Ten (álbum de Pearl Jam)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ten
Álbum de estúdio de Pearl Jam
Lançamento 27 de agosto de 1991
Gravação 27 de março – 26 de abril, 1991 no London Bridge Studio, Seattle, Washington
Gênero(s) Grunge
Duração 53:24
Idioma(s) Inglês
Gravadora(s) Epic
Produção Rick Parashar, Pearl Jam
Cronologia de Pearl Jam
Último
Último
Vs.
(1993)
Próximo
Próximo
Singles de Ten
  1. "Alive"
    Lançamento: 1991
  2. "Even Flow"
    Lançamento: 1992
  3. "Jeremy"
    Lançamento: 1992
  4. "Oceans"
    Lançamento: 1992

Ten é o álbum de estreia da banda grunge estadunidense Pearl Jam, lançado em 27 de agosto de 1991 através da Epic Records. Após a saída do baixista Jeff Ament e do guitarrista Stone Gossard de seu grupo anterior Mother Love Bone, os dois recrutaram o vocalista Eddie Vedder, o guitarrista Mike McCready e o baterista Dave Krusen para formar o Pearl Jam em 1990. A maioria de suas canções começaram como jams instrumentais, a que Vedder adiciona letras sobre temas como depressão, desabrigados e abuso.

Ten não foi um sucesso imediato, mas no final de 1992 ele tinha alcançado o 2º lugar na parada Billboard 200. O álbum produziu três singles de sucesso: "Alive", "Even Flow" e "Jeremy", além da canção "Black", que não foi um single,mas também teve sucesso. Enquanto o Pearl Jam foi acusado de saltar para o grunge na época, Ten foi fundamental na popularização do rock alternativo no mainstream.[1] O álbum foi certificado treze vezes platina pela RIAA nos Estados Unidos, vendendo cerca de 13.500.000 cópias, e permanece como o álbum mais bem sucedido do Pearl Jam.

Antecedentes[editar | editar código-fonte]

O guitarrista Stone Gossard e o baixista Jeff Ament tocavam juntos em uma banda pioneira do grunge, chamada Green River. Depois da separação do Green River em 1987, Ament e Gossard tocaram juntos na banda Mother Love Bone, no final dos anos 1980. A carreira do Mother Love Bone foi marcada pela morte do vocalista Andrew Wood em 1990, causada por overdose, pouco antes do lançamento do seu álbum de estreia, Apple. Devido a isto, Gossard e Ament levaram meses para voltarem a querer tocar juntos. Gossard passou a escrever o material que foi mais pesado do que ele vinha fazendo anteriormente.[2] Depois de alguns meses, Gossard começou a praticar com o guitarrista de Seattle, Mike McCready, que tinha acabado de sair da banda Shadow; McCready foi quem encorajou Gossard a voltar a tocar com Ament.[3] Os três então entraram no estúdio em sessões separadas com o baterista do Soundgarden, Matt Cameron, e com o ex-baterista do Shadow, Chris Friel, para gravar algumas demos instrumentais.[4] Cinco das canções gravadas - "Dollar Short", "Agytian Crave", "Footsteps", "Richard's E" e "E Ballad" - foram compiladas em uma fita cassete chamada Stone Gossard Demos '91 que utilizaram na esperança de encontrar um vocalista e um baterista para o trio.[1]

O músico de San Diego, Eddie Vedder, adquiriu uma cópia desta demo em setembro de 1990, quando lhe foi dada pelo ex-baterista do Red Hot Chili Peppers, Jack Irons. Vedder ouviu a demo, foi surfar, e escreveu a letra no dia seguinte para "Dollar Short", "Agytian Crave" e "Footsteps". "Dollar Short" e "Agytian Crave" foram mais tarde renomeadas como "Alive" e "Once", respectivamente. Gossard e Ament escutaram a demo com a letra e a voz de Vedder, e foram com Vedder para Seattle para uma audição. Enquanto isso, Vedder havia escrito a letra para "E Ballad", renomeada "Black". O vocalista chegou dia 13 de outubro de 1990 e ensaiou com o resto do grupo (agora com Dave Krusen na bateria) durante uma semana, escrevendo onze canções no processo. Pouco depois contrataram Vedder como vocalista e assinaram um contrato com a Epic Records logo em seguida.[1]

Gravação[editar | editar código-fonte]

A banda, então nomeada Mookie Blaylock, entrou no London Bridge Studio em Seattle, Washington, em março de 1991 com o produtor Rick Parashar para gravar seu álbum de estreia. Algumas faixas foram anteriormente gravadas no London Bridge em janeiro, mas somente "Alive" foi realizada ao longo dessa sessão. As sessões do álbum foram rápidas e duraram apenas um mês, principalmente devido a banda já ter escrito a maioria do material para a gravação. "Porch", "Deep", "Why Go" e "Garden" foram as primeiras a serem gravadas durante as sessões do álbum, tudo o que havia sido previamente gravado durante as sessões da demo em algum ponto. McCready disse que "Ten foi principalmente Stone e Jeff; eu e Eddie estávamos de acompanhantes naquele momento".[5] Ament declarou, "Nós sabíamos que estávamos ainda muito longe de ser uma banda de verdade nesse ponto".[6]

As sessões de gravação de Ten foram completadas em maio de 1991. Krusen saiu da banda logo que as sessões foram concluídas, entrando na reabilitação.[4] De acordo com Krusen, ele estava sofrendo de problemas pessoais na época.[4] Krusen disse, "Foi uma grande experiência. Senti desde o início dessa banda que era algo especial", e acrescentou, "Eles tiveram que me deixar ir. Eu não conseguia parar de beber, e isso estava causando problemas. Eles me deram muitas chances, mas eu não poderia tê-las".[7] A banda juntou Tim Palmer em junho, na Inglaterra, para a mixagem. Palmer decidiu mixar o álbum no Ridge Farm Studios, em Dorking, uma fazenda transformada, que de acordo com Palmer, era "tão longe de um estúdio de Los Angeles ou Nova York, que se podia ter".[1] Palmer fez algumas adições às canções já gravadas, tendo incluído McCready terminando o solo de guitarra em "Alive" e aprimorando a introdução de "Black". Palmer fez um overdub com um saleiro e um extintor como percussão na faixa "Oceans".[1]

Anos mais tarde, os membros do Pearl Jam manifestaram descontentamento com a maneira de mixagem no álbum. Em 2001, Ament disse: "Adoraria remixar Ten. Ed, certamente, estaria de acordo comigo…Não tem nada a ver com a mudança de nossas apresentações, basta tirar um pouco da reverb".[5] Em 2002, Gossard disse: "Éramos muito novos no estúdio e passamos muito tempo gravando, fazendo tomadas diferentes, matando vibrações e overdubbing tons de guitarra. Tem muito reverb no álbum".[8] Em 2006, Vedder disse: "Posso escutar as gravações anteriores [exceto] a primeira… é apenas o som da gravação. Era uma espécie de mistura de uma forma que foi… era uma espécie de produção".[9]

Música e letra[editar | editar código-fonte]

O vocalista Eddie Vedder escreveu todas as letras de Ten.

Muitas das canções em Ten começaram como composições instrumentais que Vedder depois acrescentou as letras após sua entrada para a banda. Quanto as letras, Vedder disse, "Tudo que eu realmente acredito é neste momento, como agora. E isso, na verdade, é o que todo o álbum fala".[10] As letras de Vedder para Ten lidam com temas como depressão, suicídio, solidão e morte. O álbum também aborda questões sociais como a falta de moradia ("Even Flow")[11] e o uso de hospitais psiquiátricos ("Why Go").[12] A canção "Jeremy" e o seu vídeo foram inspirados em uma história real em que um estudante do ensino médio atira em si mesmo na frente de seus colegas.[13] [14]

Muitos ouvintes interpretaram "Alive" como um hino inspirador devido à sua instrumental e coro. Vedder, desde então, revelou que a canção narra o conto semi-biográfico de um filho, descobrindo que seu pai é na verdade seu padrasto (o seu verdadeiro pai ter morrido há muito tempo), enquanto a tristeza de sua mãe transforma-a em abraçar sexualmente seu filho, que se parece muito com o pai biológico.[2] "Alive" e "Once" partem de um ciclo de canções em que Vedder depois descreveu como uma "mini-ópera" intitulada Mamasan (a terceira canção, "Footsteps", apareceu como uma B-side no single "Jeremy"). Vedder explicou que a letra conta a história de um jovem cujo pai morre ("Alive"), causando-lhe para ir em uma matança ("Once") que leva à sua captura e execução ("Footsteps"). Mais tarde foi revelado que as letras de Vedder foram inspiradas por sua longa e guardada dor na descoberta aos 17 anos que o homem que ele pensava ser seu pai não era, e que seu verdadeiro pai já tinha morrido.[1]

Embora Ten lide com temas sombrios, ele se tornou um dos destaques do rock alternativo dos anos 1990, por causa da voz de Vedder, extraordinariamente profunda e forte (e mais tarde muito imitada) alternando entre solidez e vibrato contra o desenfreado, a guitarra pesada, o som hard rock com influências de Led Zeppelin e outras bandas de rock dos anos 1970. O estilo musical de Ten, influenciado pelo rock clássico, combina um "vocabulário harmônico expansivo" com um som de hino.[15] Stephen Thomas Erlewine do Allmusic declarou que as canções do álbum fundem "o riff-pesado do rock de estádio dos anos 70 com a coragem e a raiva do pós-punk dos anos 80, sem nunca deixar de lado os ganchos e os coros."[16]

Ten apresenta uma faixa em duas partes intitulada "Master/Slave" que tanto abre e fecha o álbum. A primeira parte começa o álbum, antes de "Once" começar, e a segunda parte fecha o álbum, após "Release". Inicia-se cerca de dez segundos depois da última faixa do álbum, "Release", como uma faixa oculta, mas ambas contam como uma faixa no CD. A canção é inteiramente instrumental (por exceção de palavras ininteligíveis aleatórias que Vedder murmura) com uma linha dominante de baixo, juntamente com alguns sons de guitarra e de bateria confusos. O produtor Rick Parashar afirmou em 2002: "Pelo que me lembro, acho que Jeff tinha uma linha de baixo…Eu ouvi a linha de baixo e depois começamos a colaborar na sala de controle, e então eu comecei a programar no teclado todo este material; ele improvisava por cima e simplesmente saiu assim."[1]

Embalagem[editar | editar código-fonte]

A arte de capa do álbum apresenta os membros da banda na época da gravação em uma pose do grupo em pé na frente de uma madeira de nome "Pearl Jam". O corte de madeira foi construído por Ament.[17] Ament disse: "O conceito original era realmente estarmos juntos como um grupo e entrar no mundo da música como uma banda de verdade… uma espécie de todos-por-um".[18] Ament aparece nos créditos como diretor artístico e de desenho do álbum,[19] Lance Mercer recebe crédito pela fotografia e tanto Lisa Sparagano e Risa Zaitschek são creditadas pelo design.[19] Ament declarou: "Havia algumas cabeças com o departamento de arte da Sony no momento. A versão de que toda a gente veio a conhecer como a capa do álbum Ten era rosa e ela foi originalmente destinada a ser mais de uma cor bordeaux e a foto da banda devia ser em branco e preto".[20] O nome original do Pearl Jam foi tirado do jogador profissional de basketball Mookie Blaylock.[16] Ele foi mudado após a banda assinar com a Epic Records, já que os executivos da gravadora estavam preocupados com a propriedade intelectual e com os direitos de nome, já que Blaylock havia firmado um contrato com a Nike. Em comemoração do nome original da banda, a banda intitulou o seu primeiro álbum Ten pelo número da camiseta de Blaylock.[21]

Lançamento e recepção[editar | editar código-fonte]

Críticas profissionais
Avaliações da crítica
Fonte Avaliação
Allmusic 5 de 5 estrelas.Star full.svgStar full.svgStar full.svgStar full.svg link
Entertainment Weekly (B-) link
Q Magazine 4 de 5 estrelas.Star full.svgStar full.svgStar full.svgStar empty.svg 3/92, p.79
Robert Christgau (favorável) link
Rolling Stone 4 de 5 estrelas.Star full.svgStar full.svgStar full.svgStar empty.svg link
Stereo Review (mixed) 1/92, p.80

Ten inicialmente vendeu lentamente após seu lançamento, mas na segunda metade de 1992 ele se tornou um sucesso, conseguindo uma certificação ouro da RIAA.[1] Quase um ano depois de seu lançamento, o álbum finalmente entrou no top ten da parada de álbum Billboard 200 em 30 de maio de 1992, alcançando o número oito. Ten acabaria por alcançar o número dois. O álbum Some Gave All de Billy Ray Cyrus foi o que ficou em primeiro.[22] Por fevereiro de 1993, as vendas americanas de Ten superaram as do Nevermind, o álbum de sucesso da banda grunge Nirvana.[23] Ten continuou a vender bem dois anos depois de seu lançamento; em 1993, ele foi o oitavo álbum mais vendido nos Estados Unidos, acima do segundo álbum do Pearl Jam, Vs.[24] Até agosto de 2012, Ten vendeu 9.963.000 nos Estados Unidos de acordo com a Nielsen SoundScan,[25] e foi certificado treze vezes platina pela RIAA.[26]

O crítico da Rolling Stone, David Fricke, deu ao álbum uma crítica favorável, dizendo que o Pearl Jam "entrou voando no místico para velocidade digna de elogio." Ele também acrescentou que o Pearl Jam "desliza muito drama de uns poucos acordes nadando em eco."[27] Allan Jones da Melody Maker sugeriu em sua revisão do Ten que é Vedder que "proporciona ao Pearl Jam seu convincente enfoque único."[28] O crítico do Allmusic, Steve Huey, deu ao álbum cinco de cinco estrelas, chamando ele de "perfeita obra-prima do hard rock."[15] A revista Q deu ao álbum quatro de cinco estrelas. O crítico chamou o álbum de "estrondoso rock moderno, apoiado com contagiosos motifs de guitarra e conduzido pelo baixo e pela bateria," e disse que "pode muito bem ser a cara do metal dos anos 90."[29] A Stereo Review disse que "a banda soa maior que a vida, produzindo um inferno de guitarras que rugem, baixo e bateria monumentais, e vozes saídas da boca do estômago."[30]

A banda recebeu também críticas negativas na imprensa musical. David Browne da Entertainment Weekly deu ao álbum B–. Quanto ao som do Pearl Jam, Browne afirmou que "você já ouviu tudo isso antes em gravações entre roqueiros do nordeste como o Soundgarden, o Alice in Chains e o extinto Mother Love Bone." Ele acabou por dizer que o Pearl Jam "muitas vezes…se perdem em um som que só serve para mostrar que quase tudo pode ser aproveitado e embalado."[31] O crítico Robert Christgau deu ao álbum um B- em sua análise original do álbum, dizendo: "Corro o risco de um profundo sentimento já entendido escutando todos estes homens brancos cabeludos tocando suas guitarras muito tempo, mas não muito bem."[32] A revista musical britânica NME disse que o Pearl Jam estava "tentando roubar o dinheiro dos bolsos dos jovens filhos alternativos."[33] Kurt Cobain do Nirvana furiosamente atacou o Pearl Jam, alegando que a banda eram uns vendidos comerciais,[34] e argumentou que Ten não foi um verdadeiro álbum alternativo porque ele tinha muitos solos de guitarra.[1]

Ten produziu três singles de sucesso, "Alive", "Even Flow" e "Jeremy", todos os quais tiveram acompanhamento de videoclipes (O vídeo de "Oceans" foi lançado apenas fora dos EUA). Os singles todos colocados nas paradas Mainstream Rock e Modern Rock. A canção "Black" alcançou o número três na parada Mainstream Rock, apesar de nunca ter sido lançada como single. O vídeo de "Alive" foi nomeado para o MTV Video Music Award por "Melhor Vídeo Alternativo" em 1992.[35] "Jeremy" se tornou uma das canções mais conhecidas do Pearl Jam, e recebeu nomeações para o Grammy Award de 1993 por "Melhor Canção de Rock" e por "Melhor Performance de Hard Rock".[36] O vídeo de "Jeremy", dirigido por Mark Pellington, foi colocado em alta rotação pela MTV e se tornou um grande sucesso, recebendo cinco nomeações no MTV Video Music Awards de 1993, dos quais venceu quatro, incluindo o "Vídeo do Ano" e "Melhor Vídeo de Grupo".[37]

Em 2003, o álbum foi ranqueado número 207 na lista dos "500 melhores álbuns de todos os tempos" da revista Rolling Stone.[38] Os leitores da Q escolheram Ten como o 42º maior álbum de sempre;[39] entretanto, três anos depois o álbum foi listado menor em 59º.[40] Em 2003, a VH1 colocou-o no número 83 na sua lista dos "100 maiores álbuns de rock and roll".[41] Em 2006, a British Hit Singles & Albums e a NME organizaram uma enquete em que, 40,000 pessoas em todo o mundo votaram para os "100 melhores álbuns de sempre" e Ten foi colocado no número 66 na lista.[42] Ele também foi ranqueado número 15 na edição de outubro de 2006 da Guitar World na lista dos "100 maiores álbuns de guitarra de todos os tempos".[43] Em 2007, o álbum foi incluído no número 11 na lista dos "200 álbuns definitivos de todos os tempos" desenvolvida pela National Association of Recording Merchandisers.[44]

Relançamento[editar | editar código-fonte]

Críticas profissionais
Avaliações da crítica
Fonte Avaliação
Allmusic 5 de 5 estrelas.Star full.svgStar full.svgStar full.svgStar full.svg link
Blender 5 de 5 estrelas.Star full.svgStar full.svgStar full.svgStar full.svg link
Pitchfork Media (6.7/10) link
Rolling Stone 4 de 5 estrelas.Star full.svgStar full.svgStar full.svgStar empty.svg link
Uncut 5 de 5 estrelas.Star full.svgStar full.svgStar full.svgStar full.svg link

Em 24 de março de 2009, Ten foi relançado em quatro edições (Legacy, Deluxe, Vinyl e Super Deluxe). Ele é a primeira reedição em um relançamento planejado do catálogo inteiro do Pearl Jam que levará até o 20º aniversário da banda em 2011.[18] Os extras nas quatro edições incluem uma remasterização e um remix de todo o álbum pelo produtor Brendan O'Brien, embalagem re-desenhada, seis faixas bônus ("Brother", "Just a Girl", "Breath and a Scream", "State of Love and Trust", "2,000 Mile Blues" e "Evil Little Goat"), um DVD da apresentação da banda em 1992 no MTV Unplugged (incluindo uma apresentação bônus de "Oceans", que juntamente com "Rockin' in the Free World" foi originalmente excluída da versão de transmissão), versões em vinil do álbum, um LP do concerto da banda em 20 de setembro de 1992 no Magnuson Park em Seattle (também conhecido como Drop in the Park), uma réplica da demo cassette original Mamasan e uma réplica do bloco de notas de Vedder contendo anotações pessoais e lembranças.

Quanto ao seu remix do álbum, O'Brien afirmou: "A banda adorou o mix original de Ten, mas também estavam interessados no que ele iria soar como se eu fosse para desconstruir e remixá-lo…O som original de Ten é o que milhões de pessoas compraram, escavaram e amaram, então eu estava inicialmente hesitante para mexer com isso. Após anos de persistência da banda, eu fui capaz de envolver minha cabeça em torno da ideia de oferecê-lo como um complemento para o original, dando uma visão nova sobre ele, um som mais direto."[18]

A reedição de Ten vendeu 60,000 cópias na primeira semana, a segunda maior venda da semana para o álbum desde o natal de 1993.[45] Já que a Billboard considera a reedição de Ten como um item de catálogo, Ten não aparecereu na Billboard 200, Top Modern Rock/Alternative, ou Top Rock Albums, já que essas paradas não incluem itens de catálogo.[45] Se tivesse sido incluído na Billboard 200, as 60,000 cópias vendidas da reedição de Ten teriam colocado ele no número cinco.[46] A reedição também reentrou na Australian Albums Chart no número 11, dando-lhe uma posição nova nas paradas da Austrália e sua colocação mais alta nas paradas desde 14 de junho de 1992.

Coincidindo com a reedição do álbum, em março de 2009, Todo o álbum foi disponibilizado como conteúdo descarregável para a série Rock Band de video games.[47] Além disso, três faixas bônus da era Ten foram disponibilizadas para o Rock Band para aqueles que comprassem a reedição de Ten através da Best Buy: "Brother", "Alive" e "State of Love and Trust", as duas últimas como versões ao vivo retiradas do concerto da banda em 20 de setembro de 1992.[48]

Reconhecimentos[editar | editar código-fonte]

A informação relativa aos reconhecimentos atribuídos a Ten está adaptado na parte do AcclaimedMusic.net.[49]

Publicação País Reconhecimento Ano Posição Ref.
Musik Express/Sounds Alemanha "As 100 Obras-primas" 1993 68 [50]
Nieuwe Revu Países Baixos "100 Melhores Álbuns de Todos os Tempos" 1994 25 [51]
Viceversa Itália "100 Álbuns de Rock" 1996 99 [52]
Kerrang! Reino Unido "100 Álbuns que Você Deve Ouvir Antes de Morrer" 1998 15 [53]
Juice Austrália "Os 100 (+34) Maiores Álbuns dos Anos 90" 1999 101 [54]
Spin Estados Unidos "90 Melhores Álbuns dos Anos 90" 1999 33 [55]
Pause & Play Estados Unidos "100 Melhores Álbuns Essenciais dos Anos 90" 1999 11 [56]
Q Estados Unidos "100 Maiores Álbuns de Sempre" 2003 42 [39]
Rolling Stone Estados Unidos "Os 500 Maiores Álbuns de Todos os Tempos" 2003 207 [57]
VH1 Estados Unidos "100 Maiores Álbuns de Rock & Roll" 2003 83 [41]
Rolling Stone Alemanha "Os 500 Melhores Álbuns de Todos os Tempos" 2004 20 [58]
Spin Estados Unidos "100 Maiores Álbuns de 1985–2005" 2005 93 [59]
Q Estados Unidos "100 Maiores Álbuns de Sempre" 2006 59 [40]
Guitar World Estados Unidos "100 Maiores Álbuns de Guitarra de Todos os Tempos" 2006 15 [43]
National Association of Recording Merchandisers Estados Unidos "200 Definitivos" 2007 11 [44]

Turnê[editar | editar código-fonte]

Ament declarou que "essencialmente Ten foi apenas uma desculpa para turnê," adicionando: "Dissemos a gravadora, 'Sabemos que podemos ser uma grande banda, então vamos ter a oportunidade de sair e tocar.'"[6] O Pearl Jam enfrentou uma incansável agenda de shows para Ten.[60] O baterista Dave Abbruzzese se juntou à banda para os shows do Pearl Jam em apoio ao álbum. No meio da sua própria turnê planejada na América do Norte, o Pearl Jam cancelou as datas restantes para ter uma abertura para o Red Hot Chili Peppers na turnê da banda, Blood Sugar Sex Magik, ao final de 1991 na América do Norte. Foi o ex-baterista do Red Hot Chili Peppers, Jack Irons, que chamou sua banda para pedir que contratasse a banda de seu amigo Vedder para que abrissem a turnê.[61] O The Smashing Pumpkins também acompanhou o Red Hot Chili Peppers na turnê. Com o Red Hot Chili Peppers fazendo shows em arenas ao invés de teatros, os promotores da turnê decidiram que o Pearl Jam devia ser substituído por um ato mais bem sucedido.[61] O Nirvana foi escolhido para substituir o Pearl Jam na turnê, no entanto, o The Smashing Pumpkins deixou o projeto de lei do concerto e foram substituídos pelo Pearl Jam.[61] O executivo da Epic, Michael Goldstone, observou que "a banda fez um trabalho incrível abrindo a turnê do Chili Peppers que abriu as portas no rádio."[5]

Em 1992, a banda embarcou em sua primeira turnê europeia. Em 13 de março de 1992, no show de Munique, Alemanha, no Nachtwerk, o Pearl Jam tocou Ten em sua totalidade.[62] A banda então voltou e fez outra turnê na América do Norte. Goldstone observou que a audiência da banda se expandiu, dizendo que ao contrário de antes, "toda a gente veio."[5] O empresário da banda, Kelly Curtis, declarou: "Quando as pessoas vieram e os vi ao vivo, esta lâmpada se acendia. Fazendo sua primeira turnê, você sabia do que estava acontecendo e não havia como detê-la. Tocar em Midwest e esgotar locais de 500 assentos. Eddie poderia dizer que ele queria falar com Brett, o cara do som, e eles levá-lo lá fora, em suas mãos. Você Nunca havia visto uma reação assim do público antes..."[5] Quando o Pearl Jam voltou para uma segunda parte na Europa, a banda apareceu no Festival Pinkpop e no Roskilde Festival em junho de 1992. A banda cancelou suas restantes datas da turnê europeia no verão de 1992, após o Roskilde Festival, devido a um confronto com a segurança no evento, bem como o cansaço das turnês.[63] Ament disse: "Nós tínhamos estado na estrada durante 10 meses. Acho que só chegou a um ponto até a metade da turnê que estava começando a ficar muito intensa. Quero dizer apenas estar longe de casa, estar na estrada o tempo todo e ficar sozinho ou estar deprimido ou o que seja."[64] A banda viria a tocar a turnê Lollapalooza de 1992 com o Red Hot Chili Peppers, Soundgarden e Ministry, entre outros.

Faixas[editar | editar código-fonte]

# Faixa Letra Música Duração
1. "Once" Eddie Vedder Stone Gossard 3:51
2. "Even Flow" Eddie Vedder Stone Gossard 4:53
3. "Alive" Eddie Vedder Stone Gossard 5:40
4. "Why Go" Eddie Vedder Jeff Ament 3:19
5. "Black" Eddie Vedder Stone Gossard 5:44
6. "Jeremy" Eddie Vedder Jeff Ament 5:18
7. "Oceans" Eddie Vedder Eddie Vedder / Jeff Ament / Stone Gossard 2:41
8. "Porch" Eddie Vedder Eddie Vedder 3:30
9. "Garden" Eddie Vedder Jeff Ament / Stone Gossard 4:59
10. "Deep" Eddie Vedder Jeff Ament / Stone Gossard 4:18
11. "Release" Eddie Vedder Dave Krusen / Eddie Vedder / Jeff Ament / Mike McCready / Stone Gossard 9:05

Notas

  • "Release" contém a faixa oculta "Master/Slave" após 5:20.

Faixas Bônus do Reino Unido/Alemanha

# Faixa Letra Música Duração
12. "Alive" (ao vivo) Eddie Vedder Stone Gossard 4:54
13. "Wash" Eddie Vedder Dave Krusen / Eddie Vedder / Jeff Ament / Mike McCready / Stone Gossard 3:33
14. "Dirty Frank" Eddie Vedder Dave Abbruzzese / Jeff Ament / Mike McCready / Stone Gossard 5:38

Notas

  • "Alive" foi gravada ao vivo em 3 de agosto de 1991 no RKCNDY em Seattle, Washington.

Faixas Bônus Japonesas

# Faixa Letra Música Duração
12. "I've Got a Feeling" Paul McCartney John Lennon 3:42
13. "Master/Slave" Eddie Vedder / Jeff Ament 3:48

Faixas Bônus da Reedição

# Faixa Letra Música Duração
12. "Brother" (c/ vocais) Eddie Vedder Stone Gossard 3:59
13. "Just a Girl" (Mookie Blaylock demo de 1990) Eddie Vedder Stone Gossard 5:01
14. "Breath and a Scream" (Mookie Blaylock demo de 1990) Eddie Vedder Stone Gossard 5:58
15. "State of Love and Trust" (demo de 1991) Eddie Vedder Jeff Ament / Mike McCready 4:47
16. 2,000 Mile Blues Eddie Vedder Dave Krusen / Jeff Ament / Mike McCready 3:57
17. "Evil Little Goat" Eddie Vedder Dave Krusen / Eddie Vedder / Jeff Ament / Mike McCready / Stone Gossard 1:27

Faixas Bônus da Reedição do iTunes

# Faixa Letra Música Duração
18. "Why Go" (ao vivo) Eddie Vedder Jeff Ament 4:01
19. "Even Flow" (ao vivo) Eddie Vedder Stone Gossard 5:10
20. "Alone" (ao vivo) Eddie Vedder Dave Abbruzzese / Eddie Vedder / Jeff Ament / Mike McCready / Stone Gossard 3:26
21. "Garden" (ao vivo) Eddie Vedder Jeff Ament / Stone Gossard 5:42
  • Faixas gravadas ao vivo em 31 de dezembro de 1992 no The Academy Theater em New York, New York.

Material Bônus da Reedição[editar | editar código-fonte]

DVD MTV Unplugged

# Faixa
1. "Oceans"
2. "State of Love and Trust"
3. "Alive"
4. "Black"
5. "Jeremy"
6. "Even Flow"
7. "Porch"

Cassette Momma-Son

# Faixa Letra Música Duração
1. "Alive" Eddie Vedder Stone Gossard 4:35
2. "Once" Eddie Vedder Stone Gossard 3:44
3. "Footsteps" Eddie Vedder Stone Gossard 4:20

LP Drop in the Park

Lado A

# Faixa Letra Música Duração
1. "Even Flow" Eddie Vedder Stone Gossard 5:14
2. "Once" Eddie Vedder Stone Gossard 3:32
3. "State of Love and Trust" Eddie Vedder Jeff Ament / Mike McCready 3:44
4. "Why Go" Eddie Vedder Jeff Ament 3:20

Lado B

# Faixa Letra Música Duração
1. "Deep" Eddie Vedder Jeff Ament / Stone Gossard 4:22
2. "Jeremy" Eddie Vedder Jeff Ament 5:03
3. "Black" Eddie Vedder Stone Gossard 5:28

Lado C

# Faixa Letra Música Duração
1. "Alive" Eddie Vedder Stone Gossard 5:50
2. "Garden" Eddie Vedder Jeff Ament / Stone Gossard 5:35

Lado D

# Faixa Letra Música Duração
1. "Porch" Eddie Vedder Eddie Vedder 12:42

Canções retiradas[editar | editar código-fonte]

Os singles do álbum apresentaram duas B-sides das sessões de gravação de Ten que não foram incluídas no álbum, "Wash" e "Yellow Ledbetter". A primeira foi uma B-side no single de "Alive" enquanto a última foi apresentada no single de "Jeremy" e eventualmente se tornou um sucesso de rádio em 1994. Ambas as canções foram incluídas na coleção de raridades Lost Dogs de 2003, embora a versão incluída de "Wash" seja uma tomada alternativa. A canção "Alone" também foi originalmente gravada para Ten; uma versão regravada de 1992 da canção está no single de "Go". Outra versão de "Alone", com vocais regravados, aparece em Lost Dogs.[65] De acordo com McCready, "Alone" foi cortada de Ten porque a banda já tinha canções de meio tempo suficientes para o álbum.[65] A canção "Dirty Frank," que foi lançada como uma B-side no single "Even Flow" e muitas vezes pensada ser deixada de Ten, foi gravada depois que Ten foi lançado. Assim, "Dirty Frank" não é das sessões de gravação de Ten.[66]

A canção "Footsteps" começou como uma demo instrumental e foi compilada para a fita Stone Gossard Demos '91. Vedder adicionou vocais para esta versão depois que recebeu a fita demo. A música de "Footsteps" também foi usada para a canção "Times of Trouble" do Temple of the Dog.[65] "Footsteps" foi apresentada como uma B-side no singe de "Jeremy", no entanto, esta versão é tirada de uma aparição de 1992 no programa de rádio Rockline.[67] Essa versão de "Footsteps" é também vista em Lost Dogs, embora uma introdução de gaita tenha sido sobreposta sobre a gravação.

Outras canções rejeitadas do álbum, mas depois incluídas em Lost Dogs são "Hold On" e "Brother", a última das quais foi transformada em uma instrumental para Lost Dogs.[65] "Brother" foi cortada porque Gossard não estava mais interessado em tocar a canção, uma decisão que Ament opôs-se e quase o levou a sair da banda.[68] A versão de "Brother" com vocais aparece na reedição de 2009 de Ten e se tornou um sucesso de radio no mesmo ano.[69] Ambas "Breath" e "State of Love and Trust" foram gravadas com a intenção das duas canções possivelmente aparecerem no filme Singles.[70] As versões ouvidas no filme e na trilha sonora foram gravadas um ano depois em 1992.[60] As versões das sessões de Ten aparecem na reedição de 2009 de Ten. Outras canções rejeitadas do álbum, mas depois incluídas na reedição de 2009 de Ten são "Just a Girl", "2,000 Mile Blues" e "Evil Little Goat".

Créditos[editar | editar código-fonte]

Posição nas paradas[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

Notas e referências

  1. a b c d e f g h i Pearlman, Nina. "Black Days". Guitar World. Dezembro de 2002. (em inglês)
  2. a b Crowe, Cameron (28 de outubro de 1993). Five Against the World Rolling Stone. Visitado em 23 de junho de 2007.(em inglês)
  3. Hiatt, Brian (16-06-2006). The Second Coming of Pearl Jam Rolling Stone. Visitado em 22-06-2007.(em inglês)
  4. a b c Greene, Jo-Ann. "Intrigue and Incest: Pearl Jam and the Secret History of Seattle (Part 2)". Goldmine. 20-08-1993.(em inglês)
  5. a b c d e Weisbard, Eric, et al. "Ten Past Ten". Spin. Agosto de 2001.(em inglês)
  6. a b Coryat, Karl. "Godfather of the 'G' Word". Bass Player magazine. Abril de 1994.(em inglês)
  7. Acrylic, Kim. "Interview with Dave Krusen of The Kings Royal". Punk Globe. Janeiro de 2009.(em inglês)
  8. "Interview with Stone Gossard and Mike McCready". Total Guitar. Novembro de 2002.(em inglês)
  9. Hiatt, Brian. "Eddie Vedder's Embarrassing Tale: Naked in Public" Rolling Stone. 20-06-2006. Visitada em 28-04-2008.(em inglês)
  10. Neely, Kim. "Right Here, Right Now: The Seattle Rock Band Pearl Jam Learns How to Celebrate Life". Rolling Stone. 31-10-1991.(em inglês)
  11. Clay, Jennifer. "Life After Love Bone". RIP. Dezembro de 1991.(em inglês)
  12. Vedder, Eddie. "Interview with David Sadoff" KLOL FM, Houston, Texas. Dezembro de 1991. Visitada em 28-05-2008.(em inglês)
  13. Miller, Bobbi. "Richardson Teen-ager Kills Himself in Front of Classmates". The Dallas Morning News. 08-01-1991.(em inglês)
  14. Black, Johnny. "The Greatest Songs Ever! Jeremy". Blender. Setembro de 2002. Visitada em 29-04-2008.(em inglês)
  15. a b Título não preenchido, favor adicionar.(em inglês)
  16. a b Erlewine, Stephen Thomas. "Pearl Jam > Biography". Allmusic. Visitada em 22-06-2007.(em inglês)
  17. Brandolini, Chad. "Dave Krusen" Looking Back at Pearl Jam's Ten". Vater.com.(em inglês)
  18. a b c Hay, Travis (10-12-2008). Pearl Jam's Ten gets the deluxe treatment with four reissues next year Seattle Post-Intelligencer. Visitado em 10-12-2008.(em inglês)
  19. a b "Ten: Credits at Allmusic". Allmusic. Visitada em 29-05-2007.(em inglês)
  20. Quinn, Bryan. "Q+A session with Pearl Jam". Daily Record. 09-03-2009.(em inglês)
  21. Papineau, Lou. "20 Things You Should Know About Pearl Jam". VH1.com. 30-05-2006. Visitada em 30-05-2008.(em inglês)
  22. Scaggs, Austin. "Eddie Vedder: Addicted to Rock". Rolling Stone. 21-04-2006. Visitada em 30-05-2008.(em inglês)
  23. Snow, Mat. "You, My Son, Are Weird". Q. Novembro de 1993.(em inglês)
  24. Holden, Stephen. "The Pop Life". The New York Times. 12-01-1994. Visitada em 30-04-2008.(em inglês)
  25. Grein, Paul (8 de agosto de 2012). Week Ending Aug. 5, 2012. Albums: Sale Boosts Bee Gees Chart Watch Yahoo!. Visitado em 8 de agosto de 2012.
  26. Gold and Platinum Database Search. RIAA. Visitada em 12-02-2007.(em inglês)
  27. Fricke, David (12 de dezembro de 1991). Pearl Jam: Ten Rolling Stone. Visitado em 11-03-2008.(em inglês)
  28. Stud Brothers. "Eddie Vedder Takes On The World". Melody Maker. 20-06-1992.(em inglês)
  29. (Março de 1992). "Review: Ten". Q (p. 79).(em inglês)
  30. (Janeiro de 1992). "Review: Ten". Stereo Review (p. 80).(em inglês)
  31. Browne, David (13 de dezembro de 1991). Ten Entertainment Weekly. Visitado em 28 de abril de 2008.(em inglês)
  32. Christgau, Robert. "Turkey Shoot". robertchristgau.com. 01-12-1992. Visitado em 20-05-2009.(em inglês)
  33. Gilbert, Jeff. "New Power Generation". Guitar World: Nirvana and the Seattle Sound. 1993.(em inglês)
  34. Al & Cake. "An interview with…Kurt Cobain". Flipside. Maio/Junho de 1992.(em inglês)
  35. 1992 MTV Video Music Awards Rockonthenet. Visitado em 05-09-2007.(em inglês)
  36. 35th Grammy Awards Rockonthenet. Visitado em 05-09-2007.(em inglês)
  37. 1993 MTV Video Music Awards Rockonthenet. Visitado em 05-09-2007.(em inglês)
  38. "207 Ten". Rolling Stone. Novembro de 2003. Visitada em 27-04-2007.(em inglês)
  39. a b "Q readers 100 Greatest Albums Ever". Q. Janeiro de 2003.(em inglês)
  40. a b "Q Readers 100 Greatest Albums Ever". Q. Fevereiro de 2006.(em inglês)
  41. a b 100 greatest albums of rock & roll (100 - 81). VH1.com. Visitada em 29-04-2007.(em inglês)
  42. "Oasis album voted greatest of all time". The Times. 01-06-2006.(em inglês)
  43. a b "100 Greatest Guitar Albums of All Time". Guitar World. Outubro de 2006.(em inglês)
  44. a b "Definitive 200". Rock and Roll Hall of Fame. 2007.(em inglês)
  45. Erro de citação: Tag <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs chamadas AskBillboard
  46. Caulfield, Keith (01-04-2009). Billboard 200 040109 Billboard. Visitado em 09-04-2009.(em inglês)
  47. Faylor, Chris (14 de dezembro de 2008). Rock Band Getting Full Pearl Jam Album Shacknews. Visitado em 14 de dezembro de 2008.(em inglês)
  48. "Best Buy Exclusive". BestBuy.com.(em inglês)
  49. Ten accolades Acclaimed Music. Visitado em 06-05-2008.(em inglês)
  50. The 100 Masterpieces Musik Express/Sounds. Visitado em 06-05-2008.(em alemão)
  51. Top 100 Albums of All Time Nieuwe Revu. Visitado em 06-05-2008.(em neerlandês)
  52. 100 Rock Albums Viceversa. Visitado em 06-05-2008.(em italiano)
  53. 100 Albums You Must Hear Before You Die Kerrang!. Visitado em 06-05-2008.(em inglês)
  54. Greatest Albums The 100 (+34) Greatest Albums of the 90s Juice. Visitado em 06-05-2008.(em inglês)
  55. Top 90 Albums of the 90's Top 90 Albums of the 90s Spin. Visitado em 06-05-2008.(em inglês)
  56. The 90s Top 100 Essential Albums Pause and Play. Visitado em 06-05-2008.(em inglês)
  57. The 500 Greatest Albums of All Time Rolling Stone. Visitado em 06-05-2008.(em inglês)
  58. The 500 Best Albums of All Time Rolling Stone. Visitado em 06-05-2008.(em inglês)
  59. "100 Greatest Albums, 1985-2005". Spin (Julho de 2005).(em inglês)
  60. a b Gilbert, Jeff. "Alive & Kicking". Guitar World. Setembro de 1992.(em inglês)
  61. a b c Kiedis, Anthony; Sloman, Larry. Scar Tissue. [S.l.]: Hyperion. ISBN 1401301010. (em inglês)
  62. "Pearl Jam Shows: 1992 March 13, Nachtwerk Munich, Germany – Set List". PearlJam.com. Visitada em 28-04-2008.(em inglês)
  63. "Pearl Jam: 1992 Concert Chronology: Part 2". FiveHorizons.com. Visitada em 28-04-2008.(em inglês)
  64. Davis, Kathy. "Take the Whole Summer Off: TFT Looks Back at Lolla '92". TwoFeetThick.com. 30-07-2007. Visitada em 28-04-2008.(em inglês)
  65. a b c d Cohen, Jonathan. "The Pearl Jam Q & A: Lost Dogs". Billboard. 2003. Visitada em 09-05-2008.(em inglês)
  66. [1](em inglês)
  67. "Pearl Jam: 1992 Concert Chronology". FiveHorizons.com. Visitada em 30-04-2008.(em inglês)
  68. (2003) Album notes for Lost Dogs by Pearl Jam, [CD booklet]. New York: Sony Music.(em inglês)
  69. "'Slumdog' Barks While Taylor Swift Nets 10th Week At No. 1". Billboard. 25-02-2009.(em inglês)
  70. Crowe, Cameron. "Making the Scene: A Filmmakers Diary". Rolling Stone. 01-10-1992. Visitada em 30-04-2008.(em inglês)
  71. a b Título não preenchido, favor adicionar.(em inglês)
  72. Top Albums/CDs - Volume 56, No. 13, 26-07-1992 RPM. Visitado em 07-03-2008.(em inglês)
  73. a b Scapolo, Dean. (2007) The Complete New Zealand Music Charts. ISBN 9781877443008.(em inglês)
  74. Norwegian Single/Album Chart / Pearl Jam / Longplay norwegiancharts.com. Visitado em 19 de fevereiro de 2008.(em inglês)
  75. Chartverfolgung / Pearl Jam / Longplay musicline.de. Visitado em 11-06-2007.(em alemão)
  76. a b EveryHit.com. Visitado em 16 de fevereiro de 2007.(em inglês)
  77. Austrian Single/Album Chart / Pearl Jam / Longplay austriancharts.at. Visitado em 19 de fevereiro de 2008.
  78. Swedish Single/Album Chart / Pearl Jam / Longplay swedishcharts.com. Visitado em 19 de fevereiro de 2008.(em inglês)
  79. Top Internet Albums: Ten Billboard. Visitado em 02-04-2009.(em inglês)
  80. Ten (Legacy Edition) (Album) portuguesecharts.com. Visitado em 02-04-2009.(em inglês)
  81. Dutch Single/Album Chart / Pearl Jam / Longplay dutchcharts.nl. Visitado em 19 de fevereiro de 2008.(em neerlandês)
  82. a b Pearl Jam in Australian Charts. australian-charts.com. Visitada em 28-05-2008.(em inglês)
  83. a b Belgian Single/Album Chart / Pearl Jam / Longplay belgiancharts.com. Visitado em 19 de fevereiro de 2008.
  84. Classifice Artisti — Archivio FIMI. Visitado em 02-04-2009.(em italiano)
  85. Official Croatian Albums Chart website Top of the Shops. Visitado em 4 de abril de 2009.(em inglês)
  86. Top 100 Individual Artist Albums IRMA (24 de setembro de 2009). Visitado em 26 de setembro de 2009.(em inglês)
  87. Schweizer Hitparade hitparade.ch. Visitado em 02-04-2009.
  88. Geoff Mayfield (25 de dezembro de 1999). 1999 The Year in Music Totally '90s: Diary of a Decade - The listing of Top Pop Albums of the '90s & Hot 100 Singles of the '90s Billboard. Visitado em 15 de outubro de 2010.(em inglês)
  89. a b c Título não preenchido, favor adicionar.(em inglês)
  90. Top Singles - Volume 56, No. 1, 07-04-1992 RPM. Visitado em 07-03-2008.(em inglês)
  91. Top Singles - Volume 56, No. 16, 17-10-1992 RPM. Visitado em 07-03-2008.(em inglês)
  92. Pearl Jam "Brother" Chart History Billboard. Visitado em 30 de julho de 2009.(em inglês)
  93. Chartverfolgung / Pearl Jam / Single musicline.de. Visitado em 11-06-2007.(em alemão)
  94. The Irish Charts — All there is to know Irishcharts.ie. Visitado em 29 de abril de 2007.(em inglês)
  95. Dutch Single/Album Chart / Pearl Jam / Longplay dutchcharts.nl. Visitado em 19 de fevereiro de 2008.(em neerlandês)

Ligações externas[editar | editar código-fonte]