testament Words (Dicionário Expositivo de Palavras do Novo Testamento) é específico, afirmando que a cruz “teve sua origem na antiga Caldéia, e era usada como o símbolo do deus Tamuz (tendo o formato da mística Tau, a letra inicial do nome dele)”.

É significativo o seguinte comentário no livro The Cross in Ritual, Architecture, and Art (A Cruz no Ritual, na Arquitetura e na Arte): “É estranho, porém, inquestionavelmente um fato, que em eras muito anteriores ao nascimento de Cristo, e desde então em terras não tocadas pelo ensino da Igreja, a Cruz tenha sido usada como símbolo sagrado. . . . O grego Baco, o tírio Tamuz, o caldeu Baal e o nórdico Odin, para seus devotos eram simbolizados por uma figura cruciforme.”[1]

Notas e Referências

  1. De G. S. Tyack, Londres, 1900, p. 1.

2. Faculdade e Seminário Teológico Nacional, Curso superior de Teologia, Diciplina: Escatologia p. 104