The Congos

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

The Congos é uma banda vocal de reggae da Jamaica formada em meados dos anos 1970 e, após um período de separação, está ativa até os dias atuais. A banda é mais conhecida pelo seu álbum Heart of the Congos, gravado com Lee "Scratch" Perry.

História[editar | editar código-fonte]

The Congos foi formado como um duo por "Ashanti" Roy Johnson (tenor) (n. Roydel Johnson, 1947, Hanover, Jamaica) e Cedric Myton (falsete) (n. 1947, Saint Catherine, na Jamaica), e mais tarde tornou-se um trio com a adição de Watty Burnett (barítono) (n. no início da década de 1950, Port Antonio, Jamaica).[1] [2] Myton tinha sido anteriormente um membro do The Tartans no final da década de 1960 (juntamente com Prince Lincoln Thompson, Devon Russell e Lindburgh Lewis) e do grupo de Ras Michael, e havia gravado com o Royal Rasses de Thompson em meados da década de 1970.[3] [4] Ele formou o Congos, inicialmente como um duo com Johnson, na gravação do single "At the Feast" de Lee "Scratch" Perry.[1] Perry transformou o grupo em um trio com a adição de Burnett, e essa formação gravou o clássico álbum de reggae de raízes Heart of the Congos, no estúdio Black Ark de Perry em 1977.[1] O álbum contou com backing vocals ilustres como Gregory Isaacs, The Meditations, e Barry Llewellyn e Morgan Conde do The Heptones.[4] O álbum foi descrito como "o álbum mais consistentemente brilhante de toda a carreira de Scratch".[5]

As produções anteriores de Perry por Max Romeo e Junior Murvin tinham tido grande sucesso comercial devido a um contrato com a Island Records, mas Perry estava em disputa com a Island no momento em que o álbum do Congos ficou pronto, assim ele foi lançado pelo próprio selo de Perry, o Black Ark, algo que limitou o seu sucesso do álbum internacionalmente, causando um racha com o grupo.[1] O The Congos seguiu seu próprio caminho, e eles mesmos organizaram uma edição limitada do álbum. O selo do Reino Unido Go Feet finalmente relançou o álbum em 1980, e embora o grupo já tivesse gravado um novo material desde que deixou Perry, Heart of the Congos demonstrou ser de um patamar difícil de ser igualado e os seus outros lançamentos sofreram com isso. Álbuns como o Congo Ashanti foram mais dispersos e soavam comuns em comparação com a sólida produção de Perry.

Burnett deixou o grupo, logo seguido por Johnson, que embarcou em uma carreira solo. Myton continuou a gravar como The Congos com vários outros músicos, até meados da década de 1980.

Em meados da década de 1990, o The Congos reuniu-se com Myton e Burnett que juntaram-se a Lindburgh Lewis, e vários álbuns foram gravados nos anos seguintes.[1] Em 2005 Myton gravou Give Them the Rights com uma série de cantores e músicos de estúdio renomados tais como Sly and Robbie e Earl "Chinna" Smith, um álbum com as mesmas raízes espirituais da década de 1970. Em 2006, o selo Blood and Fire do Reino Unido dedicado ao reggae lançou o álbum Fisherman Style com uma versão remixada da clássica faixa "Fisherman" do Heart of the Congos e com lendas como Horace Andy, Big Youth, Dillinger, Prince Jazzbo, Luciano, Freddie McGregor, Gregory Isaacs, Max Romeo, Mykal Rose, Dean Fraser, Sugar Minott e U-Roy fazendo suas próprias versões mais novas do original.[6] [7]

Em 2008, o The Congos apareceu no filme independente "Do Wah Dem", escrito e dirigido por Sam Fleischner e Chace Ben. "Do Wah Dem" mostra o The Congos tocando "Fisherman" e "Congoman Chant" sob a lua cheia na Praia de Hellshire próxima de Portmore. "Do Wah Dem" ganhou o Prêmio do Júri para Melhor Produção Narrativa em 2009 no Los Angeles Film Festival e teve lançamento para os cinemas em junho de 2010 e o lançamento em DVD em setembro de 2010.

Em 2009, Myton, Burnett e Johnson se reuniram com Perry para gravar o álbum Back in a Black Ark, que, apesar do título, foi gravado no estúdio de Myton em Portmore e no Mixing Lab, em Kingston.[8]

Em 2010, a banda participou da gravação da faixa intitulada "Let Jah Arise" da banda de reggae brasileira Monte Zion, além de criar duas composições em conjunto com a banda.[9] Também em 2010, o Congos participou do novo disco do Ponto de Equilíbrio, Dia Após Dia Lutando, na faixa "Novo Dia".

Discografia[editar | editar código-fonte]

  • Heart of the Congos (1977) Black Ark
  • Congo Ashanti (1979) Congo Ashanty/CBS
  • Image of Africa (1979) Congo Ashanty/Epic/CBS
  • Face The Music (1981) Go Feet
  • Best Of Congos vol. 1 (1983) Tafari
  • Natty Dread Rise Again (1997) RAS
  • Revival (1998) VP
  • Live at Maritime Hall: San Francisco (2000) 2B1
  • Lion Treasure (2001) JDC/M10
  • Give Them the Rights (2005) Young Tree
  • Fisherman Style (2006) Blood and Fire
  • Cock Mouth Kill Cock (2006) Explorer Music also issued as Feast (2006) Kingston Sounds
  • Swinging Bridge (2006) Mediacom/Nocturne
  • Back in the Black Ark (2009) Mediacom

Referências

  1. a b c d e Larkin, Colin. The Virgin Encyclopedia of Reggae. [S.l.]: Virgin Books, 1998. ISBN 0-7535-0242-9.
  2. Peter I (January 2003). Open the Gate and Let I Man Free - An interview with Watty Burnett reggae-vibes.com. Visitado em 8 January 2008.
  3. Katz, David. Solid Foundation - An Oral History of Reggae. [S.l.]: Bloomsbury, 2003. ISBN 0-7475-6847-2.
  4. a b Barrow, Steve; Dalton, Peter. Reggae: 100 Essential CDs - The Rough Guide. [S.l.]: Rough Guides, 1999. ISBN 1-85828-567-4.
  5. Barrow, Steve; Dalton, Peter. Reggae: The Rough Guide. [S.l.]: Rough Guides, 1997. ISBN 1-85828-247-0.
  6. Jacob Arnold (April 2006). The Congos: Fisherman Style review gridface.com. Visitado em 31 December 2007.
  7. Various Artists: Fisherman Style Roots Archives. Visitado em 31 December 2007.
  8. Katz, David (2010) "Culture Section", MOJO, March 2010, p. 15
  9. A banda carioca Monte Zion grava com o clássico grupo jamaicano The Congos! Confira no Surforeggae!

Ligações externas[editar | editar código-fonte]