Tecnologia assistiva

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Broom icon.svg
As referências deste artigo necessitam de formatação (desde dezembro de 2013). Por favor, utilize fontes apropriadas contendo referência ao título, autor, data e fonte de publicação do trabalho para que o artigo permaneça verificável no futuro.
Cruzamento com indicadores

O termo tecnologia assistiva (português brasileiro) ou tecnologia de apoio (português europeu) agrupa dispositivos, técnicas e processos que podem prover assistência, a reabilitação e melhorar a qualidade de vida de pessoas com algum tipo de deficiência.

Descrição[editar | editar código-fonte]

Na nova sociedade da informação tem se falado muito sobre o design universal e a acessibilidade. Para permitir as pessoas com deficiência a ter autonomia e independência, então foi criado as tecnologias assistivas.

“Tecnologia assistiva são recursos e serviços que visam facilitar o desenvolvimento de atividades diárias por pessoas com deficiência. Procuram aumentar as capacidades funcionais e assim promover a independência e a autonomia de quem as utiliza”. (MELO, 2007, p. 94)

Conforme conceito proposto pelo Comitê de Ajudas Técnicas (CAT) da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República: "Tecnologia Assistiva é uma área do conhecimento, de característica interdisciplinar, que engloba produtos, recursos, metodologias, estratégias, práticas e serviços que objetivam promover a funcionalidade, relacionada à atividade e participação de pessoas com deficiência, incapacidades ou mobilidade reduzida, visando sua autonomia, independência, qualidade de vida e inclusão social" (CAT, Ata da Reunião VII, SDH/PR, 2007).

Os Recursos são todo e qualquer item, equipamento ou parte dele, produto ou sistema fabricado em série ou sob-medida utilizado para aumentar, manter ou melhorar as capacidades funcionais das pessoas com deficiência. Os Serviços, são definidos como aqueles que auxiliam diretamente uma pessoa com deficiência a selecionar, comprar ou usar os recursos acima definidos.

É Qualquer instrumento adaptado como um lápis com um cabo curvado ou mais grosso, ou um teclado adaptado, leitores de tela. Pode ser um artefato rústico ou como os últimos citados programas especiais de computador que visam a acessibilidade.

"Hoje em dia é sabido que as tecnologias da informação e comunicação vem se tornando de forma crescente, importantes instrumentos de nossas cultura e, sua utilização, meio concreto de inclusão e interação no mundo" (LEVY apud BASTOS, 2007, p.30)

No tocante as pessoas com deficiência essas tecnologias de informação e comunicação as TIC's tem contribuido significantemente e tem permitido o acesso ao conhecimento com necessidades especiais independentemente dela qual seja.

Dessa forma busca-se integrar essas pessoas a sociedade, promovendo a inclusão social dessas pessoas . E como Devourny (2007, p. 8) menciona a importância dos profissionais em ajudar os deficientes na superação das barreiras ao acesso a informação e ao conhecimento, para contribuir e reduzir o preconceito social e promover maior integração das pessoas com deficiência.

Processo de Desenvolvimento de Produtos Inclusivos[editar | editar código-fonte]

Tratando-se de projetos de Produtos orientado para Tecnologia Assistiva (TA), o processo compreende os aspectos de Design Universal, Ergonomia de Produto e Usabilidade para atender o maior número de usuários, levando em conta a especificidade do usuário, a atividade executada e o cenário que está envolvido (OKUMURA; RUDEK; CANCIGLIERI JR., 2013). A classificação de uso de produtos da TA para fase de elaboração de Projetos divide-se em: a) uso personalizado (ex.: prótese craniana); b) uso individualizado (ex.: aparelho celular, bengala); c) uso em grupo (ex.: bola com guizo); e d) uso na diversidade (ex.: material didático, rampa). (OKUMURA; CANCIGLIERI JR., 2014).

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

  • BASTOS, Maria Inês de Souza Ribeiro. Inclusão digital e social de pessoas com deficiência: textos de referência para monitores de telecentros . Brasília, DF: UNESCO, 2007.
  • GALVÃO FILHO, Teófilo. A Tecnologia Assistiva: de que se trata? In: MACHADO, G. J. C.; SOBRAL, M. N. (Orgs.). Conexões: educação, comunicação, inclusão e interculturalidade. 1 ed. Porto Alegre: Redes Editora, p. 207-235, 2009. (disponível em: <http://www.galvaofilho.net/assistiva.pdf> )
  • GALVÃO FILHO, Teófilo. Tecnologia Assistiva para uma Escola Inclusiva: apropriação, demandas e perspectivas. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2009. (disponível em: <http://www.galvaofilho.net/tese.htm> )
  • PUPO, Deise Tallarico; MELO, Amanda Meincke; PÉREZ FERRÉS, Sofia. Acessibilidade: discurso e prática no cotidiano das bibliotecas . São Paulo, SP: UNICAMP, 2008.
  • BERSCH, Rita. Tecnologia assistiva. [S.l.]. Disponível em: <http://www.assistiva.com.br>. Acesso em: 30 set. 2010.
  • OKUMURA, M.L.M.; CANCIGLIERI JUNIOR, O. Engenharia Simultânea e Desenvolvimento Integrado de Produto Inclusivo: Processo de Desenvolvimento Integrado de Produtos orientados para Tecnologia Assistiva – proposta de Framework Conceitual. Saarbrücken, (Germany): OmniScriptum GmbH & Co. KG (NEA), 2014. (http://www.amazon.com/Engenharia-Simult%C3%A2nea-Desenvolvimento-Integrado-Inclusivo/dp/3639684494).
  • OKUMURA, M.L.M.; RUDEK, M. ; CANCIGLIERI JUNIOR, O. Application of Assistive Technology in a Concurrent Engineering environment for the special products development: a case study. In. Concurrent Engineering Approaches for Sustainable Product Development in a Multi-Disciplinary Environment. 1ed. London: Springer-Verlag, 2013, v. 2, p. 933-944.