Taourirt

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Marrocos Taourirt
تاوريرت ; ⵜⴰⵡⵔⵉⵔⵜ
Tawrīrt
 
—  Município  —
Taourirt Maroc 002.JPG
Taourirt está localizado em: Marrocos
Taourirt
Localização de Taourirt em Marrocos
34° 24' 20" N 2° 54' O
Região Oriental
Província Taourirt
Altitude 400 m (1 312 pés)
População (2004)[1] [2]
 - Total 79 664
 - Estimativa (2012) 101 681
Zoco semanal domingo
Sítio www.taourirt.info
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Taourirt

Taourirt ou Tawrirt (pronúncia: táurirte; em árabe: تاوريرت; em tifinagh: ⵜⴰⵡⵔⵉⵔⵜ) é uma cidade do nordeste de Marrocos, capital da província homónima, que faz parte da região Oriental. Em 2004 tinha 79 664 habitantes[1] e estimava-se que em 2012 tivesse 101 681 habitantes.[2]

Situa-se 50 km a leste de Guercif, 160 km a leste de Taza, 230 km a leste de Fez, 140 km a sul de Melilla e 125 km a oeste de Oujda (distâncias por estrada). Hoje, como no passado, é o cruzamento de duas das mais importantes vias de transporte do nordeste de Marrocos: a que liga Melilla e Nador na costa mediterrânica com o sul, e a que liga Fez com o extremo leste e a Argélia.

Embora seja um cidade com importância e dimensão apreciável, tem poucos atrações turísticas para além do grande zoco (mercado semanal) de domingo. Nos arredores, as principais atrações turísticas são as cascatas de Zâa, situadas cerca de 15&nsp;km a noroeste da cidade, as gargantas do Zâa, a aproximadamente a mesma distância, mas a sudeste,[3] , as ruínas da casbá construída pelos Merínidas no século XIV, 3 km a oeste, e a nascente termal de Gouttitir, usada principalmente por reumáticos, 5 km a oeste.[4] O clima é árido, com precipitações variáveis cuja média anual é de 280 mm.

História[editar | editar código-fonte]

Taourirt é herdeira da antiga cidade de Zá (ou Zâa), que chegou a ser uma das maiores cidades de Marrocos. A região ainda se chama Zá,[carece de fontes?] bem como o rio que a atravessa, um afluente do Moulouya. Devido à sua posição estratégica e consequente importância comercial e militar, a região foi muito disputada, principalmente durante a época aúrea de Sijilmassa, chegando a mudar de mãos dez vezes em menos de cinquenta anos.[4]

Em 1298 foi conquistada pelos Merínidas,[4] que lhe chamam Taourirt e a dotam de uma casbá, dos quais ainda há vestígios atualmente. No final do século XIII os Merínidas perdem a cidade, que se vê envolvida nas diversas guerras dinásticas dos séculos XIII e XIV. No reinado do sultão alauita Moulay Ismail (r. 1672-1727) passou a chamar-se Qasba Moulay Ismail e foi dotada de muralhas. A cidade tinha então um papel importante na defesa do reino cherifiano.

No século XIX, a casbá pertencia exclusivamente às tribos Kerarma e Ahlaf que a usavam como celeiro. Mais tarde, com a chegada dos franceses no incício do século XX, afluíram para Taourirt diversas tribos, como os Beni Bou Zeggou, Beni Bou Yhi, Mtalssa, Iqualaan e Beni Snassen. Em volta da cidade encontravam-se diversas outras tribos, como os Bni Fachat, Sijaa, Oulad Slimane, Oulad Amar, etc., que ali se sedentarizaram. Atualmente, embora todos falem árabe, são comuns diferentes variantes das línguas berberes.

A cidade desenvolveu-se no século XX, devido principalmente ao comércio de ovinos e à exploração das minas dos arredores de ferro, zinco, flúor e chumbo. Atualmente apresenta um crescimento demográfico apreciável. A economia baseia-se principalmente numa agricultura rentável à base da oliveira, e em indústrias de transformação. As remessas dos muitos emigrantes, sobretudo em Espanha, também tem um contributo importante para a economia local.

Notas e referências[editar | editar código-fonte]

  1. a b Recensement général de la population et de l'habitat 2004 (em francês) www.hcp.ma Royaume du Maroc - Haut-Comissariat au Plan. Visitado em 6 de março de 2012.
  2. a b Maroc: Les villes les plus grandes avec des statistiques de la population (em francês) gazetteer.de World Gazeteer. Visitado em 6 de março de 2012.
  3. Ellingham, Mark; McVeigh, Shaun; Jacobs, Daniel; Brown, Hamish. The Rough Guide to Morocco (em inglês). 7ª ed. Nova Iorque, Londres, Deli: Rough Guide, Penguin Books, 2004. 824 pp. p. 181. ISBN 9-781843-533139
  4. a b c Le Guide Vert - Maroc (em francês). Paris: Michelin, 2003. 460 pp. p. 413. ISBN 978-2-06-100708-2