Teorias conspiratórias sobre os ataques de 11 de setembro de 2001

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ambox grammar.svg
Esta página ou secção precisa de correção ortográfico-gramatical.
Pode conter incorreções textuais, podendo ainda necessitar de melhoria em termos de vocabulário ou coesão, para atingir um nível de qualidade superior conforme o livro de estilo da Wikipédia. Se tem conhecimentos linguísticos, sinta-se à vontade para ajudar.
Nuvola apps important.svg
A tradução deste artigo ou se(c)ção está abaixo da qualidade média aceitável.
É possível que tenha sido feita por um tradutor automático ou por alguém que não conhece bem o português ou a língua original do texto. Caso queira colaborar com a Wikipédia, tente encontrar a página original e melhore este artigo conforme o guia de tradução.
A fumaça sobe do local onde se erguia o WTC, em 11 de setembro de 2001.

As teorias conspiratórias sobre os ataques de 11 de setembro de 2001 questionam a versão amplamente aceita de que os atentados foram perpetrados apenas pela al-Qaeda,[1] sem qualquer conhecimento prévio detalhado por parte de qualquer órgão do governo dos Estados Unidos.[2] Os defensores dessas teorias conspiratórias alegam que existem contradições nas conclusões oficiais ou que provas foram esquecidas.[3] Em uma pesquisa global feita em 2008 com 16 063 pessoas de 17 países, em apenas nove deles a maioria das pessoas acreditam que a al-Qaeda está por trás dos ataques. 46% dos entrevistados acreditam que a al-Qaeda foi a responsável pelos ataques, 15% acreditam que o governo dos Estados Unidos foi o responsável, 7% acreditam que o governo de Israel foi o autor dos ataques e outros 7% acreditam em algum outro responsável, que não seja a al-Qaeda. A pesquisa constatou que os entrevistados do Oriente Médio estavam especialmente propensos a citar um responsável que não fosse a al-Qaeda.[4]

A teoria da conspiração mais importante é a de que o colapso estrutural das Torres Gêmeas e do World Trade Center 7 foi o resultado de uma demolição controlada, ao invés de uma falha estrutural devido ao impacto e ao incêndio posterior.[5] [6] Outra teoria de destaque é a de que o Pentágono foi atingido por um míssil lançado por um grupos ou pessoas de dentro do governo dos Estados Unidos,[7] ou que um avião comercial foi autorizado a fazê-lo através de um acobertamento eficaz pelas forças armadas americanas.[8] [9] Entre os possíveis motivos alegados pelos teóricos da conspiração para tal ações estão justificar as invasões do Afeganistão e do Iraque, bem como interesses geoestratégicos no Oriente Médio, tais como planos de dutos lançados no início de 1990 pela Unocal e por outras empresas petrolíferas.[10] Outras teorias conspiratórias citam autoridades que tinham conhecimento prévio dos ataques e o ignoraram deliberadamente ou ajudaram os terroristas.[3] [11]

O Instituto Nacional de Padrões e Tecnologia (NIST) e a revista de tecnologia Popular Mechanics investigaram e rejeitaram as alegações das teorias conspiratórias sobre o 11 de setembro.[12] [13] A comunidade de engenharia civil reconhece que os impactos dos aviões a jato em alta velocidade combinado com os incêndios que se seguiram, e não uma demolição controlada, levaram ao colapso das Torres Gêmeas.[14] Esta também foi a conclusão da Comissão do 11 de Setembro, presidido pelo governador Thomas Kean.

Histórico e recepção[editar | editar código-fonte]

Desde os ataques de 11 de Setembro de 2001, vários websites, livros e filmes têm desafiado o relato oficial dos acontecimentos. Embora a mídia tradicional afirme que a al-Qaeda conspirou para efetuar os ataques ao World Trade Center e ao Pentágono, as teorias conspiratórias sobre o 11/9 asseguram que os relatos oficiais são imprecisos ou incompletos. Muitos grupos e indivíduos que desafiam o relato oficial (frequentemente citado como "OCT", ou Official Conspiracy Theory, "Teoria da Conspiração Oficial", termo cunhado pelo Dr. David Ray Griffin) identificam-se como parte do 9/11 Truth Movement.[15]

Inicialmente, as teorias conspiratórias sobre o 11/9 despertaram pouca atenção na mídia. Em um discurso nas Nações Unidas em 10 de novembro de 2001, o presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, denunciou o surgimento de "ultrajantes teorias conspiratórias ... que tentam tirar a culpa dos terroristas, afastá-los dos culpados."[16] Posteriormente, a medida em que aumentou a exposição na mídia das teorias conspiratórias sobre os eventos de 11/9, as agências governamentais estadunidenses e a administração Bush emitiram respostas para as teorias, incluindo uma análise formal pelo National Institute of Standards and Technology (NIST) das questões sobre o desabamento do World Trade Center,[17] uma página do Departamento de Estado revisada em 2006 para ridicularizar as teorias,[18] e um documento estratégico que se referia ao presidente Bush num discurso em agosto de 2006, o qual declara que o terrorismo emerge de "subculturas de conspiração e desinformação" e que "terroristas recrutam com maior eficácia em populações cujas informações sobre o mundo são contaminadas por falsidades e corrompidas por teorias conspiratórias. As distorções mantém vivos os agravos e filtram os fa(c)tos que desafiariam preconceitos populares e propaganda interesseira."[19]

Várias pesquisas de opinião sobre o 11/9 foram efetuadas para tentar estabelecer grosso modo, quantas pessoas duvidavam do relato oficial, e quão prevalentes são as teorias conspiratórias. Pouco antes do quinto aniversário dos ataques, a grande imprensa produziu uma série de artigos sobre o crescimento das teorias conspiratórias sobre 11/9.[20] A Time Magazine declarou, "este não é um fenômeno periférico. É uma realidade política de primeiro nível."[21] A cobertura da grande imprensa geralmente apresenta tais teorias como um fenômeno cultural e é frequentemente crítica quanto ao seu conteúdo.

Algumas das teorias da conspiração sobre o 11 de Setembro não envolvem estratégias de representação típicas de muitas teorias de conspiração, que estabelecem uma clara dicotomia entre o bem e o mal, ou culpados e inocentes. Ao contrário, elas utilizam gradações de negligência e cumplicidade [10] . Matias Bröckers, um dos primeiros defensores de tais teorias, descarta a versão oficial dos ataques de 11 de setembro como sendo ela própria uma teoria da conspiração que visa "reduzir a complexidade, separar o que é confuso", e "explicar o inexplicável". [10]

Pouco antes do quinto aniversário dos ataques, agências de notícias tradicionais lançaram uma enxurrada de artigos sobre o crescimento de teorias da conspiração do 11/9, [22] com um artigo na Time afirmando que "Isso não é um fenômeno marginal. É uma realidade política mainstream. "[23] . Várias pesquisas têm incluído perguntas sobre crenças relacionadas aos ataques de 11 de setembro. Uma agosto 2007, uma pesquisa encomendada pelo Zogby e comissionada pela 911Truth.org [24] constatou que 63,6% dos americanos acreditam que os fundamentalistas árabes foram responsáveis pelo 11/9; 26,4% acreditam que "alguns elementos no governo dos EUA sabiam que os ataques estavam por vir, mas conscientemente, os deixaram prosseguir por várias razões políticas, militares e econômicas; "e 4,8% acreditam que" alguns elementos do governo dos EUA ativamente planejado ou assistido alguns aspectos dos ataques ". [25] Em 2008, foi encabeçada a " maior lista de teoria da conspiração ", compilado pelo The Daily Telegraph. Um estudo conduzido pela jornalista Elizabeth Woodworth para o Center for Research on Globalization conclui que o aumento da presença na mídia reflete uma abordagem profissional melhor dentro do 9/11 Truth movimento. [26]

Em 2010, o "Centro Internacional para Estudos do 11/9", conseguiu que divulgassem vídeos inéditos dos ataques e acontecimentos posteriores coletados pelo NIST. [27] [28] [29] De acordo com o diário alemão Frankfurter Allgemeine Zeitung, os vídeos que foram publicados pouco antes do nono aniversário dos ataques de fornecer "novos insumos para os teóricos da conspiração". Muitos dos vídeos mostram imagens do World Trade Center 7, um arranha-céu nas proximidades das torres do WTC, que também desabou em 11 de setembro de 2001. Testemunhas relataram repetidamente explosões que acontecem antes do colapso de ambas as torres.

Tipos de Teorias[editar | editar código-fonte]

As teorias conspiratórias mais proeminentes pode ser dividido em duas formas principais:

- "Deixou acontecer de propósito" - sugere que os indivíduos-chave dentro do governo teve pelo menos algum conhecimento prévio dos ataques e deliberadamente ignorou ou ativamente enfraqueceu as defesas dos EUA para garantir os vôos seqüestrados não fossem interceptados [30] [11] .

- "Fez isso acontecer de propósito" - que pessoas-chave dentro do governo planejaram os ataques e colaboraram com a al-Qaeda em realizá-las. Há uma gama de opiniões sobre como isso poderia ter sido alcançado. [3] [30] [11]

Teorias[editar | editar código-fonte]

Suspeita de negociações com informação privilegiada[editar | editar código-fonte]

Pouco antes do 11/9 havia uma quantidade "extraordinária" de opções de venda colocados no mercado de ações da United Airlines e American Airlines. As autoridades acreditavam, e alguns teóricos da conspiração continuam a manter, que traders com informação privilegiada ( insider trading ) podem ter sabido com antecedência dos acontecimentos de 11/9, colocando suas apostas em conformidade. Uma análise sobre a possibilidade de negociações com informação privilegiada em 11/9 conclui que:

Uma medida anormal de volume de vendas também foi examinado e visto estar em níveis anormalmente elevados nos dias que antecederam os ataques. Consequentemente, o trabalho conclui que há evidência de atividade incomum do mercado de opções nos dias que antecederam a 11 de setembro, que é consistente com os investidores negociando com conhecimento prévio dos ataques. [31] Allen M. Poteshman, The Journal of Business

Nos dias que antecederam a 11/9, duas companhias aéreas viram um aumento em sua taxas de posições de venda de suas ações. Estas duas companhias foram United Airlines e American Airlines, as duas companhias aéreas cujos aviões foram sequestrados no 11/9. Entre 06 de setembro e 7, a Chicago Board Options Exchange viu compras de 4.744 contratos de opção de "put" na UAL contra 396 opções de compra. No dia 10 de setembro, mais negociação em Chicago viu a compra de 4.516 opções de venda na American Airlines, a outra companhia aérea envolvida nos sequestros. Isso se compara com apenas 748 opções de compra na América comprados naquele dia. Nenhuma outra companhia aérea viu anomalias em seu suas ações nos dias que antecederam os ataques. [32] American Airlines no entanto, tinha acabado de lançar um importante alerta sobre possíveis perdas. [33]

Companhias de seguros observaram atividades anômalos também. O Citigroup Inc., que estimou que a sua unidade de seguros Travelers pode pagar US$500 milhões em créditos do ataque ao World Trade Center, tinha cerca de 45 vezes o volume normal durante três dias de negociação antes do ataque para opções que lucrariam caso as ações caissem abaixo de US$40. As ações do Citigroup caíram 1,25 dólares no final das negociações para 38,09 dólares. A Morgan Stanley, que ocupava 22 andares do World Trade Center, tiveram uma atividade maior do que o normal nas negociações de opções pré-ataque que lucraram com a queda de preços de ações.

Raytheon, uma empresa de defesa, tinha um número anormalmente elevado de chamadas opções de negociação em 10 de setembro. A opção da Raytheon, que faria dinheiro se as ações fossem para mais de US$25 cada, tinha 232 opções de contratos negociados no dia antes dos ataques, quase seis vezes o número total de negócios que ocorreu antes daquele dia.

Teoria da Força Aérea parada[editar | editar código-fonte]

Uma afirmação comum entre os teóricos da conspiração é que o Comando de Defesa Aeroespacial Norte-americano (NORAD) emitiu uma posição para baixar, ou deliberadamente atrasar a saída dos pilotos para permitir que os aviões sequestrados pudessem atingir seus objetivos sem interferências. De acordo com esta teoria, NORAD tinha a capacidade de localizar e interceptar aviões no 11/9, e sua incapacidade de fazer isso indica uma conspiração do governo para permitir que os ataques ocorressem. [72] O site imperadores-clothes.com argumenta que o Forças Armadas dos EUA não conseguiram fazer o seu trabalho. StandDown.net 's Mark R. Elsis diz: "Há somente uma explicação para isso .... Nossa Força Aérea foi condenada a Stand Down em 11/9". [34] [35]

Em setembro de 2001, o NORAD generais disseram que souberam dos seqüestros em tempo para enviarem os caças. Mais tarde, o governo dos EUA divulgou fitas alegando mostrar que a Agência Federal de Aviação (FAA) não contou aos militares sobre os seqüestros até que três dos quatro aviões tivessem caído, fato que indicaria que o FAA mentiram repetidamente para outras agências do governo dos Estados Unidos. [36]

Phil Molé, da revista Skeptic, explicou que não é nem fácil nem rápido para localizar e interceptar um avião se comportando de forma irregular, e que os sequestradores desligaram ou desativado os transponders de radar de bordo. Sem estes sinais de transponder para identificar os aviões, os aviões desviados teriam sido apenas blips entre 4.500 outros blips em telas de radar do NORAD, tornando-os muito difícil de controlar.

De acordo com a Popular Mechanics, apenas 14 caças estavam em alerta nos 48 estados contíguos em 9/11. Não havia nenhum método automatizado para os controladores de tráfego aéreo civis alertarem a NORAD. Uma companhia aérea de passageiros não havia sido sequestrado em os EUA desde 1979. [37] "Eles tiveram que pegar o telefone e discar literalmente para nós", diz o Maj . Douglas Martin, diretor de assuntos públicos da NORAD. De acordo com a Popular Mechanics, apenas um avião civil foi interceptado na década anterior ao 11/9, que levou uma hora e 22 minutos.

Segundo o 'The Eleventh Day: The Full Story of 9/11 e Osama bin Laden', um livro sobre os ataques publicados em 2011, o aviso mais longo NORAD recebeu dos seqüestros foi cerca de oito minutos para o American Airlines Flight 11, o primeiro vôo sequestrado. A FAA alertou NORAD para o vôo 175 seqüestrados em praticamente o mesmo tempo que foi bater em torre sul do World Trade Center. A FAA notificou a NORAD dos desaparecidos - e não seqüestrado - Vôo 77 três minutos antes que atingiu o Pentágono. NORAD recebeu nenhum aviso do sequestro do vôo 93 da United até três minutos depois que tinha caiu na Pensilvânia. [38]


Referências

  1. Norman, Joshua. "9/11 conspiracy theories won't stop". CBS News. 11 de setembro de 2011
  2. Arnaud de Borchgrave. "Cynical scenarios still soar", The Washington Times, 11 de setembro de 2009.
  3. a b c Sales, Nancy Jo. Click Here For Conspiracy, Vanity Fair 9 de julho de 2006
  4. Allen, JoAnne. "No consensus on who was behind September 11", Reuters, 10 de setembro de 2008. Página visitada em 23 de fevereiro de 2011.
  5. Summers, Anthony; Swan, Robbyn. The Eleventh Day: The Full Story of 9/11 and Osama bin Laden. New York: Ballantine, 2011. p. 104. ISBN 978-1-4000-6659-9
  6. Staff Editors. (3 de fevereiro de 2005). "Debunking the 9/11 Myths: Special Report – The World Trade Center". Popular Mechanics. Hearst Communication.
  7. Summers, Anthony; Swan, Robbyn. The Eleventh Day: The Full Story of 9/11 and Osama bin Laden. New York: Ballantine, 2011. p. 109. ISBN 978-1-4000-6659-9
  8. Griffin, David Ray, PhD (4 de dezembro de 2005). Flights 11, 175, 77, and 93: The 9/11 Commission's Incredible Tales. 911Truth.org. Página visitada em 28 de outubro de 2009.
  9. The Military Drills on 9-11: "Bizarre Coincidence" or Something Else?. physics911.net. Página visitada em 28 de agosto de 2009.
  10. a b c (2008) "Outrageous Conspiracy Theories: Popular and Official Responses to 9/11 in Germany and the United States". New German Critique 35: 165–93. DOI:10.1215/0094033X-2007-024.
  11. a b c "The evolution of a conspiracy theory", BBC News, 4 de julho de 2008. Página visitada em 27 de julho de 2008.
  12. NIST NCSTAR 1: Federal Building and Fire Safety Investigation of the World Trade Center Disaster. NIST (September 2005). Arquivado do original em 29 de maio de 2009. Página visitada em 7 de julho de 2009.
  13. Final Report on the Collapse of World Trade Center Building 7 (PDF) pp. 22–4. NIST (August 2008). Arquivado do original em 28 de setembro de 2008. Página visitada em 29 de setembro de 2008.
  14. Bazant, Zdenek P. and Mathieu Verdure. "Mechanics of Progressive Collapse: Learning from World Trade Center and Building Demolitions" in Journal of Engineering Mechanics ASCE, Volume 133, Issue 3, pp. 308–319 (March 2007).
  15. Griffin, David Ray. Debunking 9/11 Debunking: An Answer to Popular Mechanics and Other Defenders of the Official Conspiracy Theory. [S.l.]: Olive Branch Press. ISBN 156656686X
  16. Bush, George Walker (10 de novembro de 2001). Remarks by the President To United Nations General Assembly. White House.
  17. National Institute of Standards and Technology (NIST) Federal Building and Fire Safety Investigation of the World Trade Center Disaster: Answers to Frequently Asked Questions. NIST.
  18. The Top September 11 Conspiracy Theories. Bureau of International Information Programs, Departamento de Estado dos Estados Unidos (28 de agosto de 2006).
  19. Strategy for Winning the War on Terror. White House (Setembro de 2006).
  20. Wolf, Jim. "U.S rebuts 9/11 homegrown conspiracy theories", Reuters, 2 de setembro de 2006.
  21. Grossman, Lev. "Why The 9/11 Conspiracies Won't Go Away", Time Magazine, 3 de setembro de 2006.
  22. Wolf, Jim. "U.S rebuts 9/11 homegrown conspiracy theories", Reuters, September 2, 2006.
  23. Wolf, Jim. "U.S rebuts 9/11 homegrown conspiracy theories", Reuters, September 2, 2006.
  24. Zogby International. Zogby.com. Página visitada em July 20, 2009.[ligação inativa]
  25. X-911T.spo (PDF). Página visitada em July 20, 2009.
  26. Hunt, H. E.. "The 30 greatest conspiracy theories The Telegraph November 19, 2008", The Daily Telegraph, November 19, 2008. Página visitada em July 20, 2009.
  27. Erro de citação: Tag <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs chamadas Bild_Videos
  28. Erro de citação: Tag <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs chamadas FAZ_Videos
  29. Wysling, Andres. "9/11 in Nahaufnahme −9/11 up close", September 7, 2010. Página visitada em September 18, 2010.
  30. Erro de citação: Tag <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs chamadas The_Eleventh_Day_pp92
  31. Poteshman, Allen M.. (2006). "Unusual Option Market Activity and the Terrorist Attacks of September 11, 2001". The Journal of Business 79 (4). DOI:10.1086/503645.
  32. Blackhurst, Chris. "Mystery of terror 'insider dealers'", The Independent, October 14, 2001.
  33. Mol, Phil. eSkeptic " Monday, September 11, 2006. Skeptic. Arquivado do original em 6 June 2009. Página visitada em July 20, 2009.
  34. Editors, The. Debunking the 9/11 Myths: Special Report. Popular Mechanics. Página visitada em July 20, 2009.
  35. David Aaronovitch. "9/11 conspiracy theories: The truth is out there...just not on the internet", The Times, April 29, 2009. Página visitada em September 6, 2009.
  36. Powell, Michael. "9/11 conspiracy theorists multiply", September 8, 2006. Página visitada em September 21, 2009.
  37. "9/11: The Conspiracy Files". BBC News. February 18, 2007.
  38. Summers, Anthony; Swan, Robbyn. The Eleventh Day: The Full Story of 9/11 and Osama bin Laden. New York: Ballantine, 2011. 123- p. ISBN 978-1-4000-6659-9

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Notícias[editar | editar código-fonte]

Críticas[editar | editar código-fonte]

Defesa[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre os ataques de 11 de setembro de 2001 é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.