Telescópio espacial CoRoT

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém uma ou mais fontes no fim do texto, mas nenhuma é citada no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde agosto de 2011)
Por favor, melhore este artigo introduzindo notas de rodapé citando as fontes, inserindo-as no corpo do texto quando necessário.


Current event marker.png
Este artigo ou seção contém material sobre uma missão espacial atual.
As informações podem mudar durante o progresso da missão.
CELstart-rocket.png
CoRoT
Operação União EuropeiaESA/FrançaCNES/BrasilAEB
Tipo de missão Procurar por exoplanetas e estudar sismologia estelar
Lançamento 27 de Dezembro de 2006
Local do Lançamento CazaquistãoCosmódromo de Baikonur, Casaquistão
Veículo de Lançamento Soyuz 2.1b
Duração da missão cerca de 2.5 anos
Fim da missão 2009
Massa 630kg

O telescópio espacial CoRoT é um telescópio espacial que faz parte de uma missão astronômica e astrofísica que observará 120 mil estrelas dentro do disco da Via Láctea, com dois objetivos principais:[carece de fontes?]

  1. Descobrir novos planetas extrasolares a partir da detecção de trânsitos planetários;
  2. Estudar a rotação e a convecção nas estrelas através da sismologia estelar.

O CoRoT pretende ser a primeira missão científica a detectar planetas extrasolares do tipo terrestre além de obter dados para uma melhor compreensão dos fenômenos da rotação diferencial e da convecção em estrelas.[carece de fontes?]

O acrônimo CoRoT (pronuncia-se "corrô") vem justamente da fusão dessas três palavras: COnvecção + ROtação + Trânsitos. Mas também é homônimo de Jean-Baptiste Camille Corot (1796-1875), pintor parisiense que foi um dos grandes nomes da transição entre o classicismo e o impressionismo nas artes plásticas, um nome adequado para uma missão que pretende pintar um novo quadro na astronomia moderna.[carece de fontes?]

O projeto CoRoT foi desenvolvido pela Agência Espacial Francesa (CNES), em conjunto com vários laboratórios franceses e parceiros internacionais, incluindo o Brasil.[carece de fontes?]

O satélite pesa 630 kg, mede 4,1 metros de comprimento e 2,0 metros de diâmetro, tendo sido lançado por um foguete russo em dezembro de 2006 entrando em órbita circular polar[carece de fontes?] a 896 km de altitude. O satélite porta um telescópio que, durante os dois anos e meio previstos para a duração da missão, realizará observações em direções perpendiculares ao seu plano orbital, evitando a interferência da luz refletida pela Terra. Durante o verão no hemisfério norte observará uma região do céu perto da constelação de Serpens. Durante o inverno no hemisfério norte observará numa região do céu na direção oposta, nas proximidades da constelação de Monoceros.[carece de fontes?]

História[editar | editar código-fonte]

O projeto do satélite CoRoT foi proposto em 1994 por cientistas e engenheiros do CNES.[1]

A missão principal do satélite era analisar pulsações de estrelas.[carece de fontes?]

A pesquisa por planetas extrasolares era então um objetivo secundário da missão.[carece de fontes?]

Como missões espaciais possuem um custo relativamente alto e a sismologia estelar não é uma das áreas de maior prioridade em astronomia, por diversas vezes, o projeto CoRoT foi ameaçado de ser cancelado ou ter seu orçamento reduzido.[carece de fontes?]

Por este motivo, a missão CoRoT adotou a pesquisa por planetas extrasolares como seu objetivo principal, já que esta área é uma das prioridades da pesquisa na astronomia moderna e goza de grande interesse por parte do grande público. Isto assegurou uma melhor promoção do projeto junto às autoridades governamentais e garantindo sua execução. O estudo das pulsações estelares passou a ser o objetivo número dois da missão.

O "mestre de obras" é o Centre National d´Études Spatiales (CNES), a agência espacial francesa, que financiou cerca de 70% dos custos da missão, em cooperação com a Agência Espacial Europeia (ESA), a Alemanha, a Espanha, a Áustria, a Bélgica e o Brasil. O custo total do projeto foi de 170 milhões de euros. O satélite foi construído pela Alcatel Alenia Space.

O CoRoT foi lançado em 27 de dezembro de 2006 por um foguete Soyuz 2.1.B do cosmódromo de Baikonur, no Cazaquistão.

Descrição do satélite[editar | editar código-fonte]

O satélite pesa 630 kg, mede 4.1 metros de comprimento e 2.0 metros de diâmetro.[carece de fontes?]

A energia necessária para seu funcionamento é obtida através de dois painéis solares que fornecem uma potência de 530 W.[carece de fontes?]

O satélite utiliza uma plataforma Proteus, desenvolvida pela Alcatel. Sua carga útil de 300 kg é composta de um telescópio refletor, afocal, com um espelho primário de 29 cm de diâmetro, acoplado a uma câmera de grande abertura (10° de raio) contendo quatro CCDs de 2048 x 2048 pixeis cada, operando na faixa de luz visível e cuja função é medir variações sutis que ocorrem na intensidade da luz das estrelas.[carece de fontes?]

O satélite foi colocado em órbita circular polar, a 896 km de altitude, com um período orbital de 1 hora e 49 minutos. Este tipo de órbita, incomum para um satélite de observação astronômica, impôs inúmeros problemas, sendo um desfio para a missão. A vida útil mínima do CoRoT é estimada em dois anos e meio.[carece de fontes?]

A cada dia, serão transmitidos cerca de 900 Mb de dados para a Terra.[carece de fontes?]

Propósitos da missão[editar | editar código-fonte]

Durante seis meses, o CoRoT observará estrelas com magnitudes entre 4.5 e 15.5 em uma região do céu na direção do centro da galáxia. No final deste período, o satélite gira 180° e aponta para uma outra região do céu na direção oposta (na direção do anticentro da galáxia) que observará durante os seis meses seguintes. No final deste período, ele torna a girar 180° para repetir o ciclo de observações.[carece de fontes?]

Nas observações o telescópio capta a luz vinda da direção para onde aponta, formando uma imagem da região observada do céu sobre o plano focal onde estão os quatro detectores CCDs. Cada CCD é um chip quadrado, com menos de 2 cm de lado, contendo uma matriz de 2048 x 2048 pixeis. Cada pixel funciona como um "contador de fótons", que "conta" os fótons que o atinge durante um certo período de tempo, chamado de "tempo de integração". O CoRoT usa tempos de integração de 1, 32 ou 512 segundos, dependendo do propósito da medida.

No final de cada tempo de integração, as contagens feitas pelos pixeis são lidas pelo sistema de controle do CoRoT. Para se saber qual é a intensidade luminosa de uma estrela durante um tempo de integração, basta somar as contagens dos pixeis sobre os quais se forma a imagem da estrela e convertê-las para unidades adequadas. A curva das medidas em função do tempo é chamada de "curva de luz" da estrela.

Estrelas "normais" apresentam um brilho constante; suas curvas de luz são praticamente uma linha reta. Existem estrelas, chamadas de "estrelas variáveis", cujo brilho não é constante e sim variável. A variabilidade observada pode ter causas intrínsecas ou extrínsecas à estrela. Em outras palavras, ela pode ser causada por processos físicos que estão ocorrendo no interior ou na superfície da estrela, ou por ação de algum agente externo.

Um exemplo de variabilidade com causas intrínsecas são as pulsações periódicas observadas em estrelas pulsantes. O estudo dessas pulsações pode revelar como é o interior dessas estrelas e o que ocorre lá dentro. Um exemplo de variabilidade com causas extrínsecas são os eclipses ou os trânsitos planetários que ocorrem quando um outro corpo celeste, uma outra estrela ou um planeta, passa diante da estrela observada, obstruindo sua luz.

A missão CoRoT possui dois programas científicos principais. Um deles é o programa de "sismologia estelar" que irá estudar estrelas variáveis do tipo pulsante, mas que também procurará por outros tipos de estrelas variáveis, talvez tipos ainda não conhecidos. O outro programa da missão é o programa de "exoplanetas" que procurará por planetas extra-solares, orbitando em torno das estrelas observadas. A grande ambição do programa de exoplanetas é encontrar planetas menos massivos do que os que já foram descobertos até o presente, talvez, planetas com tamanho e massa similares aos da Terra.

Sismologia estelar[editar | editar código-fonte]

Uma imagem gerada por computador, mostrando o padrão de um oscilação acústica de modo -p, tanto no interior como na superfície do Sol.

Dois dos quatro CCDs são dedicados ao programa de sismologia estelar. Cada um eles observará cinco estrelas pulsantes durante cada período de cinco meses.

Estrelas são esferas de gás ionizado, em equilíbrio, sob efeito de sua própria gravidade. Sob certas condições, alguns tipos de estrelas podem oscilar em modos de pulsação bem específicos de acordo com sua estrutura interna, tal como um instrumento musical ou o próprio globo terrestre. Essas pulsações são causadas por mecanismos físicos que ocorrem no interior dessas estrelas e que as tornam hidrostaticamente instáveis. As pulsações fazem com que o brilho da estrela sofra pequenas variações em relação ao seu nível médio. A análise dessas variações na luz da estrela nos permite inferir uma série de informações sobre sua estrutura interna e sobre os fenômenos físicos que ocorrem em seu interior.

Pulsações deste tipo foram observadas no Sol a cerca de trinta anos atrás. Apesar do Sol estar tão próximo de nós comparado com as outras estrelas, as oscilações solares são difíceis de serem detectadas porque são muitíssimo fracas. Mas, graças aos estudos das oscilações solares, hoje sabemos como o Sol é estruturado por dentro e compreendemos melhor os fenômenos físicos que ocorrem em seu interior e em sua superfície, alguns dos quais, afetam a vida na Terra.

A missão CoRoT pretende estender esse estudo a dezenas de outras estrelas, com massas, idades e composições químicas superficiais diferentes. O desafio é bem maior, porque todas essas estrelas estão centenas de milhares ou até milhões de vezes mais distantes de nós que o Sol, e a luz que chega até nós é muito mais fraca. Mas, o estudo dessas estrelas trará uma enorme quantidade de informações sobre a estrutura e evolução estelar.

Um dos processos físicos que mais interessa aos astrônomos é a convecção. A convecção é um dos mecanismos de transporte de matéria e energia que ocorrem no interior das estrelas. Sob certas condições de temperatura e pressão, porções de matéria estelar em níveis mais profundos aquecem e dilatam subindo como "bolhas" para níveis mais superficiais, tal como ocorre quando a água ferve. Através da convecção, parte da energia térmica produzida em camadas mais profundas da estrela é trazida à superfície. Por outro lado, a "agitação" provocada pela convecção também ajuda a misturar diferentes componentes químicos da matéria estelar.

Outro mecanismo que também participa do processo de mistura de matéria no interior das estrelas é a rotação. De um modo geral, as estrelas não rotam como um corpo rígido, onde qualquer ponto sobre sua superfície ou em seu interior tem a mesma velocidade angular em relação ao eixo de rotação. Nas estrelas, um ponto próximo a um dos polos tem uma velocidade angular diferente de um ponto próximo ao equador. A velocidade angular também depende da posição radial: um ponto sobre o plano do equador, na superfície da estrela, tem uma velocidade angular diferente de um ponto sobre o mesmo plano, mas no interior da estrela. Esse tipo de rotação é chamada rotação diferencial e afeta outros processos físicos que ocorrem no interior estelar, como o processo de estratificação interna, as pulsações, o comportamento magnético, dentre outros.

A partir da análise da luz de dezenas de estrelas pulsantes, os astrônomos pretendem compreender melhor como se dão esses dois processos, a convecção e a rotação e como eles afetam e são afetados por outros processos físicos ao longo da evolução das estrelas. A parte da astronomia que estuda o interior das estrelas a partir das oscilações estelares é chamada de sismologia estelar ou asterosismologia.

Exoplanetas[editar | editar código-fonte]

Sistema solar em escala. A maioria dos quase 200 exoplanetas descobertos até 2006 (ano do lançamento do CoRoT) são exoplanetas gigantes com tamanhos similares aos de Júpiter e Saturno. A missão CoRoT ambiciona fazer a descoberta de exoplanetas menores, inclusive de planetas rochosos, com tamanhos comparáveis com o da Terra, chamados de "planetas telúricos". (Da esquerda para a direita: o Sol, os planetas telúricos Mercúrio, Vênus, Terra e Marte; os planetas gigantes Saturno e Júpiter; e os planetas pequenos Urano e Netuno. O planeta anão, Plutão, aparece na extrema direita).

Os outros dois CCDs estão dedicados ao programa de pesquisa de exoplanetas.

O método usado pela missão CoRoT para detectar planetas extrasolares é baseado na detecção de trânsitos planetários, ou seja, na detecção da passagem do planeta em frente da estrela em torno da qual ele orbita.

Durante sua passagem, o planeta obstrui parte da luz da estrela fazendo com que a intensidade da luz observada sofra uma pequena diminuição em relação ao seu nível intensidade normal, o que aparece como depressões em intervalos regulares na curva de luz da estrela.

Para que trânsitos planetários sejam detectados, algumas condições precisam ser satisfeitas: (1) obviamente, a estrela observada deve ter um sistema planetário com pelo menos um planeta; (2) o plano orbital do planeta deve estar praticamente alinhado com a linha de visada do telescópio; (3) o período orbital deve ser suficientemente curto para que haja uma chance considerável de que pelo menos um trânsito ocorra durante os cinco meses de observação; (4) o planeta deve ser maior que um tamanho mínimo, caso contrário, não poderá ser detectado.

Com se pode imaginar, apenas para uma pequena fração das estrelas observadas essas condições serão satisfeitas simultaneamente. Por este motivo, um grande número de estrelas devem ser observadas. Cerca de 10 mil estrelas (5 mil em cada CCD) serão monitoradas durante cada período de 5 meses da missão, totalizando 20 mil estrelas por ano, e cerca de 50 mil estrelas no final dos dois anos e meio da vida útil mínima prevista para o CoRoT.

O trânsito planetário de um planeta gasoso gigante dura algumas horas e provoca uma variação de cerca de 1% no brilho medido da estrela. Planetas pequenos, como a Terra provocam variações de ordem de 0.01%, ou menos, muito próximas do nível de ruído e por isto são tão difíceis de serem detectados.

A missão CoRoT deverá descobrir centenas de novos planetas gasosos gigantes, mas será suficientemente sensível para detectar planetas rochosos com um tamanho da ordem de duas vezes o tamanho da Terra.

Programas adicionais[editar | editar código-fonte]

Além da asterosismologia e da busca de novos exoplanetas, vários outros programas em outros campos da astrofísica também se beneficiarão com as observações da missão CoRoT, como por exemplo:

Os projetos propostos pela comunidade astronômica foram examinados e selecionados pelo conselho científico da missão CoRoT.

Principais características técnicas[editar | editar código-fonte]

'
Massa total: 668 kg (antes do lançamento)
Carga útil (instrumento): 300 kg
Comprimento total: 4.1 m
Diâmetro: 1.9 m
Potência total disponível: 530 W
Potência do instrumento: 150 W
Comprimento do telescópio: 3.2 m
Tipo de telescópio: refletor, dois espelhos parabólicos
Espelho primário (diam.): 30 cm
Campo de visão: 2.8° x 2.8°
Distância focal: 1.1 m
Precisão de apontamento: 0.2 arcsec
Primeira luz: 17 de janeiro de 2007
Capacidade de manobra: 120 m/s
Volume de telemetria: 1.5 Gbytes/dia
Capacidade de memória: 2 Gbytes
Órbita: circular inercial polar
Altitude da órbita: 896 km
Perigeu: 896 km
Apogeu: 905 km
Inclinação da órbita: 90°
Inclinação orbital: polar
Delta V: 90 m/s
Período orginal: 103 minutos
Lançamento: 27 de dezembro de 2006
Extração: 2007
Vida útil: 2.5 anos (mínimo)
Código Internacional: 2006-063A

Fases da missão[editar | editar código-fonte]

Cronograma[editar | editar código-fonte]

  • 02/1994 a 10/2000 - fase de estudos
  • 10/2000 a 12/2006 - fase de desenvolvimento
  • 27 de dezembro de 2006 - lançamento do CoRoT
  • 2 de janeiro de 2007 - CoRoT foi ligado
  • 17 de janeiro de 2007 - primeira luz (abertura do diafragma)
  • 18 de janeiro de 2007 - primeira imagem
  • 12/2006 a 01/2009 - satélite em operação
  • 01/2009 em diante - uso científico dos dados.

Lançamento[editar | editar código-fonte]

O foguete Soyuz 2.1.B que colocou o satélite CoRoT em órbita, foi lançado com sucesso do cosmódromo de Baikonur, no Cazaquistão, dia 27 de dezembro de 2006 às 15:32 GMT (12:23, horário de Brasília).

O foguete foi lançado pela Agência Espacial Russa, Roscosmos e o lançamento foi transmitido pela internet [1].

Poucas horas depois do lançamento, o CoRoT foi colocado em sua órbita definitiva.

Em seguida, os painéis solares foram desdobrados e o posicionamento do satélite em relação ao Sol foi ajustado de forma a permitir uma carga máxima de eletricidade.

A seguir, foram realizados testes de posicionamento e comunicação com as estações terrestres de rastreio. Tudo funcionou como previsto. O satélite foi ligado na tarde de 2 de janeiro de 2007. Seus sistemas foram testados e mais uma vez tudo funcionou corretamente.

Os dados foram transmitidos para o centro de operações do CNES, em Toulouse, na França.

A primeira luz do instrumento esteve prevista para o dia 17 de janeiro de 2007 e a primeira imagem do céu para o dia 18 do mesmo mês.

O satélite começou em seguida o "Initial Run" de cerca de 60 dias (fevereiro-março) e o primeiro "Long Run" cientifico (cerca de 5 meses) no inicio de abril de 2007.

Primeira Luz[editar | editar código-fonte]

Dia 17 de janeiro de 2007 foi enviado o comando para abertura do diafragma (dispositivo que controla a passagem de luz em sistema ótico). Minutos depois, o diafragma estava aberto. Durante a noite de 18 de janeiro de 2007 o CoRoT enviou sua primeira imagem com sucesso.

Descobertas[editar | editar código-fonte]

Em 3 de maio de 2007 foi anunciado que a missão CoRoT havia descoberto um "Júpiter quente" orbitando uma estrela do tipo solar a 1500 anos-luz de distância da Terra. Este planeta tem um raio de aproximadamente 1.78 RJ (raios de Júpiter), uma massa de 1.3 MJ (massas de Júpiter) e com um período orbital de 1.5 dias.[2] [3]

Em 20 de dezembro de 2007, novos resultados foram divulgados, anunciando que um segundo planeta extrasolar, COROT-2b, havia sido descoberto.

Este planeta teria um raio 1.4 RJ e 3.5 MJ, com um período orbital de pouco menos de dois dias.[4]

Desde então, várias outras descobertas de planetas extrasolares foram anunciadas pela Missão CoRoT.

Planetas extrasolares descobertos pelo CoRoT[editar | editar código-fonte]

Estrela Constelação Ascensão reta Declinação Mag.
aparente
Distância
(ly)
Tipo
espectral
Planeta Massa
(MJ.sin i)
Raio
(RJ)
Período
orbital

(d)
Semieixo
maior

(UA)
Excentricidade
orbital
Inclinação
(°)
Ano da
descoberta
Ref.
COROT-1 Monoceros 06h 48m 19s –03° 06′ 08″ 13.6 1560 G0V b 1.03 1.49 1.5089557 0.0254 0 85.1 2007
COROT-2 Serpens 19h 27m 07s +01° 23′ 02″ 12.57 930 G7V b 3.31 1.465 1.7429964 0.0281 0 87.84 2007
COROT-3 Aquila 19h 28m 13.265s +00° 07′ 18.62″ 13.3 2200 F3V b 21.66 1.01 4.25680 0.057 0 85.9 2008
COROT-4 Monoceros 06h 48m 47s −00° 40′ 22″ 13.7 F0V b 0.72 1.19 9.20205 0.090 0 90 2008
COROT-5 Monoceros?a 06h 45m 07s +00° 48′ 55″ 14 F9V b 0.459 1.28 4.0384 2008
COROT-6 Aquila?a 18h 44m 18s +06° 39′ 48″ 13.9 F5V b 3.3 1.16 8.89 2009
COROT-7 Monoceros 06h 43m 49.0s −01° 03′ 46.0″ 11.668 489 G9V b <0.066 0.150 0.853585 0.0172 0 80.1 2009 [5]
COROT-8 Aquila 06h 43m 49.0s -01° 03′ 46″ 11.7 490 K0V b 0.22 0.57 6.21229 2010
COROT-9 Serpens 18h 43m 09.0s +06° 12′ 15″ 13.7 G3V b 0.84 1.05 95.2738 2010
COROT-10 Aquila 19h 24m 15s +00° 44′ 46″ 15.22 K1V b 2.75 0.97 13.2406 2010
COROT-11 Serpens 18h 42m 45s +05° 56′ 16″ 12.94 F6V b 2.33 1.43 2.99433 2010
COROT-12 Monoceros 06h 43m 04s -01° 17′ 47″ 15.52 G2V b 0.917 1.44 2.828042 2010
COROT-13 Monoceros 06h 50m 53s .-05° 05′ 11″ 15.04 G0V b 1.308 0.885 4.03519 2010
COROT-14 Monoceros 06h 53m 42s -05° 32′ 10″ 16.03 F9V b 7.6 1.09 1.51214 2010
COROT-15 Monoceros 06h 28m 27.819s +06° 11′ 10.54″ F7V b 2010 [6]
COROT-16 Scutum 18h 34m 06s −06° 00′ 09″ 15.63 2740 G5V b 0.535 1.17 5.3523 0.0618 0.33 85.01 2011 [7]
COROT-17 Scutum 18h 34m 47s -06° 36′ 44 ″ 15.46 3001 G2V b 2.43 1.02 3.768125 0.0461 0 88.34 2011 [8]
COROT-18 Monoceros 06h 32m 41s -00° 01′ 54″ 14.99 2838 G9 b 3.47 1.31 1.9000693 0.0295 <0.08 86.5 2011 [9]
COROT-19 Monoceros 06h 28m 08s -00° 01′ 01″ 14.78 2510 F9V b 1.11 1.45 3.89713 0.0518 0.047 87.61 2011 [10]
COROT-20 Monoceros 06h 30m 53s +00° 13′ 37″ 14.66 4012 G2V b 4.24 0.84 9.24 0.0902 0.562 88.21 2011 [11]
COROT-21 Monoceros 06h 44m 12.636s -00° 17′ 57.06″ 16 F8IV b 2.26 1.30 2.72474 0.0417 0 86.8 2011 [12]
[13]
COROT-22 Serpens 18h 42m 40s +06° 13′ 08″ 11.93 2052 G0IV b < 0.15 0.52 9.7566 0.094 < 0.6 89.4 2011
COROT-23 Serpens 18h 39m 08s +04° 21′ 28″ 15.63 1956 G0V b 2.8 1.05 3.6314 0.0477 0.16 85.7 2011 [14]
COROT-24 Monoceros 06h 47m 41s -03° 43′ 09″ 4413 b < 0.1 0.236 5.1134 2011
COROT-24 Monoceros 06h 47m 41s -03° 43′ 09″ 4413 c 0.173 0.38 11.749 2011
COROT-27 Serpens 18h 33m 59.003s +05° 32′ 18.30″ 4413 G2 b 10.39±0.55 1.01±0.04 3.58 0.048 <0.065 2013 [15]
[16]

Participação brasileira[editar | editar código-fonte]

O projeto CoRoT está sendo encabeçado pela França e conta com a participação da Alemanha, Espanha, Bélgica, Áustria e Brasil.

Dos 120 milhões de euros do orçamento da missão, o Brasil entrou com cerca de 2 milhões de euros, porém a maior contribuição brasileira foi a antena de recepção de dados na "Estação de Satélites Científicos" (ESC), do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), em Alcântara, no estado do Maranhão.[17]

Esta estação, localizada abaixo da linha do Equador, é altamente estratégica para a missão CoRoT pois aumenta significatimente a capacidade de recepção dos dados enviados pelo satélite.

A razão disso decorre do fato do CoRoT estar em órbita circular polar a uma altitude de 826 km. Nesse tipo de órbita, o satélite passa sobre os dois polos, cruzando os hemisférios norte e sul.

Os dados científicos coletados vão sendo armazenados na memória do computador de bordo.

Os dados armazenados precisam ser periodicamente transmitidos à Terra, liberando espaço para novos dados.

A missão CoRoT já contava com uma estação de recepção de dados no hemisfério norte, na localidade espanhola de Villafranca, próxima a Madri, para a qual pode transmitir uma parte dos dados armazenados. Sem uma estação no hemisfério sul, o satélite não poderia descarregar o restante dos dados, implicando em uma perda de cerca de 50% dos dados observados.

Foi a primeira vêz que os astrônomos brasileiros participaram da construção de um satélite científico, tendo o mesmo direito de seus parceiros europeus de explorar os dados científicos obtidos.

O principal responsável pela participação brasileira na missão CoRoT foi o Prof. Dr. Eduardo Janot Pacheco do Instituto de Astronomia, Geofísica e Ciências Atmosféricas (IAG) da Universidade de São Paulo (USP) quando esteve em contato em 1999 com a principal pesquisadora da missão, Dra. Anne Baglin do Laboratoire d'Études Spatiales et Instrumentation Astrophysique (LESIA) do Observatório de Paris, em Meudon, a poucos quilômetros da capital francesa.

Nos anos seguintes, Janot Pacheco conseguiu convencer a comunidade científica da importância da participação do Brasil na missão CoRoT.

Juntamente com o Prof. Dr. José Renan de Medeiros do Departamento de Física Teórica e Experimental da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), conseguiu engajar cerca de 70 astrônomos e estudantes dos principais centros de pesquisa astronômica do país:

Cientistas brasileiros estiveram diretamente envolvidos na seleção dos alvos da missão, no desenovimento de software para controle do satélite, e para tratamento e análise de dados.

Missões Similares[editar | editar código-fonte]

Missão MOST[editar | editar código-fonte]

A missão MOST foi desenvolvida pelo Canadá para estudar a microvariabilidade e as oscilações das estrelas, de um modo muito parecido como a missão CoRoT o faz. O MOST consiste em um pequeno satélite, com tamanho e formato de uma valise de 65 x 65 cm² e 30 cm de profundidade, contendo um pequeno telescópio refletor e uma câmera com dois detectores CCDs.

Enquanto um dos CCDs faz medidas fotométricas da luz das estrelas, o outro capta imagens que são usadas para manter o satélite corretamente orientado.

O foguete que colocou o satélite em órbita foi lançado em outubro de 2003 e logo em seguida o MOST entrou em operação.

Embora o objetivo principal da missão MOST seja o estudo de estrelas variáveis através da sismologia estelar, ela também irá procurar por evidências de exoplanetas gigantes.

Missão Eddington[editar | editar código-fonte]

A Agência Espacial Europeia (ESA) pretendia lançar ao espaço em 2008, um satélite contendo quatro telescópios, cada um com um espelho primário de 60 cm de diâmetro conectado a uma câmera CCD. O satélite era parte da missão Eddington que, tal como a missão CoRoT, teria como objetivo estudar a estrutura interna das estrelas através da asterosismologia e procurar por exoplanetas. Durante os dois primeiros anos da missão, cada um dos quatro telescópios observaria em torno de 50 mil estrelas durante intervalos de um a três meses.

Ao todo seriam monitoradas 200 mil estrelas. Os dados fotométricos colhidos permitiriam a detecção de frequências de oscilação estelar com uma precisão de 0.1 a 0.3 uHz.

Durante os três anos seguintes, a missão Eddington iria observar continuamente 100 mil estrelas em uma única região do céu, com o objetivo de descobrir novos exoplanetas por meio da detecção de trânsitos planetários. Os instrumentos da missão seriam suficientemente sensíveis para detectar pequenos planetas rochosos, do tipo terrestres, com períodos orbitais de até um ano. A missão Eddington chegou a ser aprovada pela ESA em maio de 2002, mas em 2003 a agência foi obrigada a cancelar a missão devido a problemas orçamentários.

Missão Kepler[editar | editar código-fonte]

A NASA lançará em 2008 o telescópio espacial Kepler que observará durante quatro anos contínuos as 100 mil estrelas mais brilhantes do céu, sendo capaz de detectar planetas rochosos pequenos do tamanho da Terra e com períodos orbitais da ordem de um ano. Em ontras palavras, o missão Kepler será capaz de detectar planetas similares a Terra, orbitando ao redor de estrelas similares ao Sol, com um raio orbital, similares aos da Terra.

Missão Darwin[editar | editar código-fonte]

Quando os astrônomos já tiverem descoberto um bom número de exoplanetas, então poderão procurar por sinais de vida.

A Agência Espacial Europeia (ESA) pretende continuar a pesquisa iniciada pelo CoRoT na segunda década do século XXI, através da missão Darwin, um novo projeto espacial que colocará em órbita oito satélites cada um portando um telescópio.

O principal objetivo da missão Darwin será encontrar lugares mais prováveis para o desenvolvimento de vida, pelo menos como a conhecemos.

A missão Darwin fará observações em infravermelho, porque a vida na Terra deixa suas marcas em nossa atmosfera nesses comprimentos de onda.

A atividade biológica na Terra produz gases que se difundem em nossa atmosfera.

Por exemplo, as plantas produzem oxigênio e animais expelem dióxido de carbono e metano.

Quando a luz da estrela em torno da qual o planeta orbita passa através de sua atmosfera, esta absorve certos comprimentos de onda da luz passante, na faixa do infravermelho. A análise espectral dessa luz mostra informações sobre a composição química da atmosfera do planeta.

A frota de oito espaçonaves observará 1000 das mais próximas estrelas, procurando por planetas rochosos e analisando suas atmosferas, em busca de evidências de possível vida.

Missão Espacial de Interferometria[editar | editar código-fonte]

Após a missão Kepler, a NASA pretende lançar em 2009 a Space Interferometry Mission ou SIM.

O instrumento principal desta missão é um interferômetro, composto por três telescópios, que será usado para medir a distância de algumas centenas de estrelas próximas, com uma precisão 100 vezes maior do que se consegue atualmente. A medida precisa da distância de uma estrela possibilita uma determinação também mais precisa de seus parâmetros físicos, tal como a temperatura superficial efetiva, o brilho real, a massa estelar, bem como a composição química superficial.

Através da interferometria, o SIM poderá medir pequenas perturbações na posição das estrelas, resultantes do movimento reflexo devido ao movimento orbital de exoplanetas.

Os instrumentos são suficientemente sensíveis para detectar a presença de planetas tão pequenos quanto a Terra, bem como planetas gigantes gasosos mais distantes, alvos potenciais para uma outra missão da NASA, o Terrestrial Planet Finder.

Ao contrário da missão CoRoT, o SIM usará a astrometria como técnica de detecção de exoplanetas.

Terrestrial Planet Finder[editar | editar código-fonte]

A missão Terrestrial Planet Finder (TPF), que poderia ser traduzida como "Caçador de Planetas Terrestres", é o nome de uma futura missão espacial da NASA que estudará todos os aspectos dos exoplanetas: desde de sua formação e desenvolvimento em discos de poeira e gás ao redor de estrelas recém formadas até as características dos planetas orbitando ao redor de estrelas próximas.

A TPF fará um levantamento estatístico da distribuição de massa e tamanhos dos exoplanetas, bem como estudará a possibilidade de vida sobre suas superfícies.

Wide Field Infrared Explorer[editar | editar código-fonte]

O Wide Field Infrared Explorer ou WIRE, é um caso interessante. O WIRE é um satélite colocado em órbita em 1999 e projetado originalmente para fazer um levantamento por quatro meses do céu inteiro, procurando especialmente por galáxias starburst e por protogaláxias brilhantes. Um acidente fez com que a tampa que protegia o telescópio de poeira e da luz solar fosse ejetada, o que fez com que o sistema de resfriamento dos detectores infravermelhos ficasse exposto à luz solar e o fluido de refrigeração evaporasse. As operações do satélite foram então re-planejadas: a câmera a bordo para seguimento de estrelas passou a ser utilizada no monitoramento contínuo e por longo tempo de estrelas brilhantes, com o objetivo de detectar e observar estrelas variáveis e procurar por trânsitos de grandes objetos (possíveis exoplanetas diante das mesmas).

Referências

  1. The CoRoT space telescope is a mission of astronomy led by CNES in association with French laboratories (CNRS) and with several international partners (European countries, Brazil). ( O telescópio espacial CoRoT é uma missão da astronomia liderada pelo CNES em associação com laboratórios franceses (CNRS) e com vários parceiros internacionais (países europeus, Brasil). ) (em inglês)
  2. ESA (2007-05-03). COROT discovers its first exoplanet and catches scientists by surprise. Press release. Página visitada em 2008-08-02.
  3. CNRS (2007-05-03). Success for the first observations by the Corot satellite : An exoplanet discovered and first stellar oscillations. Press release. Página visitada em 2008-08-02.
  4. ESA (2007-12-20). COROT surprises a year after launch ( COROT surpreende um ano após o lançamento ). Press release. Página visitada em 2008-08-02. (em inglês)
  5. A. Léger, D. Rouan, J. Schneider, P. Barge, M. Fridlund, B. Samuel, M. Ollivier, E. Guenther, M. Deleuil, H.J. Deeg, M. Auvergne, R. Alonso, S. Aigrain, A. Alapini, J.M. Almenara, A. Baglin, M. Barbieri, H. Bruntt, P. Bordé, F. Bouchy, J. Cabrera,, C. Catala, L. Carone, S. Carpano, Sz. Csizmadia, R. Dvorak, A. Erikson, S. Ferraz-Mello, B. Foing, F. Fressin, D. Gandolfi, M. Gillon, Ph. Gondoin, O. Grasset, T. Guillot, A. Hatzes, G. Hébrard, L. Jorda, H. Lammer, A. Llebaria, B. Loeillet,, M. Mayor, M., T. Mazeh, C. Moutou, M. Pätzold, F. Pont, D. Queloz, H Rauer,, S. Renner, R. Samadi, A. Shporer, Ch. Sotin, B. Tingley, G. Wuchterl, Adda M., Agogu P., Appourchaux T., Ballans H.,, Baron P., Beaufort T., Bellenger R., Berlin R., Bernardi P., Blouin D., Baudin F., Bodin P., Boisnard L., Boit L., Bonneau F., Borzeix S., Briet R., Buey J.-T., Butler B., Cailleau D., Cautain R., Chabaud P.-Y., Chaintreuil S., Chiavassa F., Costes V., Cuna Parrho V., De Oliveira Fialho F., Decaudin M., Defise J.-M., Djalal S., Epstein G., Exil G.-E., Faur C., Fenouillet T., Gaboriaud A., Gallic A., Gamet P., Gavalda P., Grolleau E., Gruneisen R., Gueguen L., Guis V., Guivarc’h V., Guterman P., Hallouard D., Hasiba J., Heuripeau F., Huntzinger G., Hustaix H., Imad C., Imbert C., Johlander B., Jouret M., Journoud P., Karioty F., Kerjean L., Lafaille V., Lafond L., Lam-Trong T., Landiech P., Lapeyrere V., Larqu T., Larqu T., Laudet P., Lautier N., Lecann H., Lefevre L., Leruyet B., Levacher P., Magnan A., Mazy E., Mertens F., Mesnager J-M, Meunier J.-C., Michel J.-P., Monjoin W., Naudet D., Nguyen-Kim K., Orcesi J-L., Ottacher H., Perez R., Peter G., Plasson P., Plesseria J.-Y., Pontet B., Pradines A., Quentin C., Reynaud J.-L., Rolland G., Rollenhagen F., Romagnan R., Russ N., Schmidt R., Schwartz N., Sebbag I., Sedes G., Smit H., Steller M.B., Sunter W., Surace C., Tello M., Tiphéne D., Toulouse P., Ulmer B., Vandermarcq O., Vergnault E., Vuillemin A., and Zanatta P.. (2009). "Transiting exoplanets from the CoRoT space mission VIII. CoRoT-7b: the first Super-Earth with measured radius". Astronomy and Astrophysics (accepted).
  6. simbad CoRoT-15
  7. M. Ollivier, M. Gillon, A. Santerne, G. Wuchter, M. Have, H. Bruntt, P. Bordé, T. Pasternacki, M. Endl, D. Gandolfi, S. Aigrain, J. M. Almenara, R. Alonso, M. Auvergne, A. Baglin, P. Barge, A. S. Bonomo, F. Bouchy, J. Cabrera, L. Carone, S. Carpano, C. Cavarroc, W. D. Cochran, Sz. Csizmadia, H. J. Deeg, M. Deleuil, R. F. Diaz, R. Dvorak, A. Erikson, S. Ferraz-Mello, M. Fridlund, J.-C. Gazzano, S. Grziwa, E. Guenther, T. Guillot, P. Guterman, A. Hatzes, G. Hébrard, H. Lammer, A. Léger, C. Lovis, P. J. MacQueen, M. Mayor, T. Mazeh, C. Moutou, A. Ofir, M. Pätzold, D. Queloz, H. Rauer, D. Rouan, B. Samue, J. Schneider, M. Tadeu dos Santos, L. Tal-Or, B. Tingley e J. Weingrill. (2012) "Transiting exoplanets from the CoRoT space mission XXII. CoRoT-16b: a hot Jupiter with a hint of eccentricity around a faint solar-like star (Exoplanetas em transitando da missão espacial CoRoT XXII. CoRoT-16b: um Júpiter quente com um toque de excentricidade em torno de uma estrela solar fraca)" (em Inglês). Astronomy & Astrophysics 541 (A149): 10. Astronomy & Astrophysics. ISSN 0004-6361.
  8. (2011) "Transiting exoplanets from the CoRoT space mission XVII. The hot Jupiter CoRoT-17b: A very old planet (Exoplanetas em transitando da missão espacial CoRoT XVII. O Júpiter quente CoRoT-17b: Um planeta muito antigo. )". Astronomy & Astrophysics 531 (41). DOI:10.1051/0004-6361/201117009. Bibcode2011A&A...531A..41C.
  9. (2011) "Transiting exoplanets from the CoRoT space mission. XVIII. CoRoT-18b: A massive hot jupiter on a prograde, nearly aligned orbit". Astronomy & Astrophysics. DOI:10.1051/0004-6361/201117192. Bibcode2011A&A...533A.130H.
  10. E. W. Guenther, R. F. Diaz, J.-C. Gazzano, T. Mazeh, D. Rouan, N. Gibson, Sz. Csizmadia, S. Aigrain, R. Alonso, J. M. Almenara, M. Auvergne, A. Baglin, P. Barge, A. S. Bonomo, P. Borde, F. Bouchy, H. Bruntt, J. Cabrera, L. Carone, S. Carpano, C. Cavarroc, H. J. Deeg, M. Deleuil, S. Dreizler, R. Dvorak, A. Erikson, S. Ferraz-Mello, M. Fridlund, D. Gandolfi, M. Gillon, T. Guillot, A. Hatzes, M. Havel, G. Hebrard, E. Jehin, L. Jorda, H. Lammer, A. Leger, C. Moutou, L. Nortmann, M. Ollivier, A. Ofir, Th. Pasternacki, M. Paetzold, H. Parviainen, D. Queloz, H. Rauer, B. Samuel, A. Santerne, J. Schneider, L. Tal-Or, B. Tingley, J. Weingrill, G. Wuchterl. (2012) "Transiting exoplanets from the CoRoT space mission XXI. CoRoT-19b: A low density planet orbiting an old inactive F9V-star. (Exoplanetas em transitando da missão espacial CoRoT XXI. CoRoT-19b: Um planeta de baixa densidade em órbita em uma estrela inativa e antiga do tipo F9V )" (em Inglês). Universidade Cornell. DOI:10.1051/0004-6361/201117706. Bibcode2012A&A...537A.136G.
  11. M. Deleuil, A.S. Bonomo, S. Ferraz-Mello, A. Erikson, F. Bouchy, M. Havel, S. Aigrain, J.-M. Almenara, R. Alonso, M. Auvergne, A. Baglin, P. Barge, P. Bordé, H. Bruntt, J. Cabrera, S. Carpano, C. Cavarroc, Sz. Csizmadia, C. Damiani, H.J. Deeg, R. Dvorak, M. Fridlund, G. Hébrard, D. Gandolfi, M. Gillon, E. Guenther, T. Guillot, A. Hatzes, L. Jorda, A. Léger, H. Lammer, T. Mazeh, C. Moutou, M. Ollivier, A. Ofir, H. Parviainen, D. Queloz, H. Rauer, A. Rodríguez, D. Rouan, A. Santerne, J. Schneider, L. Tal-Or, B. Tingley, J. Weingrill, G. Wuchterl. (2012) "Transiting exoplanets from the CoRoT space mission XX. CoRoT-20b: A very high density, high eccentricity transiting giant planet. (Exoplanetas em transitando da missão espacial CoRoT XX. CoRoT-20b: Planeta gigante trânsitando com densidade muito alta, alta excentricidade )" (em Inglês). Astronomy & Astrophysics 538 (A145): 9. Astronomy & Astrophysics. DOI:10.1051/0004-6361/201117681. ISSN 0004-6361. Bibcode2012A&A...538A.145D.
  12. PAETZOLD M.; ENDL M.; CSIZMADIA Sz.; GANDOLFI D.; JORDA L.; GRZIWA S.; CARONE L.; PASTERNACKI T.; AIGRAIN S.; ALMENARA J.M.; ALONSO R.; AUVERGNE M.; BAGLIN A.; BARGE P.; BONOMO A.S.; BORDE P.; BOUCHY F.; CABRERA J.; CAVARROC C.; COCHRAN W.B.; DELEUIL M.; DEEG H.J.; DIAZ R.; DVORAK R.; ERIKSON A.; FERRAZ-MELLO S.; FRIDLUND M.; GILLON M.; GUILLOT T.; HATZES A.; HEBRARD G.; LEGER A.; LLEBARIA A.; LAMMER H.; MacQUEEN P.J.; MAZEH T.; MOUTOU C.; OFIR A.; OLLIVIER M.; PARVIAINEN H.; QUELOZ D.; RAUER H.; ROUAN D.; SANTERNE A.; SCHNEIDER J.; TINGLEY B.; WEINGRILL J.; WUCHTERL G.. (2012) "Transiting exoplanets from the CoRoT space mission XXIII. CoRoT-21b: a doomed large Jupiter around a faint subgiant star. (Exoplanetas em transitando da missão espacial CoRoT XXIII. CoRoT-21b: um Júpiter grande condenado ao redor de uma estrela subgigante fraca. )" (em Inglês). Astronomy & Astrophysics 545 (A6): 9. Astronomy & Astrophysics. DOI:10.1051/0004-6361/201118425. ISSN 0004-6361. Bibcode2012A&A...545A...6P.
  13. simbad CoRoT-21
  14. Rouan, D.; Parviainen, H.; Moutou, C.; Deleuil, M.; Fridlund, M.; Ofir, A.; Havel, M.; Aigrain, S.; Alonso, R.; Auvergne, M.; Baglin, A.; Barge, P.; Bonomo, A. S.; Bordé, P.; Bouchy, F.; Cabrera, J.; Cavarroc, C.; Csizmadia, Sz.; Deeg, H. J.; Diaz, R. F.; Dvorak, R.; Erikson, A.; Ferraz-Mello, S.; Gandolfi, D.; Gillon, M.; Guillot, T.; Hatzes, A.; Hébrard, G.; Jorda, L.; Léger, A.; Llebaria, A.; Lammer, H.; Lovis, C.; Mazeh, T.; Ollivier, M.; Pätzold, M.; Queloz, D.; Rauer, H.; Samuel, B.; Santerne, A.; Schneider, J.; Tingley, B.; Wuchterl, G.. (2012) "Transiting exoplanets from the CoRoT space mission XIX. CoRoT-23b: a dense hot Jupiter on an eccentric orbit. (Exoplanetas em transitando da missão espacial CoRoT XIX. CoRoT-23b: Um Júpiter quente densa em uma órbita excêntrica. )" (em Inglês). Astronomy & Astrophysics 537 (A54): 7. Astronomy & Astrophysics. DOI:10.1051/0004-6361/201117916. ISSN 0004-6361. Bibcode2012A&A...537A..54R.
  15. Parviainen, H.; Gandolfi, D.; Deleuil, M.; Moutou, C.; Deeg, H. J.; Ferraz-Mello, S.; Samuel, B.; Csizmadia, Sz.; Pasternacki, T.; Wuchterl, G.; Havel, M.; Fridlund, M.; Angus, R.; Tingley, B.; Grziwa, S.; Korth, J.; Aigrain, S.; Almenara, J. M.; Alonso, R.; Baglin, A.; Barros, S. C. C.; Bordé, P.; Bouchy, F.; Cabrera, J.; Díaz, R. F.; Dvorak, R.; Erikson, A.; Guillot, T.; Hatzes, A.; Hébrard, G.; Mazeh, T.; Montagnier, G.; Ofir, A.; Ollivier, M.; Pätzold, M.; Rauer, H.; Rouan, D.; Santerne, A.; Schneider, J.. (2014) "Transiting exoplanets from the CoRoT space mission XXV. CoRoT-27b: a massive and dense planet on a short-period orbit. (Exoplanetas em transitando da missão espacial CoRoT XXV. CoRoT-27b: Um planeta enorme e denso com uma órbita de período curto. )" (em Inglês). Astronomy & Astrophysics 562 (A140): 12. Astronomy & Astrophysics. DOI:10.1051/0004-6361/201323049. ISSN 0004-6361. Bibcode2014A&A...562A.140P.
  16. simbad CoRoT-27
  17. Corot Brasil (em português)

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]