Tcheka

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
чрезвыча́йная коми́ссия
Tcheka/Cheka
KGB Symbol.png
Emblema da Cheka-KGB: a espada e o escudo.
Antecessor: Comitê militar revolucionário de Petrogrado
Criação: 1917
Encerramento: 1922 (reorganizada)
Sede(s): Rua Gorokhovaya 2, Petrogrado
Lubianka, Moscou
Diretor: Felix Dzerzhinsky
Subordinada ao: Conselho de Ministros
da União Soviética
Sucessor: GPU

O Tcheka ou Cheka (em russo Cheka, ЧК - чрезвычáйная комиссия, komissio Chrezvicháinaya) foi a primeira das organizações de polícia secreta da União Soviética. Ela foi criada por um decreto emitido em 20 de dezembro de 1917, por Vladimir Lenin e, posteriormente, conduzido por um aristocrata que se tornou comunista Felix Dzerzhinsky.[1] Depois de 1922, a Cheka sofreu uma série de reorganizações. A Cheka Soviética foi sucessora da antiga Okhrana czarista, que competia com a sua organização interna. Sua tarefa era a de "reprimir e liquidar", com amplos poderes e quase sem qualquer limite legal, qualquer ato "contra-revolucionário" ou "desviante".[2]

Desde a sua fundação, a Cheka foi um importante braço militar de segurança do governo comunista bolchevique. Em 1921, as Tropas para a Defesa Interna da República (um ramo da Cheka) numerou de 200.000. Estas tropas policiaram campos de trabalho, o sistema de Gulags, conduziu requisições de alimentos, liquidou os adversários políticos (de direita e esquerda), sufocou as rebeliões camponesas, tumultos por parte dos trabalhadores, e motins no Exército Vermelho, que era atormentado por deserções.[3]

Por extensão, se denominam "Chekas" várias polícias políticas e secretas em outros países que surgiram posteriormente. Na Espanha republicana, também recebeu o nome de "Cheka", locais utilizados durante a guerra civil espanhola como organismos semelhantes (muitas vezes parapoliciais) para deter, interrogar e julgar da forma mais sumária.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. John Laver. The Impact of Stalin's Leadership in the USSR,1924-1941. [S.l.]: Nelson Thornes, 2008. 3 pp. ISBN 978-0-7487-8267-3
  2. Anne Applebaum Elizabeth. "Gulag – A History" (em inglês). London: Penguin Books Ltd, 2003. Capítulo: 7. p. 131, 133-134. ISBN 13:978-0-14-028310-5
  3. Nicolas Werth, Karel Bartošek, Jean-Louis Panné, Jean-Louis Margolin, Andrzej Paczkowski, Stéphane Courtois, The Black Book of Communism: Crimes, Terror, Repression, Harvard University Press, 1999, hardcover, 858 pages, ISBN 0-674-07608-7