The Elder Scrolls III: Tribunal

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Wikitext.svg
Este artigo ou seção precisa ser wikificado (desde agosto de 2010).
Por favor ajude a formatar este artigo de acordo com as diretrizes estabelecidas no livro de estilo.
The Elder Scrolls III: Tribunal
Produtora Bethesda Game Studios
Editora(s) Bethesda Game Studios
Designer Todd Howard (lider do projeto)
Ken Rolston (lider de designer)
Compositor(es) Jeremy Soule
Motor Gamebryo
Plataforma(s) PC, Xbox
Data(s) de lançamento 6 de novembro de 2002
Gênero(s) RPG
Modos de jogo Single-player
Número de jogadores 1
Média 2 CD-ROM (PC)
Requisitos mínimos Windows 98/ME/2000/XP

128 MB de memoria RAM em Windows 98/ME, 256 MB em Windows 2000/XP
CPU Intel Pentium III, Celeron, AMD Athlon a 500 MHz o superior
Placa de vídeo de 32 MB compativel com Direct3D e suporte para cor de 32 bits
Unidade CD/DVD-ROM 8x
1 GB de espaço livro no HD
DirectX 8.1 (incluido)

Controles teclado e mouse

The Elder Scrolls III: Tribunal é a primeira expansão para o terceiro jogo da saga de RPG The Elder Scrolls: Morrowind. Foi anunciado em 2 de setembro de 2002 e estava programado para ser lançado apenas para PC. Ele finalmente foi lançado com pouco entusiasmo dos fãs da série, em 06 de novembro de 2002.

Enredo[editar | editar código-fonte]

Tribunal coloca o jogador na cidade cercada de Mournhold, um enclave na capital da província de Morrowind Almalexia. Essa nova cidade não está ligada à massa de terra de Morrowind, Vvardenfell, e o jogador deve teleportar-se para ela. A história continua a trama das divindades do Tribunal.

Novidades[editar | editar código-fonte]

Interface Melhorada (especificamente, uma revisão das aventuras diárias de Morrowind) estão entre as principais novidades do lançamento do Tribunal. A nova ordem permite que o jogador realize individualmente tarefas diárias, reduzindo assim a confusão causada por ter que pesquisar cada missão no jornal em um fluxo único ordenado cronologicamente. Os analistas que testaram as mudanças do jogo o receberam bem, apesar de algumas críticas à execução incompleta do sistema, e outros disseram que o sistema continua a ser "um pouco difícil de utilizar".

A expansão também inclui uma nova cidade, Mournhold, que só é acessível por teletransporte. Além disso, o jogo apresenta novas armas, armaduras, itens, NPCs, animais de estimação, inimigos e a possibilidade de contratar mercenários para ajudar em batalha.

A principal motivação para produzir uma expansão do jogo original foi o lançamento bem sucedido de Morrowind e um sentimento geral de que os jogos da série The Elder Scrolls são experiências contínuas, que merecem novas coisas para manter seus jogadores cativados. O desenvolvimento começou imediatamente após o ingresso de Morrowind no mercado, dando aos desenvolvedores apenas cinco meses para desenvolver a expansão do jogo, uma série de evolução muito rápida como jamais vista na indústria. A existência prévia do TES Construction Set, no entanto, contribuiu para a rapidez do desenvolvimento pois a equipe "já tinha as ferramentas para adicionar conteúdos e funcionalidades muito rapidamente."

Recepção[editar | editar código-fonte]

A análise de Tribunal foi positiva, embora em menor grau do que no caso de Morrowind. Scoring sites Metacritic e Game Rankings deram avaliações favoráveis para a expansão: Metacritic, uma pontuação de 80/100, Game Rankings, uma pontuação de 82/100.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]