The Death and Life of Great American Cities

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde novembro de 2011).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.

The Death and Life of Great American Cities (no Brasil traduzido como "Morte e Vida de Grandes Cidades"), escrito por Jane Jacobs, é um importante livro sobre planejamento urbano no século XX. Publicado pela primeira vez em 1961, o livro critica as políticas de planejamento modernistas, as quais, para a autora, destroem muitas comunidades de áreas centrais (inner cities) existentes.

Reservando suas críticas mais ácidas para o planejadores "racionalistas" (especificamente Robert Moses) das décadas de 1950 e 1960, Jacobs afirma na obra que o planejamento urbano modernista rejeita a cidade, porque rejeita os seres humanos que vivem em uma comunidade caracterizada pela complexidade em camadas e aparente caos. Os planejadores modernista usaram o raciocínio dedutivo para descobrir princípios pelos quais pudessem planejar as cidades. Dentre essas políticas, a mais violenta foi a renovação urbana; o mais prevalente foi e é a separação de usos (por exemplo, residencial, industrial, comercial). Essas políticas, segundo Jacobs, destroem comunidades e economias inovadoras através da criação isolada e antinatural de espaços urbanos.

A obra foi uma grande influência para o movimento Novo Urbanismo, que emergiu na década de 1980.

Ícone de esboço Este artigo sobre um livro é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.