The Damned United

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
The Damned United
Maldito United (PT)
Maldito Futebol Clube (BR)
 Reino Unido
2009 • Cor • 98 min 
Direção Tom Hooper
Produção Andy Harries
Coprodução Grainne Marmion
Lee Morris
Produção executiva Hugo Heppell
Christine Langan
Peter Morgan
Roteiro Peter Morgan
Elenco Michael Sheen
Timothy Spall
Jim Broadbent
Género Biográfico
Idioma Inglês
Música Robert Lane
Direção de arte Andrew Holden-Stokes
Leon McCarthy
Direção de fotografia Ben Smithard
Figurino Mike O'Neill
Edição Melanie Oliver
Distribuição Columbia Pictures
Página no IMDb (em inglês)

The Damned United (br: Maldito Futebol Clube / pt: Maldito United) é um filme britânico de 2009. Baseado no livro The Damned Utd, um best seller de David Peace no Reino Unido, foi dirigido por Tom Hooper com roteiro de Peter Morgan e protagonizado por Michael Sheen. Sheen e Morgan reeditaram parceria de outros filmes que retratam pessoas reais: Frost/Nixon e The Queen - nos quais Sheen interpretou David Frost e Tony Blair, respectivamente.

The Damned United retrata a breve e turbulenta passagem do célebre treinador inglês Brian Clough (personagem interpretado por Sheen) pelo Leeds United, carregada de brigas de ego e intrigas.[1] Desenrola-se em uma narrativa não-linear, repleta de flashbacks e de licenças poéticas - motivo maior para críticas negativas, especialmente da família de Clough.[2] [3] A atuação de Sheen, por outro lado, foi bastante elogiada como fiel aos trejeitos e personalidade do técnico [4] e o filme em si também foi bem recebido pelos críticos de cinema, sendo indicado como apreciável até por não-amantes do futebol.[1] [5]

Enredo[editar | editar código-fonte]

Gtk-paste.svg Aviso: Este artigo ou se(c)ção contém revelações sobre o enredo.

Até chegar ao Leeds, Clough, um ex-artilheiro, havia angariado respeito como técnico do minúsculo Derby County. Comandando carismaticamente os jogadores, muitos deles reforços medianos e baratos indicados com precisão por seu assistente Peter Taylor, Clough conduz o time das últimas posições da segunda divisão inglesa até o título na mesma e, anos depois, ao título na divisão de elite.

Durante os anos vitoriosos no Derby, todavia, Clough desenvolveu antipatia pelo jogo truculento do Leeds e pelo técnico deste, Don Revie, pessoa que admirava até sentir-se esnobado no primeiro encontro. A rixa torna-se recíproca: é disputando diretamente contra o Leeds que o Derby consegue ser campeão inglês em 1972. A obsessão de Clough contra o Leeds e Revie o faz utilizar os titulares do Derby em partida contra o rival, dias antes de seu clube enfrentar a Juventus nas semifinais da Copa dos Campeões da UEFA, em 1973. O adversário não poupa jogadas duras e inutiliza jogadores importantes do Derby para o importante confronto europeu, vencido pelos italianos.

A atitude de Clough e sua arrogância irritam o presidente do Derby. Confiante de sua popularidade junto à torcida, Clough pede demissão juntamente com a de Peter Taylor - sem o conhecimento deste -, acreditando que a diretoria do clube optará por ele contra o presidente. Porém, apesar do apelo dos torcedores e dos jogadores, a direção acata as demissões, contratando como técnico Dave Mackay, ex-jogador do Derby trazido ao clube pelos próprios Clough e Taylor, que acabam tendo de aceitar convite do Brighton & Hove Albion, da terceira divisão. Porém, em meio às férias pagas em Majorca - uma exigência para aceitar a oferta -, Clough aceita convite para treinar justamente o Leeds, rompendo o acordo com o Brighton (uma das licenças do filme - na realidade, ele comandou o Brighton por uma temporada) e estremecendo sua relação com Taylor, que decide respeitar o generoso contrato firmado com o pequeno clube.

Clough chega em 1974 ao Leeds justamente para substituir Revie, que saíra do clube encerrando uma vitoriosa trajetória para assumir a Seleção Inglesa, que demitira Alf Ramsey após a não-classificação para a Copa do Mundo de 1974. Clough não se furta de continuar a criticar duramente o estilo de jogo do Leeds mesmo após sua contratação, batendo de frente com os jogadores do time, bastante fiéis às ideias e fórmulas de Revie. É contra os ídolos, especialmente, que Clough desperta antipatia: Billy Bremner e Johnny Giles - a quem Revie havia indicado para sucedê-lo.

A temporada 1974/75 inicia-se e Clough não consegue sair da sombra de Revie. Para piorar, Bremner, capitão e um dos principais jogadores do Leeds, é suspenso após provocar confusão na FA Charity Shield, primeira partida oficial do Leeds sob Clough, perdida para o Liverpool. Sem se esforçar para cativar jogadores e torcedores do time, Clough não consegue bons resultados e, após uma reunião da diretoria com o elenco, acaba demitido após apenas 44 dias no cargo.

Reconhecendo que precisa do apoio de seu ex-assistente, Clough vai atrás de Taylor para pedir humildemente a retomada da parceria. O filme termina com imagens reais de ambos voltando ao sucesso, trabalhando no Nottingham Forest - pequeno clube da segunda divisão que, com eles, seria campeão inglês (à semelhança do que fizeram no Derby, curiosamente um arquirrival do Nottingham) e também duas vezes na Copa dos Campeões da UEFA; e com mensagens que lembram que Revie não conseguira sucesso na Seleção Inglesa, e que Clough, falecido em 2003, é justamente considerado o maior treinador inglês a não ter comandado a mesma.

Elenco[editar | editar código-fonte]

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]