Terapia de reorientação sexual

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Entre o homossexualismo restrito (topo e esquerda), heterossexualismo restrito (topo direita) e assexualismo (canto inferior) existe uma grande diversidade no nível de atração sexual.

Terapia de reorientação sexual (chamada ainda terapia de conversão, terapia reparativa ou cura gay) compreende um conjunto de métodos que visam eliminar a orientação sexual homossexual de um indivíduo.[1] Essas terapias podem incluir técnicas comportamentais, cognitivo-comportamentais e psicanalíticas, além de abordagens médicas, religiosas e espirituais.[2] Estes tipos de procedimentos têm sido fonte de intensa controvérsia nos Estados Unidos, no Brasil e em outros países.[3]

Características[editar | editar código-fonte]

Entre os resultados negativos relatados sobre esse tipo de terapia estão transtornos de ansiedade (20%), ideação suicida (10%), depressão (40%), impotência (10%) e transtorno do relacionamento sexual (10%).[4]

A Associação Americana de Psiquiatria afirma que debates políticos e morais sobre a integração dos homossexuais na sociedade norte-americana têm obscurecido os dados científicos sobre mudanças de orientação sexual "por pôr no tema os motivos e até mesmo o caráter dos indivíduos em ambos os lados da questão."[5] Os principais defensores contemporâneos desse tipo de terapia tendem a ser grupos cristãos conservadores e outras organizações religiosas.[6] A principal organização que defende formas seculares de terapia de conversão é a Associação Nacional de Pesquisa e Terapia da Homossexualidade (NARTH - sigla em inglês); no entanto, a entidade frequentemente faz parcerias com grupos religiosos.[6]

As principais organizações médicas e científicas norte-americanas têm expressado preocupação com a terapia de conversão e consideram-na potencialmente prejudicial.[1] [5] [7] A Associação Americana de Psicologia define esse procedimento como uma terapia que tem como objetivo mudar a orientação sexual de uma pessoa.[8] A Associação Americana de Psiquiatria afirma que esse procedimento é um tipo de tratamento psiquiátrico "baseado na suposição de que a homossexualidade per se é um transtorno mental ou com base na suposição a priori de que um paciente deve mudar a sua orientação sexual homossexual."[5]

O consenso de longa data das ciências comportamentais e sociais e dos profissionais de saúde mental e geral é de que a homossexualidade, per se, é uma variação normal e positiva da orientação sexual humana.[1] Pesquisas já realizadas têm falhado consistentemente em fornecer qualquer base empírica ou científica para considerar a homossexualidade como uma doença ou anormalidade.[9] [10] Existem pessoas que passam por terapias de reorientação sexual e tendem a ter visões religiosas fortemente conservadoras que as levam a procurar uma forma de mudar a sua orientação sexual.[2] Não há estudos de suficiente rigor científico para concluir que os recentes esforços de mudança de orientação sexual têm sido eficazes. Embora dados de confiança sobre a segurança dessas terapias sejam extremamente limitados, algumas pessoas relataram terem sido prejudicadas por esse tipo de técnica. Angústia e depressão foram exacerbadas. A crença na esperança de mudar a orientação sexual seguida pela falha do tratamento em alcançar tal objetivo, foi identificada como uma importante causa de sofrimento e de uma autoimagem negativa.[1]

As terapias de reorientação sexual têm gerado controvérsia devido às tensões entre os valores mantidos por algumas organizações religiosas, de um lado, e aqueles mantidos por organizações profissionais, científicas e de direitos LGBT, de outro. Alguns indivíduos e grupos têm promovido a ideia de que a homossexualidade é um sintoma de defeitos ou falhas no desenvolvimento espiritual e moral e têm argumentado que tais terapias, incluindo esforços psicoterapêuticos e religiosos, poderiam alterar os sentimentos e comportamentos homossexuais.[1] Tais técnicas têm um grave potencial de prejudicar as pessoas que as buscam porque apresentam a visão de que a orientação sexual de jovens LGBT é uma doença mental ou um distúrbio e porque muitas vezes enquadram a incapacidade de mudança da orientação sexual dessas pessoas como um fracasso pessoal e moral.[11] Muitos desses indivíduos e grupos parecem ser incorporados dentro do contexto mais amplo de movimentos políticos religiosos conservadores que apoiam a estigmatização da homossexualidade no âmbito político ou religioso.[1] O co-fundador e outros ex-líderes da organização de ex-gays Exodus Internacional emitiram um pedido de desculpas público e formal por seu trabalho como líderes ex-gays e os danos que causaram aos que tentaram ajudar.[12]

História[editar | editar código-fonte]

Tentativas médicas de alterar a homossexualidade já incluíram tratamentos cirúrgicos como a histerectomia,[13] ovariectomia,[14] clitoridectomia,[13] castração,[15] [16] vasectomia,[17] cirurgia do nervo pudico[18] e a lobotomia.[19] Métodos baseados em substâncias incluíram o tratamento hormonal,[20] [21] tratamento de choque farmacológico[22] e tratamento com estimulantes sexuais e antidepressivos sexuais.[13] Outros métodos incluíram a terapia de aversão,[23] [24] [25] a redução da aversão a heterossexualidade,[24] tratamento de eletrochoque,[26] [27] grupo de terapia,[28] [29] [30] [31] hipnose[32] [33] e psicanálise.[34] [35] [36]

Durante o período entre-guerras, o governo da Alemanha nazista tentou 'tratar' homossexuais através de métodos como tratamentos hormonais e relações sexuais forçadas com prostitutas. Para a ideologia nazista, os homossexuais deveriam ser "recuperados" para poderem voltar à prática reprodutiva. No entanto, diante da ineficácia das tentativas de cura, todos os homossexuais envolvidos nas terapias foram castrados para impedi-los de sentir qualquer tipo de prazer sexual.[37]

Atualmente[editar | editar código-fonte]

Em verde os locais que possuem leis defendendo a diversidade sexual e em roxo os que possuem leis contra homossexualidade.

Nas duas últimas décadas do século XIX, uma visão diferente começou a predominar nos círculos médicos e psiquiátricos, julgando esse comportamento (homossexual) como um indicativo de um tipo de pessoa com uma orientação sexual definida e relativamente estável. No final do século XIX e XX, os modelos patológicos da homossexualidade ainda eram padrão.

No dia 17 de maio de 1990, a Assembleia-geral da Organização Mundial de Saúde (sigla OMS) retirou a homossexualidade da sua lista de doenças mentais, a Classificação Internacional de Doenças (sigla CID).[38] O governo do Reino Unido seguiu o exemplo em 1994, seguido pelo Ministério da Saúde da Rússia e pelo Conselho Federal de Psicologia do Brasil em 1999,[39] além Sociedade Chinesa de Psiquiatria em 2001.[40] Os conselho da Associação Americana de Psiquiatria (AAP) já havia votado, por unanimidade, a retirada da homossexualidade como um distúrbio da seção de desvios sexuais do Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais, o DSM-II, em 1973.[41] Esta decisão foi confirmada oficialmente por 58% dos membros da AAP em 1974, que votaram para substituir o diagnóstico para uma categoria mais suave de "distúrbio de orientação sexual", que foi então substituído no DSM-III para "homossexualidade ego-distônica", que, em 1986, foi excluída do DSM-III-R. A AAP agora classifica a angústia persistente e acentuada de um indivíduo sobre a sua orientação sexual na classificação Desordem Sexual Sem Outra Especificação.[42]

A maior parte das organizações profissionais de saúde mental sancionaram esforços de mudanças de orientação sexual e praticamente todos eles adotaram declarações de política da profissão e alertas ao público sobre os tratamentos que se propõem a mudar a sexualidade de uma pessoa. Estas incluem a Associação Americana de Psiquiatria, Associação Americana de Psicologia, American Counseling Association, Associação Nacional dos Trabalhadores Sociais,[43] Royal College of Psychiatrists[44] e a Sociedade Australiana de Psicologia.[45]

Posição da comunidade científica[editar | editar código-fonte]

As terapias de mudança de orientação sexual são bastante discutidas, pois não há provas científicas que a orientação sexual de uma pessoa possa ser alterada através de terapias,[46] sendo a sexualidade humana definida, provavelmente, por fatores biológicos.[10] Existem alguns grupos, a maioria de fundamentação cristã conservadora,[6] que afirmam que a orientação sexual de uma pessoa é influenciada pelo tipo de educação comportamental que foi realizada na infância e poderia ser alterada mais tarde. Estudos da psicologia, no entanto, afirmam que a orientação sexual não é algo controlável.

Apesar de quase um século de especulação psicanalítica e psicológica, não há nenhuma evidência substantiva para apoiar a sugestão de que a natureza da criação dos filhos ou que as primeiras experiências da infância desempenham qualquer papel na formação da orientação fundamental de uma pessoa heterossexual ou homossexual. Parece que a orientação sexual é de natureza biológica, determinada por uma complexa interação de fatores genéticos e do ambiente uterino precoce. A orientação sexual não é, portanto, uma escolha.

Royal College of Psychiatrists (2007)[10]

Atualmente, não há consenso científico sobre os fatores específicos que levam um indivíduo a tornar-se heterossexual, homossexual ou bissexual, incluindo possíveis efeitos biológicos, psicológicos ou sociais da orientação sexual dos pais. No entanto, as evidências disponíveis indicam que a grande maioria das lésbicas e adultos homossexuais foram criados por pais heterossexuais e que a grande maioria das crianças criadas por pais gays e lésbicas crescem como heterossexuais.

Associação Americana de Psiquiatria (AAP), a Associação Americana de Psicologia e a Associação Nacional dos Trabalhadores Sociais (2006)[47]

Atualmente, há um grande número de evidências que afirmam que ser homossexual ou bissexual é compatível com uma saúde mental e um ajustamento social completamente normais e saudáveis.[10] Por isso, as principais organizações de saúde mental profissionais não incentivam as pessoas a tentar mudar a sua orientação sexual de homossexual para heterossexual. De fato, essas intervenções são eticamente suspeitas, porque elas podem ser prejudiciais para o bem-estar psicológico daqueles que passam por elas; observações clínicas e relatos pessoais indicam que muitas pessoas que tentam mudar a sua orientação sexual experimentam um considerável sofrimento psicológico. Por estas razões, nenhuma organização profissional de saúde mental apóia esforços para mudar a orientação sexual e praticamente todas elas adotaram declarações de política da profissão e alertas ao público sobre os tratamentos que se propõem a mudar a orientação sexual.[43] [44] [45] O Royal College of Psychiatrists expressou, ao lado da Associação Americana de Psiquiatria e da Associação Americana de Psicologia, que as posições defendidas por organizações como a National Association for Research & Therapy of Homosexuality (NARTH), dos Estados Unidos, não são apoiadas pela ciência e criam um ambiente no qual o preconceito e a discriminação podem florescer.[44] [48]

A Associação Americana de Psiquiatria condena este tipo de terapia e afirma que "profissionais éticos evitam tentativas de mudar a orientação sexual dos indivíduos."[49] O psicólogo Douglas Haldeman escreveu que esse tipo de procedimento se dá por meio de técnicas que incluem tratamentos aversivos, como "a aplicação de choques elétricos nas mãos e/ou genitais" e "medicamentos indutores de náuseas ... administrados simultaneamente com a apresentação de estímulos homoeróticos," recondicionamento masturbatório, visualização, treinamento de habilidades sociais, terapia psicanalítica e intervenções espirituais, tais como "oração e grupo de apoio e pressão".[50] A Associação Americana de Psicologia "incentiva os profissionais de saúde mental para evitar desvirtuar a eficácia dos esforços de mudança de orientação sexual promovendo ou prometendo mudar a orientação sexual ao prestarem assistência aos indivíduos angustiados por conta própria ou por outras pessoas quanto a sua orientação sexual e conclui que os benefícios relatados pelos participantes nos esforços de mudança de orientação sexual podem ser obtidos através de abordagens que não tentam mudar a orientação sexual".[51]

No Brasil, o Conselho Federal de Psicologia (CFP) proibiu esse tipo de terapia em 22 de março de 1999, declarando em sua Resolução N° 001/99 que:

Art. 2º - Os psicólogos deverão contribuir, com seu conhecimento, para uma reflexão sobre o preconceito e o desaparecimento de discriminações e estigmatizações contra aqueles que apresentam comportamentos ou práticas homoeróticas;

Art. 3º - os psicólogos não exercerão qualquer ação que favoreça a patologização de comportamentos ou práticas homoeróticas, nem adotarão ação coercitiva tendente a orientar homossexuais para tratamentos não solicitados;

Parágrafo único - Os psicólogos não colaborarão com eventos e serviços que proponham tratamento e cura das homossexualidades;

[39]

Opiniões contrárias[editar | editar código-fonte]

Em 2001, Robert Spitzer apresentou um trabalho controverso na reunião anual de 2001 da Associação Americana de Psiquiatria (AAP), em que argumentava ser possível que alguns indivíduos altamente motivados conseguissem mudar a sua orientação sexual de homossexual para heterossexual. Um artigo de 2001 do Washington Post indicou que Spitzer tinha 45 minutos de entrevistas telefônicas com 200 pessoas que afirmavam que as suas respectivas orientações sexuais mudaram de homossexual para heterossexual. Spitzer afirmou que a sua pesquisa "mostrou que algumas pessoas podem mudar de homossexual para heterossexual e nós devemos reconhecer isso."[52] Considerando o quão difícil foi encontrar os 100 participantes, e que esses eram considerados os melhores casos de terapia de conversão, Spitzer concluiu que embora a mudança pudesse ocorrer, ela é provavelmente muito rara.[53]

A AAP emitiu um comunicado oficial desmentindo a pesquisa de Spitzer, salientando que o trabalho não havia sido revisado e afirmando que "não há nenhuma evidência científica publicada em apoio a eficácia da terapia reparativa como um tratamento para mudar de orientação sexual."[54] A pesquisa de Spitzer foi criticada por seus métodos de amostragem e os critérios usados para definir o sucesso da terapia.[55]

Em 2012, no entanto, Spitzer se desculpou publicamente pela conclusão de sua pesquisa e afirmou: "Eu acredito que devo desculpas à comunidade gay por meu estudo trazer alegações não comprovadas da eficácia da terapia reparadora."[56]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c d e f Associação Americana de Psicologia: Resolution on Appropriate Affirmative Responses to Sexual Orientation Distress and Change Efforts (em inglês)
  2. a b Appropriate Therapeutic Responses to Sexual Orientation (em inglês)
  3. Drescher 2006, pp. 126, 175
  4. http://www.apa.org/pi/lgbt/resources/therapeutic-response.pdf
  5. a b c (PDF) Position Statement on Therapies Focused on Attempts to Change Sexual Orientation (Reparative or Conversion Therapies), Associação Americana de Psiquiatria, May 2000, http://www.psych.org/Departments/EDU/Library/APAOfficialDocumentsandRelated/PositionStatements/200001a.aspx, visitado em 2007-08-28 
  6. a b c Yoshino 2002
  7. Glassgold, JM; et al. (1 de agosto de 2009) (PDF), Report of the American Psychological Association Task Force on Appropriate Therapeutic Responses to Sexual Orientation, Associação Americana de Psicologia, http://www.apa.org/pi/lgbt/resources/therapeutic-response.pdf, visitado em 24 de setembro de 2009 
  8. (PDF) Answers to Your Questions: For a Better Understanding of Sexual Orientation and Homosexuality, Associação Americana de Psicologia, Fevereiro 2008, http://www.apa.org/topics/sexuality/orientation.aspx, visitado em 14 de fevereiro de 2008 
  9. Resumo do Amici Curiae da Associação Americana de Psicologia; Associação de Psicologia do Maine; Associação Nacional dos Trabalhadores Sociais; Maine Chapter; Associação dos Médicos Psiquiatras do Maine; Child Welfare League of America; Maine Children’s Alliance; Associação Médica do Maine; Academia Americana de Pediatria, Maine Chapter; Evan B. Donaldson Adoption Institute; Kids First; e Community Counseling Center, Em Apoio aos Recorrentes (12 de outubro de 2006)
  10. a b c d Royal College of Psychiatrists: Submission to the Church of England’s Listening Exercise on Human Sexuality.
  11. American Psychological Association: Just the Facts about Sexual Orientation & Youth: A Primer for Principals, Educators, & School Personnel
  12. Beyond Ex-Gay: Statement of Apology from Former Exodus Leaders Darlene Bogle, Michael Bussee, and Jeremy Marks (27 de junho de 2007). Página visitada em 16 de janeiro de 2012.
  13. a b c Katz, Jonathan. Gay American history: lesbians and gay men in the U.S.A.: a documentary anthology. New York: Crowell, 1976. 129 pp. ISBN 0690005105
  14. Daniel, F.E.. (1893). "Castration of Sexual Perverts". Texas Medical Journal 9: 255–71 pp..
  15. Talbot, E.S.; Ellis, Havelock. (1896). "A Case of Developmental Degenerative Insanity, with Sexual Inversion, Melancholia, Following Removal of Testicles, Attempted Murder and Suicide". Journal of Mental Science 42: 341–44 pp..
  16. (1929) "Results of Castration in Sexual Abnormalities". Urologic & Cutaneous Review 33: 351 pp..
  17. Sharp, Harry Clay. (1908). "The Sterilization of Degenerates". National Christian League for Promotion of Purity.
  18. (1904) "The Gentleman Degenerate. A Homosexualist's Self-Description and Self-Applied Title. Pudic Nerve Section Fails Therapeutically". Alienist & Neurologist 25: 68–70 pp..
  19. Friedlander, Joseph; Banay, Ralph S.. (1948). "Psychosis Following Lobotomy in a Case of Sexual Psychopathology; Report of a Case". Archives of Neurology & Psychiatry 59: 303–11, 315, 321 pp..
  20. Rosenzweig, Saul; Hoskins, R.G.. (1941). "A Note on the Ineffectualness of Sex-Hormone Medication in a Case of Pronounced Homosexuality". Psychosomatic Medicine 3: 87–89 pp..
  21. LeVay 1996
  22. Owensby, Newdigate M.. (1940). "Homosexuality and Lesbianism Treated with Metrazol". Journal of Nervous & Mental Disease 92: 65–66 pp.. DOI:10.1097/00005053-194007000-00009.
  23. Cautela, Joseph R.. (1967). "Covert Sensitization". Psychology Report 20: 464–65 pp..
  24. a b Rutner, Ivan T.. (1970). "A Double-Barrel Approach to Modification of Homosexual Behavior". Psychology Report 26 (2): 256–58 pp.. PMID 5486305.
  25. McConaghy, Nathaniel; Armstrong, Michael S.; Blaszczynsky, Alex. (1981). "Controlled Comparison of Aversive Therapy and Covert Sensitization in Compulsive Homosexuality". Behavior Response & Therapy 19 (5): 425–34 pp.. DOI:10.1016/0005-7967(81)90132-7. PMID 7316919.
  26. Max, Louis William. (1935). "Breaking Up a Homosexual Fixation by the Condition Reaction Technique: A Case Study". Psychology Bulletin 32: 734 pp..
  27. Liebman, Samuel. (1967). "Homosexuality, Transvestism, and Psychosis: Study of a Case Treated with Electroshock". Journal of Nervous & Mental Disease 99: 945–57 pp..
  28. Duberman, Martin. Cures: A Gay Man's Odyssey. New York: Plume, 1992. 93–115, 118–24 pp. ISBN 0452267803
  29. Harms, Ernest. (1953). "Homo-Anonymous". Diseases and the Nervous System 14 (10): 318–19 pp.. PMID 13095274.
  30. Hadden, Samuel B.. (1957). "Attitudes Toward and Approaches to the Problem of Homosexuality". Pennsylvania Medical Journal 6 (9): 1195–98 pp.. PMID 13465269.
  31. Smith, Alexander B.; Bassin, Alexander. (1959). "Group Therapy with Homosexuals". Journal of Social Therapy 5: 227, 231–32 pp..
  32. Quackenbos, John Duncan. (1899). "Hypnotic Suggestion in the Treatment of Sexual Perversions and Moral Anaesthesia: A Personal Experience". Transactions of the New Hampshire Medical Society 108: 69, 72, 75, 78–80 pp..
  33. Miller, Michael M.. (1963). "Hypnotic-Aversion Treatment of Homosexuality". Journal of the National Medical Association 55 (5): 411–13, 415 pp.. PMID 14049556.
  34. Yoshino, Kenji. (2002-01). "Covering". Yale Law Journal 111 (4): 179 et seq. pp..
  35. Brill, A.A.. (1913). "The Conception of Homosexuality". JAMA 61: 335–40 pp..
  36. Stekel, Wilhelm. (1930). "Is Homosexuality Curable?". Psychoanalytic Review 17: 443, 447–48 pp..
  37. Folha de S. PauloNazistas tentavam 'curar' gays com prostitutas e tratamento hormonal (19 de junho de 2013). Página visitada em 20 de junho de 2013.
  38. Correio Braziliense. Há 20 anos, a OMS tirou a homossexualidade da relação de doenças mentais: Uma conquista celebrada por organizações sociais de todo o planeta. Página visitada em 7 de dezembro de 2010.
  39. a b Conselho Federal de Psicologia (22 de março de 1999). RESOLUÇÃO CFP N° 001/99. Página visitada em 16 de janeiro de 2012.
  40. "China More Tolerant Toward Gays", CBS News, 7 de março de 2001.
  41. "The Sexes: An Instant Cure", Time, 1 de abril de 1974.
  42. Facts About Homosexuality and Mental Health
  43. a b Expert affidavit of Gregory M. Herek, Ph.D.
  44. a b c Royal College of Psychiatrists: Statement from the Royal College of Psychiatrists’ Gay and Lesbian Mental Health Special Interest Group
  45. a b Australian Psychological Society: Sexual orientation and homosexuality
  46. EUA: Associação de Psicólogos repudia tentativas de mudar orientação sexual. Página visitada em 31 de maio de 2011.
  47. Case No. S147999 in the Supreme Court of the State of California, In re Marriage Cases Judicial Council Coordination Proceeding No. 4365(...)
  48. Statement of the American Psychological Association
  49. Jason Cianciotto and Sean Cahill (2006). Youth in the crosshairs: the third wave of ex-gay activism. New York: National Gay and Lesbian Task Force Policy Institute.
  50. Haldeman 2002, pp. 260–264
  51. American Psychological Association: Resolution on Appropriate Affirmative Responses to Sexual Orientation Distress and Change Efforts
  52. Washington PostStudy: Some Gays Can Go Straight (9 de maio de 2001). Página visitada em 19 de janeiro de 2012.
  53. In Dr. Robert Spitzer’s Own Words. Acessado em 19 de janeiro de 2012.
  54. Stanton L. Jones, Mark A. Yarhouse. Ex-gays?: a longitudinal study of religiously mediated change in sexual. Página visitada em 19 de janeiro de 2012.
  55. Analysis of Dr. Spitzer's study of reparative therapy
  56. O GloboPsiquiatra que dizia ter a ‘cura’ para homossexualidade se desculpa (22 de maio de 2012). Página visitada em 19 de junho de 2013.