Dasypus novemcinctus

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Tatu-galinha)
Ir para: navegação, pesquisa


Como ler uma caixa taxonómicaTatu-galinha
Florida-015.jpg

Estado de conservação
Status iucn3.1 LC pt.svg
Pouco preocupante (IUCN 3.1) [1]
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Mammalia
Superordem: Xenarthra
Ordem: Cingulata
Família: Dasypodidae
Género: Dasypus
Espécie: D. novemcinctus
Nome binomial
Dasypus novemcinctus
( Lineu, 1758)
Distribuição geográfica
Common Long-nosed Armadillo area.png

Dasypus novemcinctus L., chamado vulgarmente tatu-galinha, tatu-verdadeiro, tatu-de-folha, tatu-veado e tatuetê,[2] é um tatu encontrado dos Estados Unidos ao Norte da Argentina e Brasil. Tal espécie de tatu possui carapaça quase inteiramente nua, bastante convexa e lateralmente comprimida, com nove cintas de placas móveis, cabeça alongada, olhos pequenos, orelhas grandes, cauda comprida, cônica e de ponta fina.

Etimologia[editar | editar código-fonte]

"Tatu-galinha" é uma referência ao sabor de sua carne, que se assemelha à da galinha, bem como ao fato de possuir pelos parecidos com penas em suas patas. "Tatuetê" se origina do tupi tatue'té, "tatu verdadeiro".[2]

Características[editar | editar código-fonte]

Uma característica curiosa distingue o tatu-galinha das outras espécies: a fêmea sempre dá a luz quatro filhotes do mesmo sexo. Este fenômeno recebe a denominação científica de poliembrionia. Pode chegar a 80 cm quando adulto. Possui um casco blindado que o protege contra os predadores.

Atravessa cursos de água não muito largos sem respirar, com facilidade, caminhando tranquilamente sobre o fundo. Se o rio é muito largo, enche os pulmões e os intestinos de ar e nada semi-imerso, apenas com a extremidade do focinho fora da água. Este é um animal muito caçado pelo homem, o que vem reduzindo as populações em alguns locais em ritmo bastante sério.

Referências

  1. IUCN SSC Edentate Specialist Group (2008). Dasypus novemcinctus (em Inglês). IUCN 2012. Lista Vermelha de Espécies Ameaçadas da IUCN de 2012 Versão 2. Página visitada em 31 de janeiro de 2013.
  2. a b FERREIRA, A. B. H. Novo Dicionário da Língua Portuguesa. Segunda edição. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1986. p.1 653