Teoria ator-rede

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

A teoria ator-rede, ou ANT de sua sigla em inglês Actor-Network Theory é uma corrente da pesquisa em teoria social que se originou na área de estudos de ciência, tecnologia e sociedade.

Apesar de ser conhecida por sua controversa defesa de uma agência dos elementos não-humanos, também é associada a críticas à sociologia convencional tanto quanto à sociologia crítica.

Esta é uma teoria que enfatiza a ideia de que os actores, humanos e não humanos, estão constantemente ligados a uma rede social de elementos (materiais e imateriais). Desenvolvida principalmente por Michel Callon e Bruno Latour, a teoria do actor-rede foi construída à luz de uma perspectiva construtivista e baseia-se principalmente em dois conceitos – tradução e rede – e dois princípios extraídos do filósofo-sociólogo David Bloor – o princípio de imparcialidade (não devemos conceder um privilégio àquele que conseguiu a reputação de ter ganho e de ter tido razão face a uma controvérsia científica) e o princípio de simetria (os mesmos tipos de causas explicam as crenças verdadeiras e as crenças falsas).

O termo actante e utilizado como uma forma neutra de se referir a atores tanto humanos como não-humanos, já que seus principais autores consideram que a palavra autor tem uma carga simbólica ligada ao "ser pessoas".

Wiki letter w.svg Este artigo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o. Editor: considere marcar com um esboço mais específico.