Tempestade subtropical dos Açores de 2005

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Translation Latin Alphabet.svg
Este artigo ou secção está a ser traduzido. Ajude e colabore com a tradução.
Tempestade subtropical dos
Açores de 2005
Tempestade subtropical  (EFSS)
Unnamed subtropical storm (2005).jpg
A tempestade próxima dos Açores, durante sua intensidade máxima
Formação: 4 de outubro de 2005
Dissipação: 5 de outubro de 2005
Vento mais forte (1 min): 55 mph (85 km/h)
Pressão mais baixa: 994 hPa (mbar) ou 746 mmHg
Danos: Nenhum reportado
Fatalidades: Nenhuma reportada
Áreas afetadas: Açores
Parte da
Temporada de furacões no Atlântico de 2005

A tempestade subtropical dos Açores de 2005 foi a décima-nona tempestade nomeável da Temporada de furacões no Atlântico de 2005.[1] Ela não foi oficialmente nomeada pelo Centro Nacional de Furacões e foi operacionalmente classsificada como não-tropical de baixa pressão. A tempestade desenvolveu-se na porção leste do Oceano Atlântico em uma área de baixa pressão que ganhou características subtropicais em 4 de outubro. A tempestade teve uma curta duração, atingindo o arquipélago dos Açores no fim de 4 de outubro, antes de tornar-se um ciclone extratropical em 5 de outubro. Nenhum dano ou fatalidade foi reportado. Após ser absorvido por uma frente fria, o sistema transforma-se no Furacão Vince, que afeta a Península Ibérica.

Meses depois do término da temporada de furacões, quando o Centro Nacional de Furacões estava realizando sua análise anual da temporada e das tempestades nomeadas, os meteorologistas Jack Beven e Eric Blake identificaram essa tempestade tropical, até então despercebida. Apesar da sua localização incomum e da largura do campo de vento, o sistema teve um centro bem definido convergindo em torno de um núcleo - a principal característica de uma tempestade subtropical.

História meteorológica[editar | editar código-fonte]

Mapa mostrando a trajetória e a intensidade da tempestade segundo a escala de furacões de Saffir-Simpson.

O sistema teve origem a partir de um baixo nível superior próximo ao oeste das Ilhas Canárias em 28 de setembro.[2]

Impacto, classificação e registros[editar | editar código-fonte]

Ventos com intensidade de tempestade tropical foram verificados em vários pontos do arquipélago dos Açores, especialmente nas ilhas orientais. Os ventos mais fortes foram registrados na Ilha de Santa Maria, onde o vento máximo sustentado em 10 minutos foi de 79 km/h, com rajadas de 94 km/h.[3] Ponta Delgada enfrentou ventos de 61 km/h, com registros de picos de rajadas de 85 km/h.[2] Nenhum dano ou fatalidade foi reportado.[4]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Furacão Catrina Portal da
meteorologia

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre ciclones tropicais é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.