Tarairiús

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Tarairus)
Ir para: navegação, pesquisa
Tarairiús
Dança dos Tapuias.jpg
Dança dos tapuias, por Albert Eckhout (séc. XVII)
População total

Desconhecida

Regiões com população significativa
 Pernambuco
 Paraíba
 Rio Grande do Norte
 Ceará
Línguas
Tupi,
Religiões
Animismo, xamanismo
Grupos étnicos relacionados
aratiús, ariús, coremas, sucurus, janduís, canindés, jenipapos-canindés, pegas, ariús dos paiacus, paiacus, panatis
Notas
Às vezes são também citados como tarairus
Homem tapuia, por Albert Eckhout
Mulher tapuia, por Eckhout.

Os tarairiús foram um grupo indígena que habitava os estados brasileiros do Rio Grande do Norte, Ceará , Paraíba e Pernambuco. Residiam na região da caatinga, nas ribeiras de rios como Jaguaribe, Apodi, Piranhas-Açu, Sabuji e Seridó, nos vales onde se desenvolveu a guerra do Açu. Foram também chamados de otxucaianas.

Os tarairiús formam segundo historiadores um grupo linguístico distinto dentre os índios do nordeste brasileiro e estariam linguisticamente afiliados ao tronco macro-jê ao lado dos cariris. Os tarairiús foram retratados pelo artista neerlandês Albert Eckhout em sua caracterização dos tapuias. Outro que também os retratou foi Elias Herckmans em seu livro «Descripção geral da Capitania da Parahyba», publicado em 1639, quando este era administrador da Paraíba.[1]

Características gerais[editar | editar código-fonte]

Os tarairiús são um dos grupos indígenas sobre os quais se tem mais informações na América. As tribos tarairiús geralmente denominavam-se de acordo com o nome com que se chamava seu cacique ou chefe principal, como se observa nos casos dos janduís, paiacus e canindés.

Ao se observar os janduís pode-se notar algumas características que se considera comuns entre os povos tarairiús: eram em geral nômades, pois desciam ao litoral na época da safra de caju, e praticavam a caça e a colheita de mel.

Usavam como armas propulsores, dardos, arcos, flechas e tacapes. Praticavam agricultura de milho, fumo, legumes, abóboras em forma de bilha e mandioca, e fumigavam as sementes e o campo através do plantio. Os grupos eram geralmente divididos em duas metades. Era costume ingerir bebida preparada com sementes ao que se seguia um transe pela parte dos feiticeiros.

Detinham a técnica de assar alimentos com brasas enterradas. Usavam os cabelos compridos entre homens e mulheres. Havia rituais de iniciação das crianças por volta dos sete ou oito anos de idade.

História[editar | editar código-fonte]

O povo tarairiú era originalmente agrupado em cerca de 22 grandes tribos. Aguerridos e indomáveis, lutaram ao lado dos neerlandeses contra o domínio colonial português durante as invasões neerlandesas no Brasil.

Os portugueses procuraram invadir progressivamente as terras tarairiús, mas foram duramente combatidos no período entre 1630 e 1730, na que é considerada por alguns a maior guerra indígena no país.

Grupos afiliados[editar | editar código-fonte]

Fontes[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Elias Herckmans (1639). Descripção geral da Capitania da Parahyba (Herckman 1886). Biblioteca Etnolinguística. Página visitada em 7 de março de 2014.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]