Teoria do estado estacionário

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Cosmologia
WMAP 2008.png
Universo · Big Bang
Idade do universo
Cronologia do Universo
Derradeiro destino do Universo

A Teoria do estado estacionário (SS Cosmology, do inglês Steady-state) ou modelo do estado estacionário foi elaborada em 1948 por Fred Hoyle, Thomas Gold e Hermann Bondi como alternativa ao modelo do Big Bang. É um modelo amplamente desacreditado em Cosmologia que descreve um universo que se dilata (expande) e no qual matéria nova se cria nos intervalos crescentes entre as galáxias, mantendo a densidade de matéria no universo constante e propiciando permanentemente prótons para as estrelas produzirem seus processos de fusão, na nucleossíntese. O universo conservaria assim uma densidade idêntica a todo momento, e duraria eternamente, o que apresenta-se como uma ideia até filosoficamente "bela", como classificam-na alguns cosmólogos, físicos e pensadores diversos,[1] mas que mostrou-se insustentável pelas evidências astronômicas.[2] l.

Posteriormente, foi reapresentada na forma de outra teorização, chamada de Teoria do Universo Quase Estacionário, ou "CEQE".

Estado quase estacionário[editar | editar código-fonte]

Cosmologia Estado Quase Estacionário (CEQE) foi proposta em 1993 por Fred Hoyle, Geoffrey Burbidge e Jayant V. Narlikar como uma nova encarnação das idéias de estado estacionário significou para explicar características adicionais desaparecidas na proposta inicial. A teoria sugere bolsões de criação que ocorre ao longo do tempo dentro do universo, por vezes referido como minibangs, eventos mini-criação, ou pequenos golpes. Após a observação da expansão acelerada do universo, mais modificações do modelo foram feitas.[3]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  1. Jamal N. Islam, The ultimate fate of the universe , Cambridge University Press Online ISBN 978-051-173-574-5 Livro ISBN 978-052-124-814-3 Paperback ISBN 978-052-111-312-0 DOI:10.1017/CBO9780511735745.016 (em inglês)
  2. Helge Kragh, Cosmology and Controversy: The Historical Development of Two Theories of the Universe , Princeton University Press ISBN 978-069-100-546-1 (em inglês)
  1. JORGE HORVATH, GERMAN LUGONES, MARCELO PORTO ALLEN, Cosmologia física: do micro ao macro cosmos e vice-versa , Editora Livraria da Fisica, 2007 ISBN 8-588-32567-5
  2. Ronaldo E. De Souza, Introdução à Cosmologia, EdUSP, 2004 ISBN 8-531-40843-1
  3. Ilya Prigogine, ROBERTO LEAL FERREIRA, O fim das certezas, UNESP, 1996 ISBN 8-571-39131-9
  4. Romildo Póvoa Faria, Fundamentos de Astronomia , Papirus Editora, 1987 ISBN 8-530-80491-0
  5. Paul Strathern, Hawking e os Buracos Negros em 90 Minutos, Zahar, 1998 ISBN 8-571-10467-0
  6. Fred Heeren, Mostre-me Deus , Clio Editora, 2009 ISBN 8-578-31009-8
  7. PAUL DAVIES, QUINTO MILAGRE, O: EM BUSCA DA ORIGEM DA VIDA, Companhia Das Letras, 2000 ISBN 8-571-64993-6
  8. KITTY FERGUSON. Stephen Hawking Aventuras de uma vida. Leya, 2012. ISBN 9-722-05002-8.
  1. Norriss S. Hetherington, Cosmology: Historical, Literary,Philosophical, Religous and Scientific Perspectives , CRC Press, 1993 ISBN 0-815-30934-1 (em inglês)
  2. Norriss S. Hetherington, Encyclopedia of Cosmology: Historical, Philosophical, and Scientific Foundations of Modern Cosmology , Routledge, 2014 ISBN 1-317-67766-8 (em inglês)
  3. B. Bertotti, Modern Cosmology in Retrospect , Cambridge University Press, 1990 ISBN 0-521-37213-5 (em inglês)

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Portal A Wikipédia possui o portal:



Ícone de esboço Este artigo sobre astronomia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.