Tataouine

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Tunísia Tataouine
تطاوين , Taṭāwīn
Tatahouine, Tatooine
 
—  Município  —
Festival Internacional dos Ksour Saarianos num dos zocos (suqs) de Tataouine
Festival Internacional dos Ksour Saarianos num dos zocos (suqs) de Tataouine
Tataouine está localizado em: Tunísia
Tataouine
Localização de Tataouine na Tunísia
32° 56' N 10° 27' E
Província Tataouine
 - Prefeito Ali Mourou[1]
Área
 - Total 42 km²
Altitude 240 m (787 pés)
População (2004)[2]
 - Total 59 346
    • Densidade 1 413/km2 
Código postal 3200
Zoco semanal segunda e quinta-feira
Sítio www.commune-tataouine.gov.tn
Mapa com a localização das ruínas arqueológicas da região de Tataouine:
1. Castellum romano de Ras Oued el Gordab (Ghomrassen)
2. Ruínas duma exploração agrícola (Merabtine)
3. Castellum romano de Ras El Aïn (Talalati)
4. Vestígios duma pequena localidade
5. Túmulo
6. Ruínas duma quinta
Vista panorâmica de Tataouine em 1925
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Tataouine

Tataouine (em árabe: تطاوين; transl.: Taṭāwīn), antigamente chamada Foum Tataouine é uma cidade do sul da Tunísia e a capital da província (gouvernorat) de homónima e das delegações (espécies de distritos ou grandes municípios) Tataouine Norte e Tataouine Sul. O município tem 42 km² de área e em 2004 tinha 59 346 habitantes (densidade: 1 413 hab./km²).[2]

Outras transliterações ou variantes do nome da cidade são Tatahouine, Tatahouïne, Tatawin, Fum Taţāwīn, Fumm Tattauin, Foum Tatahouine, Fum Tatawin e Tatooine. A última foi usada pelos criadores da saga cinematográfica Star Wars para batizar o Tatooine da família Skywalker. O nome tem origem no termo berbere Tittawin, que significa literalmente "olhos", que tem o sentido figurado de "nascentes de água". O mesmo termo deu origem ao nome da cidade marroquina de Tetuão (Tiṭṭawin em berbere local). O termo Foum entretanto abandonado significa "boca" ou "entrada" em árabe.[3]

A cidade situa-se num oásis do deserto do Saara, rodeada de colinas áridas, 50  km a sul de Medenine, 80 km a sudoeste-oeste de Ben Gardane, 80 km a norte de Remada, 140 km a sul de Gabès e 500 km a sul de Tunes (distâncias por estrada).

A região é conhecida pela abundância de habitações trogloditas antigamente usadas pela população nativa berbere, cujo isolamento térmico permitia resistir às granes variações de temperatura do deserto, sobretudo ao calor durante o verão, ao mesmo tempo que oferecia proteção contra ataques. A região é igualmente famosa pelos seus ksour (singular: ksar ou alcácer), celeiros fortificados dos berberes nómadas, nomeadamente Ksar Ouled Soltane, Ksar Hadada, Ksar Ouled Debbab e Ksar el Ferch, e também pelas aldeias tradicionais berberes de Chenini, Douiret, Guermessa e Ghomrassen. Estas características e o dramatismo da paisagem constituem o principal atrativo para turistas e para cineastas, nomeadamente George Lucas, que ali filmou parte do filme Star Wars Episódio IV: Uma Nova Esperança.

História[editar | editar código-fonte]

Conhecida como a "porta do deserto", o oásis de Tataouine começou por ser um simples entreposto na rota das caravanas entre Gabès, a Fazânia (sudoeste da Líbia) e o Sudão.[4] A presença humana na região remonta ao Neolítico e conhecem-se vários vestígios dessa época e da Proto-História,[nt 1] como por exemplo os sítios arqueológicos de Ghomrassen, situado 16 km em linha reta a noroeste de Tataouine, e do Djebel Nekrif, situado 20 km a sudoeste. Há também vestígios dos períodos púnico e romano.[7]

Na zona existiram vários castros (posições fortificadas ou de acantonamento das legiões romanas) do Limes Tripolitanus (fronteira do Império). Um dos castra, Talalati, situava-se em Ras El Aïn Tlalet, a oeste da cidade e perto da estrada romana que ia de Gigthis (Boughrara), a norte, a Tillibari (Remada), a sul.[8] Baseando-se no Itinerário de Antonino, um guia das estradas romanas, provavelmente do século III, o arqueólogo francês Jules Toutain avançou a hipótese da estação chamada Tabalati se localizar em Tataouine,[9] mas não foram encontradas quaisquer provas arqueológicas para essa hipótese,[10] raramente retomada posteriormente, pois geralmente considera-se Tabalati um alótropo (variante) de Talalati.[nt 2]

Pouco depois da instituição do protetorado, em 1888 os franceses instalam no que é hoje Tataouine uma base militar e centro de informações, em substituição do que existia em Douiret,[4] considerado muito afastado para controlar as tribos dos Ouderna, que tradicionalmente se reúnem em volta de dois grandes centros nevrálgicos da região dos ksour: um económico (zoco ou suq), em redor da aldeia de Beni Barka, e outro espiritual, o santuário de Sidi Abdallah Boujlida, um marabuto venerado por toda a confederação dos Ouerghemma, em Foum Tataouine. Em 1892, os franceses constroem um zoco a 500 metros do campo militar, que conta com mais de cem lojas exploradas por comerciantes originários de Gabès e principalmente de Djerba, muitos deles judeus, provavelmente vindos de Hara Sghira.[12] O sub-oficial Dimier, de passagem em Tataouine, descreve:[13]

O souk de Tataouine é vasto e rodeado de galerias cobertas, onde estão instaladas as lojas onde se para ou onde se trata dos negócios. Às gentes que vêm do interior, era como um paraíso. Todos os alegres[nt 3] lá iam.[nt 4]

A localidade foi dotada duma mesquita em 1898, a que foi acrescentado um minarete em 1911. Em 1913 foi inaugurado uma estação de correios, em 1914 abriu uma dispensário (estabelecimento hospitalar gratuito) com enfermaria, em 1916 uma escola primária e um tribunal. A cidade tem também uma sinagoga e uma igreja, esta última construída durante a Primeira Guerra Mundial.[14]

Até 1938, ano em que foram abolidas as colónias penais francesas, funcionou em Tataouine uma colónia penal do exército francês. Os recrutas dos batalhões de infantaria ligeira de África (Bat’ d'Af’) ali instalados eram condenados de direito comum ou soldados punidos por indisciplina. As condições de detenção tinham fama de ser muito duras. A antiga colónia foi trasnformada num quartel do exército tunisino após a independência. A cidade continuou a ter uma importante guarnição militar francesa até 1951.[carece de fontes?]

Turismo e eventos[editar | editar código-fonte]

A cidade animada é um local de paragem e base para a generalidade dos circuitos turísticos do sul da Tunísia, onde as principais atrações são os ksour e as aldeias tradicionais berberes, com as suas habitações trogloditas. Apesar do dinamismo do turismo saariano, a cidade preserva a sua identidade e a sua arquitetura tradicional.[15] Há dois zocos (mercados) semanais, um nas segundas-feiras outro nas quintas-feiras,[16] que alguns incluem entre os mais pitorescos da Tunísia.[carece de fontes?]

No mês de março tem lugar o Festival Internacional dos Ksour Saarianos, que inclui apresentações de música e dança folclóricas, poesia, arte, atividades tradicionais do deserto, feiras de artesanato, concurso de beleza de camelos, mostras de cavalos, gastronomia, etc. No festival participam grupos, artistas e artesãos tunisinos e de outros países do Magrebe.[carece de fontes?]

Tataouine na cultura popular francesa[editar | editar código-fonte]

Os franceses têm uma expressão popular — «aller à Tataouine» (ir a Tataouine) ou «aller à Tataouine-les-Bains» (ir a Tataouine-os Banhos) que significa ir perder-se no fim do mundo. A expressão tem origem na presença da colónia penal e o sufixo "les-Bains", frequente em topónimos franceses com o sentido de longínquo, isolado, longe da metrópole, acentua o sentido de muito distante e junta ironia, pelo facto de Tataouine ser um lugar desértico, a que não se associam banhos.[carece de fontes?]

No Quebeque usa-se também o verbo tataouiner, que significa "ser pouco célere" ou, em sentido mais figurado, tergiversar inutilmente "tergiversar inutilmente".[carece de fontes?]

Notas[editar | editar código-fonte]

  1. Segundo Ginette Aumassip que após as escavações e recolhas do capitão Tribalet, 60 sílexes talhados provenientes de Tataouine foram depositados no Museu de Arqueologia Nacional de Saint-Germain-en-Laye (inv. 46549), em França.[5] Ibn Khaldun (1332–1406) e Abdallah Tijani (1275?–1318?) descreveram as tradições mortuárias proto-históricas dos Meguedmine.[6]
  2. Só D. J. Mattingly faz uma menção prudente — com um ponto de interrogação — a propósito da escavação 35.[11]
  3. Joyeux (alegres, joviais, divertidos) no original, uma designação coloquial para os soldados dos batalhões de infantaria ligeira de África (Bataillons d'infanterie légère d'Afrique, BILA) do Exército de África, a força militar das colónias francesas no Norte de África.
  4. Texto original: «Le souk de Tataouine est vaste et bordé de galeries couvertes, où sont installées les boutiques où l'on s'arrête, où on traite les affaires. À des gens qui revenaient du bled, cela valait un paradis. Tous les joyeux y allaient.»

Referências

  1. Dissolution de 22 conseils municipaux et désignation de délégations spéciales (em francês) www.leaders.com.tn (19 de abril de 2011). Visitado em 13 de outubro de 2012. Cópia arquivada em 13 de outubro de 2012.
  2. a b Population, ménages et logements par unité administrative : Gouvernorat : Tataouine (em francês) www.ins.nat.tn Instituto Nacional de Estatística da Tunísia (2004). Visitado em 29 de agosto de 2012.
  3. Mahmoud 2005, p. 170
  4. a b Mahmoud 2005, p. 169
  5. Aumassip 1986
  6. André 1972
  7. Tribalet 1901
  8. Trousset 1974, p. 105-108
  9. Toutain 1903, p. 400-401
  10. Euzennat & Trousset 1978, p. 137-138
  11. Mattingly 1996, p. 535
  12. Mahmoud 2005, p. 171
  13. Dimier 1928, p. 199
  14. Mahmoud 2005, p. 170-171
  15. Daghari-Ounissi 2001, p. 141-166
  16. Morris 2001, p. 393

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Aumassip, Ginette. Le Bas-Sahara dans la Préhistoire (em francês). Paris: CNRS, 1986. 612 pp. ISBN 2-222-03531-7
  • Daghari-Ounissi, Mohamed-Habib. (2001). "Le bâti traditionnel de la région de Tataouine (Tunisie)" (em francês). Archéologie islamique (11). Paris: Maisonneuve et Larose.
  • Dimier, Joseph. Un régulier chez les Joyeux, histoire vraie (em francês). Paris: Grasset, 1928.
  • Mahmoud, Feril Ben. Bat D'Af. La légende des mauvais garçons (em francês). Paris: Mengès, 2005.
  • Morris, Peter; Jacobs, Daniel. The Rough Guide to Tunisia (em inglês). 6ª ed. Londres: Rough Guide, 2001. 503 pp. p. 387-388. ISBN 1-85828-748-0
  • Trousset, Pol. Recherches sur le Limes tripolitanus : du Chott el-Djerid à la frontière tuniso-libyenne (em francês). Paris: CNRS, 1974. Visitado em 13 de outubro de 2012.