The Godfather: Part III

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Este artigo não cita fontes confiáveis e independentes. (desde julho de 2010). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
The Godfather: Part III
O Padrinho: Parte III (PT)
O Poderoso Chefão: Parte III (BR)
Pôster de divulgação
 Estados Unidos
1990 • cor • 162 min 
Direção Francis Ford Coppola
Produção Francis Ford Coppola
Roteiro Francis Ford Coppola
Mario Puzo
Baseado em Mario Puzo
Elenco Al Pacino
Diane Keaton
Talia Shire
Andy Garcia
Sofia Coppola
Eli Wallach
George Hamilton
Joe Mantegna
Género Drama
Crime
Idioma Inglês
Alemão
Italiano
Música Carmine Coppola
Nino Rota (tema)
Cinematografia Gordon Willis
Edição Barry Malkin
Lisa Fruchman
Walter Murch
Estúdio American Zoetrope
Distribuição Paramount Pictures
Lançamento Estados Unidos 20 de dezembro de 1990
Brasil 25 de março de 1991
Orçamento US$ 54.000.000
Receita US$ 136.766.062
Cronologia
Último
Último
The Godfather: Part II
Próximo
Próximo
Página no IMDb (em inglês)

The Godfather: Part III (O Poderoso Chefão: Parte III (título no Brasil) ou O Padrinho: Parte III (título em Portugal)) é um filme estadunidense de 1990, dirigido por Francis Ford Coppola e com roteiro baseado em livro de Mario Puzo. O roteiro insere versões para recontar e interligar de forma fictícia eventos reais, tais como a súbita morte do Papa João Paulo I (1978) e o escândalo do Banco Ambrosiano (1981-1982). O filme estrelado por Al Pacino, Diane Keaton, Talia Shire e Andy Garcia. Na 63º edição dos Oscars, The Godfather: Part III foi indicado em sete categorias, incluindo Melhor Filme, Melhor Diretor (Coppola) e Melhor Ator Coadjuvante (Garcia).

Sinopse[editar | editar código-fonte]

Gtk-paste.svg Aviso: Este artigo ou se(c)ção contém revelações sobre o enredo.

A história do filme começa em 1979, com um breve flashback sobre os momentos trágicos da Família Corleone. Michael Corleone está com 59 anos de idade e ainda se sente culpado pelo desenrolar dos acontecimentos. Seu irmão adotivo, Tom Hagen, está morto. A propriedade dos Corleone em Lago Tahoe está abandonada. Michael e Kay se divorciaram em 1959 e ela ficou com a custódia dos dois filhos, Anthony e Mary. Michael retorna a Nova Iorque, onde usa sua energia e poder para restaurar sua dignidade e reputação.

Michael criou e se tornou mantenedor de uma instituição de caridade, a Fundação Vito Corleone. Durante uma cerimônia na Catedral de Saint Patrick, presidida pelo arcebispo Gilday, Michael é agraciado com a comenda de Comandante da Ordem de São Sebastião.

Vincent Mancini (Andy Garcia), filho ilegítimo de Sonny Corleone (morto no primeiro filme), aparece na festa após a cerimônia. Ele se envolveu numa disputa com Joey Zasa, um perigoso chefão mafioso ligado aos Corleone. Michael acaba por apoiar Vincent e o convida a entrar para a família, enquanto isso Zasa se declara inimigo de Michael. Michael continua com seus planos e negocia com o Banco do Vaticano uma operação milionária, ajudado pelo Arcebispo Gilday.

Mudança de comportamento[editar | editar código-fonte]

Torna-se visível no último filme a mudança de comportamento de Michael Corleone, pois evidencia sua tentativa de legalizar os negócios da família, inclusive, se afastando dos demais membros da comissão (reunião de todos os gângsters de Nova Iorque).

Outro ponto importante, é a demonstração de carinho que ele revela aos seus filhos, principalmente à sua filha, e a preocupação com ela quando esta se relaciona com Vincent.

O temperamento, e as falas de Michael se tornam mais amenas, demonstrando a necessidade de se retirar de suas atuações antigas, inclusive na tentativa de fazer com que sua ex esposa volte para ele.

O filme demonstra as preocupações e fantasmas que povoam a mente de Michael, principalmente a culpa pelo assassinato de seu irmão Fredo (parte II). Tal situação se torna visível quando ele, sofrendo uma crise de diabetes, chama pelo nome do irmão morto, ou mesmo, quando ao se confessar com o futuro Papa, demonstra seu arrependimento pela ordem de morte dada contra o irmão.

Elenco[editar | editar código-fonte]

Ator Papel
Al Pacino Michael Corleone
Andy Garcia Vincent "Vinnie" Mancini
Talia Shire Constanzia "Connie" Corleone
Diane Keaton Kay Adams-Corleone
Sofia Coppola Mary Corleone
Eli Wallach Don Altobello
Joe Mantegna Joey Zaza
George Hamilton B.J. Harrison
Bridget Fonda Grace Hamilton
Raf Vallone Cardeal Lamberto
Franc D'Ambrosio Anthony Vito Corleone
Donal Donnelly Arcebispo Gilday
Richard Bright Al Neri
Helmut Berger Frederick Keinszig
Don Novello Dominic Abbandando
John Savage Padre Andrew Hagan
Vittorio Duse Don Tomasino
Enzo Robutti Don Licio Lucchesi
Al Martino Johnny Fontane

Principais prêmios e indicações[editar | editar código-fonte]

Oscar 1991 (EUA)

  • Indicado nas categorias de Melhor Filme (Francis Ford Coppola), Melhor Diretor (Francis Ford Coppola), Melhor Ator Coadjuvante (Andy Garcia), Melhor Canção (Carmine Coppola e John Bettis por Promise Me You'll Remember), Melhor Montagem (Barry Malkin, Lisa Fruchtman e Walter Murch), Melhor Direção de Arte e Melhor Fotografia (Gordon Willis).

Globo de Ouro 1991 (EUA)

  • Indicado nas categorias de Melhor Filme (Francis Ford Coppola), Melhor Diretor (Francis Ford Coppola), Melhor Ator em Drama (Al Pacino), Melhor Ator Coadjuvante (Andy Garcia), Melhor Trilha Sonora (Carmine Coppola), Melhor Canção (Carmine Coppola e John Bettis por Promise Me You'll Remember) e Melhor Roteiro (Francis Ford Coppola e Mario Puzo).

Chicago Film Critics Association Awards 1991 (EUA)

  • Indicado nas categorias de Melhor Filme (Francis Ford Coppola), Melhor Diretor (Francis Ford Coppola), Melhor Ator Coadjuvante (Andy Garcia).

American Society of Cinematographers 1991 (EUA)

  • Indicado nas categorias de Melhor Fotografia (Gordon Willis).

Quadros de prata 1992 (ESP)

  • Venceu na categoria de Melhor Filme Estrangeiro (Francis Ford Coppola).

Framboesa de Ouro 1991 (EUA)

  • Venceu na categoria de Pior Atriz Coadjuvante (Sofia Coppola) e Pior Revelação (Sofia Coppola).

Curiosidades[editar | editar código-fonte]

Broom icon.svg
Seções de curiosidades são desencorajadas pelas políticas da Wikipédia.
Ajude a melhorar este artigo, integrando ao corpo do texto os itens relevantes e removendo os supérfluos ou impróprios.
  • Robert Duvall pediu cinco milhões de dólares para voltar a fazer o papel de "Tom Hagen" neste filme; como o estúdio não aceitou pagar a quantia, seu papel foi alterado e George Hamilton fez o novo advogado "B.J. Harrison".

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]