Temporada de ciclones no Brasil de 2007

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém uma ou mais fontes no fim do texto, mas nenhuma é citada no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde março de 2013)
Por favor, melhore este artigo introduzindo notas de rodapé citando as fontes, inserindo-as no corpo do texto quando necessário.
Searchtool.svg
Esta página ou secção foi marcada para revisão, devido a inconsistências e/ou dados de confiabilidade duvidosa. Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor, verifique e melhore a consistência e o rigor deste artigo. Considere utilizar {{revisão-sobre}} para associar este artigo com um WikiProjeto e colocar uma explicação mais detalhada na discussão.
Temporada de ciclones no Brasil de 2007
Primeiro sistema1 formado: Primeiro ciclone extratropical
Sistemas ativos1: Nenhum
Total de tempestades nomeadas: 13
Total de ciclones: 13
Grandes ciclones (Cat. 3+): 2
Tempestade mais forte: Décimo terceiro ciclone extratropical
Número de sistemas1 que atingiram terras emersas: Todos
Danos totais: Estima-se que seja mais de 1.000.000,00
ECA Total:
Fatalidades confirmadas: Nenhuma fatalidade
1Inclui depressões tropicais e depressões subtropicais

A Temporada de ciclones no Brasil de 2007 é uma época em que os ciclones atingem o Brasil. Teve seu auge em abril e setembro. Fenômenos como depressão tropical, tempestade tropical, ciclone tropical e furacão, são muito raro se acontecer no atlântico sul. Porém se por acaso esses fenômenos acontecerem, serão relatados nesta página.

Um ciclone (ou depressão ou centro de baixas pressões) é uma região em que o ar relativamente quente se eleva e favorece a formação de nuvens e precipitação. Por isso, tempo nublado, chuva e vento forte estão normalmente associados a centros de baixas pressões. A instabilidade do ar produz um grande desenvolvimento vertical de nuvens cumuliformes associadas a cargas de água.

Nesse ano não houve formação de ciclones em janeiro, que é uma época onde acontecem muitas tempestades extratropicais no Brasil. A primeira formação, o Primeiro Ciclone extratropical ocorreu em 1 de fevereiro e atingiu o arquipélago de Fernando de Noronha.

Como não há alguma lista específica com nomes para batizar os ciclones que se formam no atlântico sul, os ciclones serão tratados pela ordem de ocorrência em 2007.

Escala de Beaufort[editar | editar código-fonte]

A Escala de Beaufort quantifica a intensidade dos ventos, tendo em conta a sua velocidade e os efeitos resultantes das ventanias no mar e em terra. Foi desenhada pelo meteorologista anglo-irlandês Francis Beaufort no início do século XIX. Na década de 1830, a escala de Beaufort já era amplamente utilizada pela Marinha Real Britânica.

Ciclones[editar | editar código-fonte]

Primeiro ciclone extratropical[editar | editar código-fonte]

'
 (EFSS)
[[Imagem:|150px|]]
Duração 1 de fevereiro de 20073 de fevereiro de 2007
Intensidade 50 km/h,

O primeiro ciclone a atingir o Brasil foi classificado como Ciclone extratropical, atingiu Fernando de Noronha no dia 2 de fevereiro de 2007. O arquipélago foi atingido por ondas de mais de quatro metros “Um ciclone extratropical, com ventos intensos e duradouros, que está cobrindo grandes regiões, tem formado esse swell”, diz o matemático, há mais de dez anos estudando ondas. Havia vento de 50 km/h. Segundo a Escala de Beaufort, os ventos desse ciclone foram considerados Muito Fresco.

Segundo ciclone extratropical[editar | editar código-fonte]

'
 (EFSS)
[[Imagem:|150px|]]
Duração 10 de fevereiro de 200714 de fevereiro de 2007
Intensidade 65 km/h,

O segundo ciclone extratropical, atingiu o litoral paulista no dia 11 de fevereiro de 2007. Sua maior rajada foi de 65 km/h. Causando fortes rajadas de vento em alto-mar e provocando agitação marítima em todo o litoral. A Defesa Civil alertou também para o risco de transbordamentos de rio e deslizamentos de terra, sobretudo na metade leste de São Paulo, por causa da ocorrência de chuvas. Os ventos deste ciclone extratropical foi considerado pela Escala de Beaufort como Forte.

Terceiro ciclone extratropical[editar | editar código-fonte]

'
 (EFSS)
[[Imagem:|150px|]]
Duração 19 de maio de 200722 de maio de 2007
Intensidade 100 km/h,

O terceiro ciclone a atingir o Brasil em 2007 atingiu a costa de Santa Catarina e Rio Grande do Sul no dia 21 de maio de 2007. Com ventos de 100 km/h o ciclone provocou vários estragos nas regiões afetadas. Os ventos deste ciclone extratropical consideradfo pela Escala de Beaufort foi considerado como Muito Duro.

Quarto ciclone extratropical[editar | editar código-fonte]

'
 (EFSS)
[[Imagem:|150px|]]
Duração 12 de junho de 200715 de junho de 2007
Intensidade 80 a 90 km/h,

O quarto ciclone a afetar o Brasil em 2007, atingiu a costa de Santa Catarina e Rio Grande do Sul no dia 14 de junho de 2007. Esse ciclone foi pouco mais fraco que ciclone anterior, com rajadas de 80 a 90 km/h, o ciclone causou pequenos estragos por onde passou. Os ventos deste ciclone foram considerado pela Escala de Beaufort como Muito Duro.

Quinto ciclone extratropical[editar | editar código-fonte]

'
 (EFSS)
[[Imagem:|150px|]]
Duração 22 de junho de 200724 de junho de 2007
Intensidade 70 km/h,

O quinto ciclone extratropical atingiu no dia 23 de junho de 2007 Santa Catarina e Rio Grande do Sul. No Rio Grande do Sul os ventos chegaram a 90 km/h, já em Santa Catarina na cidade de Chapecó que fica no oeste do estado, os ventos chegaram a 70 km/h. Foram causados alguns danos às áreas afetadas pelo ciclone. Os ventos deste ciclone foram considerado pela Escala de Beaufort como Muito Forte.

Sexto ciclone extratropical[editar | editar código-fonte]

'
 (EFSS)
[[Imagem:|150px|]]
Duração 18 de julho de 200719 de julho de 2007
Intensidade 90 km/h,

O sexto ciclone extratropical a atingir o Brasil em 2007 novamente atingiu Santa Catarina e Rio Grande do Sul no dia 18 de julho de 2007. Com ventos de 60 km/h e rajadas de quase 100 km/h o ciclone causou vários estragos por onde passou. Os ventos deste ciclone foram considerado pela Escala de Beaufort como Muito Duro.

Sétimo ciclone extratropical[editar | editar código-fonte]

'
 (EFSS)
[[Imagem:|150px|]]
Duração 29 de julho de 20071 de agosto de 2007
Intensidade 55 km/h,

O sétimo ciclone extratropical de 2007 provocou ondas de até cinco metros de altura, em Caraguatatuba, a 173 km de São Paulo no dia 30 de julho de 2007. A ressaca do mar foi tão forte que arrastou areia pela Rodovia Rio-Santos.

Oitavo ciclone extratropical[editar | editar código-fonte]

'
 (EFSS)
[[Imagem:|150px|]]
Duração 19 de agosto de 200720 de agosto de 2007
Intensidade 60 km/h,

Esse ciclone extratropical se formou entre o litoral do Uruguai e sul do Rio Grande do Sul no dia 20 de agosto de 2007, provocou rajadas de vento de 60 km/h em Santa Catarina, principalmente nas regiões Planalto Sul, Litoral Sul e Grande Florianópolis. O mar fica muito agitado com ondas de sul de 1,5 metro a 2,0 metros, com picos de até 3,5 metros um pouco mais afastado do litoral. Os ventos deste ciclone foram considerado pela Escala de Beaufort como Muito Forte.

Nono ciclone extratropical[editar | editar código-fonte]

'
 (EFSS)
[[Imagem:|150px|]]
Duração 23 de setembro de 200725 de setembro de 2007
Intensidade 106 km/h,

O nono ciclone extratropical que atingiu o Brasil, atingiu o Rio Grande do Sul no dia 24 de setembro com a maior rajada de 106 km/h. Houve problemas na rede elétrica com milhares de consumidores afetados pela falta de luz. Os ventos deste ciclone foram considerado pela Escala de Beaufort como "Tempestade".

Décimo ciclone extratropical[editar | editar código-fonte]

'
 (EFSS)
[[Imagem:|150px|]]
Duração 8 de outubro de 200710 de outubro de 2007
Intensidade 50 km/h,

O décimo ciclone a atingir o Brasil atingiu os estados de São Paulo, Rio de Janeiro e Mato Grosso do Sul no dia 9 de outubro de 2007. Uma frente fria avança pelo Sudeste e o Centro-Oeste do Brasil aumentando a nebulosidade e provocando chuva em São Paulo e em Mato Grosso do Sul.

Segundo a Climatempo, um ciclone extratropical associado a frente fria força o mar a subir na costa Sul do país e houve ressaca, com ondas por volta de 3 metros. Houve ressaca no Rio de Janeiro. Os ventos deste ciclone foram considerado pela Escala de Beaufort como Muito Fresco.

Décimo primeiro ciclone extratropical[editar | editar código-fonte]

'
 (EFSS)
[[Imagem:|150px|]]
Duração 15 de outubro de 200716 de outubro de 2007
Intensidade 61 km/h,

O décimo ciclone extratropical de 2007 no Brasil se formou no litoral do Rio Grande do Sul e avançou para Santa Catarina no dia 15 de outubro de 2007 com pouca intensidade. No sul de Santa Catarina os ventos chegaram a 60 km/h e muita chuva. Quando o ciclone ia se deslocando para o Vale do Itajaí e Norte do estado já perdendo força, ele se dissipou. Os ventos deste ciclone foram considerado pela Escala de Beaufort como Forte.

Décimo segundo ciclone extratropical[editar | editar código-fonte]

'
 (EFSS)
[[Imagem:|150px|]]
Duração 20 de outubro de 200723 de outubro de 2007
Intensidade 83 km/h,

O Décimo Segundo Ciclone extratropical, atingiu Santa Catarina e Rio Grande do Sul no dia 21 de outubro. Pelo menos oito cidades catarinenses registraram danos devido à queda de granizo entre a noite de sábado e a madrugada de domingo. As cidades mais afetadas pelo temporal foram: São João Batista, Itapitanga, Angelina, Bocaina do Sul, Abdon Batista, Braço do Norte, Blumenau, Criciúma, Florianópolis, Campos Novos, Concórdia, Chapecó e Arroio da Silva.

Décimo terceiro ciclone extratropical[editar | editar código-fonte]

'
 (EFSS)
[[Imagem:|150px|]]
Duração 1º de novembro de 20072 de novembro de 2007
Intensidade 120 km/h,

O décimo terceiro ciclone da Temporada de ciclones no Brasil de 2007 atingiu Imbituba que fica em Santa Catarina, com ventos de 120 km/h na madrugada do dia 11 de novembro de 2007. O ciclone devastou parte da arena do Hang Loose Santa Catarina Pro na Praia da Vila, com toda a área dos surfistas e também a construida para os convidados sendo destruida e arremessada por cima da cerca que separa a rua da praia com a do Porto de Imbituba. Os ventos classificados pela Escala de Beaufort foram considerados como força de furacão. Até agora (novembro-2007) esse ciclone foi o mais forte registrado nesta temporada.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]