Teredo navalis

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Como ler uma caixa taxonómicaBuzano
Teredo navalis em corte de madeira de uma embarcação francesa.

Teredo navalis em corte de madeira de uma embarcação francesa.
Classificação científica
Reino: Animalia
Divisão: Mollusca
Classe: Bivalvia
Ordem: Myoida
Família: Teredinidae
Género: Teredo
Espécie: T. navalis
Nome binomial
Teredo navalis
Linnaeus, 1758

O teredoportuguês brasileiro ou taredoportuguês europeu (Teredo navalis), popularmente conhecido como gusano, busano, turu ou cupim-do-mar,[1] é um molusco xilofágico, pertencente à família Teredinidae. Como os demais membos da família, ataca as madeiras submersas.

Descrição[editar | editar código-fonte]

O corpo do teredo é alongado e vermiforme, formando um tubo calcárico que se abre para o exterior através de um pequeno orifício difícil de identificar, o qual foi usado para a entrada inicial do animal na madeira. Durante a vida deste animal o orifício permanece aberto, permitindo a saída de água, excrementos e dos elementos reprodutores através de dois sifões, bem como a entrada de plâncton para alimentação. Esta abertura pode ser fechada por duas paletas calcárias, localizadas lateralmente aos sifões e accionadas por fortes músculos, impedindo a entrada de partículas ou de animais indesejáveis. Por meio de contrações do músculo adutor, o taredo faz com que os dentículos da região anterior da concha, raspem a madeira, retirando partículas que servem de alimento, sendo no entanto que o seu "gosto" pela madeira varia de acordo com o gênero a que pertencem.

A carne do teredo é comestível, e na Amazónia, principalmente na Ilha de Marajó, é consumida crua, cozida ou em sopas.[2] [3]

O teredo encontra-se em todos os mares, mas são mais frequentes nas águas temperadas e de baixa salinidade, pelo que o seu impacto na navegação europeia só aconteceu com os Descobrimentos e o aumento da navegação em águas tropicais. O minusculo taredo era uma ameaça real para a navegação da época, e existem vários relatos de navios totalmente perdidos devido ao enfraquecimento do casco pela acção do taredo.

Para limitar os danos do taredo forravam-se os cascos com chapas de chumbo, contudo o peso acrescido era de tal ordem, que foram feitas experiências com outros materias. Seria o cobre a ser eleito como material de eleição, que só seria substituído no secúlo XX com o aparecimento das tintas anti-vegetativas

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Você sabia que no mar há Cupins? Conquiliologistas do Brasil (2001-2013). Página visitada em 23 de junho de 2013.
  2. Nelson, Chada. Animais e Plantas: conhecidas e utilizadas pelas populações tradicionais da Amazónia (em Português). 1ª ed. Belém (PA): PUBLIT, Soluções editoriais, 2008. 264 pp. 1 vol. ISBN 8577732169
  3. Primavera (29 de novembro de 2011). Comida exótica da Amazônia – TURU Blog do Instituto Brasil Solidário. Página visitada em 24 de maio de 2013.