O Hobbit: A Desolação de Smaug

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
The Hobbit:
The Desolation of Smaug
O Hobbit: A Desolação de Smaug (PT/BR)
Pôster promocional do filme
 Estados Unidos
2013 • cor • 161 min 
Direção Peter Jackson
Produção Carolynne Cunningham
Zane Weiner
Fran Walsh
Peter Jackson
Elenco Martin Freeman
Ian McKellen
Benedict Cumberbatch
Richard Armitage
Lee Pace
Cate Blanchett
Orlando Bloom
Luke Evans
Evangeline Lilly
Christopher Lee
Hugo Weaving
e outros
Gênero Aventura
Fantasia
Idioma Inglês
Música Howard Shore
Cinematografia Andrew Lesnie
Edição Jabez Olssen
Estúdio New Line Cinema
Metro-Goldwyn-Mayer
WingNut Films
Distribuição Warner Bros.
Lançamento Portugal 12 de dezembro de 2013
Brasil 13 de dezembro de 2013
Estados Unidos 13 de dezembro de 2013
Orçamento US$ 225 milhões
Receita US$ 952 863 104 (em abril de 2014)[1]
Cronologia
Último
Último
The Hobbit: An Unexpected Journey
(2012)
The Hobbit: There and Back Again
(2014)
Próximo
Próximo
Página no IMDb (em inglês)

O Hobbit: A Desolação de Smaug (no original em inglês The Hobbit: The Desolation of Smaug) é um filme de fantasia e aventura estadunidense, dirigido por Peter Jackson. É o segundo filme da trilogia que foi adaptada a partir da obra de mesmo nome do escritor britânico J. R. R. Tolkien. Os três filmes juntos agem como prequela para trilogia O Senhor dos Anéis, também dirigida por Peter Jackson, lançada entre 2001 e 2003. O longa foi lançado em 12 de dezembro de 2013 em Portugal e em 13 de dezembro de 2013 nos cinemas brasileiros.[2] A história dá continuidade aos eventos ocorridos em The Hobbit: An Unexpected Journey, em que o hobbit Bilbo Bolseiro viaja com o mago Gandalf na companhia de treze anões liderados por Thorin Escudo de Carvalho para o Reino de Erebor, levando-os através da Floresta das Trevas, Cidade do Lago e Cidade de Dale para combater o dragão Smaug. Jackson escreveu o roteiro com seus colaboradores de longa data de O Senhor dos Anéis, os co-roteiristas Fran Walsh e Philippa Boyens, e Guillermo del Toro, este último foi originalmente escolhido para dirigir a trilogia O Hobbit. O filme é estrelado por Ian McKellen, Martin Freeman, Richard Armitage, Benedict Cumberbatch, Evangeline Lilly, Lee Pace, Luke Evans, Ken Stott, James Nesbitt e Orlando Bloom.

Enredo[editar | editar código-fonte]

Gtk-paste.svg Aviso: Este artigo ou se(c)ção contém revelações sobre o enredo.

Um flashback de um evento ocorrido na cidade humana de Bree mostra Gandalf, o Cinzento (Ian McKellen) convencendo Thorin Escudo de Carvalho (Richard Armitage) a ir atrás da Pedra Arken, que poderá fazer de Thorin o rei de Erebor. Gandalf menciona que ele precisa recrutar alguém ágil e sorrateiro – Bilbo Bolseiro (Martin Freeman) – para roubar a Pedra Arken da Montanha Solitária, que é guardada pelo dragão Smaug (Benedict Cumberbatch). Doze meses depois, imediatamente após o término do primeiro filme, Bilbo, Gandalf, Thorin e o grupo de anões são caçados por orcs através de Carrock, onde eles encontram o troca-pele Beorn (Mikael Persbrandt) em sua forma de urso. Gandalf leva o grupo a procurar refúgio numa casa próxima que parece ser o lugar onde vive Beorn, quando em sua forma humana. Após dizer que odeia anões, mas que odeia orcs mais ainda, Beorn empresta seus cavalos ao grupo para que eles escapem.

Gandalf separa-se do grupo antes destes entrarem na Floresta das Trevas, pedindo a eles que sigam pela trilha e o esperem antes de adentrar a Montanha Solitária. Após perderem a trilha na floresta, os anões são capturados por aranhas gigantes. Bilbo, com a ajuda d'O Anel, consegue livrá-los das teias das aranhas. Enquanto lutam contra as aranhas, os anões são capturados pelos elfos da floresta. Tauriel (Evangeline Lilly), a elfa chefe da guarda, enamora-se por Kíli (Aidan Turner), sobrinho de Thorin. Como resultado, Legolas (Orlando Bloom), filho do rei dos elfos Thranduil (Lee Pace), fica com ciúmes.

Oculto pelo Anel, Bilbo rouba as chaves e ajuda os anões a escaparem do reino dos elfos dentro de barris vazios de vinho através de um rio. No caminho, são atacados por orcs que os espreitavam. Kíli, ao tentar abrir o portão, é atingido por uma flecha envenenada dos orcs. Rio abaixo, eles encontram Bard (Luke Evans), um arqueiro descendente do Lorde de Dale, que trabalha recolhendo barris. Juntando suas moedas, os anões pagam propina a Bard para que ele os atravesse pela Cidade-Lago, mas eles são capturados pelo mestre da cidade (Stephen Fry) enquanto tentam roubar armas. Em praça pública, Thorin faz um discurso e convence o povo da cidade que ele voltará com um tesouro, e o compartilhará com todos. O grupo recebe então o armamento e parte em direção à montanha.

Enquanto isso, o Thranduil descobre de um orc capturado que "Ele" retornou, e decide enclausurar o reino para protegê-lo. Mesmo assim, Tauriel sai para ajudar o ferido Kíli e Legolas a segue. Na montanha, Bilbo decifra o enigma da última luz do Dia de Durin – que é a luz da lua –, que ilumina a fechadura que abre a porta secreta da Montanha Solitária. Após entrarem, Thorin manda Bilbo entrar e roubar a Pedra Arken sozinho, mas ele acorda o dragão Smaug, que o descobre. Bilbo avista uma escama quebrada em Smaug, seu ponto fraco, confirmando a lenda. Enquanto isso, Gandalf, após mandar Radagast, o Castanho (Sylvester McCoy) enviar uma mensagem à elfa Galadriel (Cate Blanchett), entra conscientemente na armadilha preparada em Dol Guldur pelos orcs, e trava uma luta contra o Necromante (Benedict Cumberbatch) – de fato, Sauron –, que acaba vencendo e aprisionando Gandalf.

Os dois elfos chegam na hora em que os orcs atacam a Cidade-Lago, e se separam. Tauriel fica para curar o ferido Kíli, e Legolas persegue os orcs, enraivecido. Pressentindo que algo está para acontecer, Bard tenta colocar a última lança negra – que pode ferir Smaug – na balestra da cidade, para que possa atingir o dragão em seu ponto fraco, mas é preso pelo mestre da cidade antes. Na montanha, os anões resolvem entrar e salvam Bilbo. Enganando Smaug, os anões fazem com que ele entre na forja e a acenda cuspindo fogo, e depois tentam matá-lo afogando-o em ouro derretido. Smaug, entretanto, sobrevive e sai voando pela montanha, sacudindo o ouro derretido batendo suas grandes asas. Bilbo assiste em pânico Smaug voar em direção à Cidade-Lago prometendo vingar-se com fogo, destruição e morte.

Gtk-paste.svg Aviso: Terminam aqui as revelações sobre o enredo.

Elenco[editar | editar código-fonte]

Produção[editar | editar código-fonte]

A maioria das filmagens foi concluída ao longo de 2012, terminando em julho de 2012, mas em maio de 2013, uma filmagem adicional para o filme e The Hobbit: There and Back Again, começou na Nova Zelândia, que durou 10 semanas.[4] [5] [6]

Recepção[editar | editar código-fonte]

Crítica[editar | editar código-fonte]

The Hobbit: The Desolation of Smaug tem aclamação por parte da crítica profissional. Com a pontuação de 75% em base de 184 avaliações, o Rotten Tomatoes chegou ao consenso: "Embora ainda um pouco prejudicado por ter 'metade dos capítulos' com problemas narrativos e sua extensão formidável, a desolação de Smaug representa-se mais confiante, segundo capítulo emocionante da série Hobbit". Por parte da audiência do site, a aprovação é de 86%.[7]

No site Omelete, Érico Borgo escreveu que: "este segundo 'O Hobbit' é muito mais sombrio e adulto que o primeiro e divertido filme. Qualquer comparação com o 'Star Wars Episódio V: O Império Contra-Ataca' não é exagero, já que o arco pelo qual passam os personagens é bastante parecido - e o final (ou a ausência dele) igualmente agonizante", dando 5 ovos, a maior nota do site.

Bilheteria[editar | editar código-fonte]

A estreia do filme dominou as bilheterias dos Estados Unidos, em seu primeiro final de semana o filme arrecadou 73,67 milhões de dólares. O valor foi inferior ao primeiro longa da trilogia, cuja arrecadação foi de 84,6 milhões de dólares. Apenas duas semanas após sua estreia, O Hobbit: A Desolação de Smaug somou um total de 466,6 milhões de dólares. Até o último final de semana de 2013, o filme manteve-se no topo da bilheteria estadunidense, somando cerca 190 milhões de dólares depois de três semanas em cartaz. No Brasil, até o dia 29 de dezembro de 2013, o filme havia levado cerca de 1 941 406 pessoas aos cinemas. Em 6 de janeiro de 2014, o filme havia arrecadado mais de 527 milhões de dólares fora dos Estados Unidos, havendo acumulado internacionalmente 756,6 milhões de dólares e ficando 4 semanas consecutivas em primeiro lugar, superando Frozen, da Walt Disney, em segundo lugar.[8]

Principais prêmios[editar | editar código-fonte]

Oscar 2014 (EUA)

BAFTA 2014 (Reino Unido)

  • Indicado para Melhores Efeitos Visuais - Joe Letteri, Eric Saindon, David Clayton e Eric Reynolds
  • Indicado para Melhor Maquiagem - Peter Swords King, Richard Taylor e Rick Findlater

Referências

  1. The Hobbit: The Desolation of Smaug. Box Office Mojo. Página visitada em 13 de fevereiro de 2014.
  2. Agenda de estreias - 13 dezembro 2013. AdoroCinema. Página visitada em 10 de Junho de 2013.
  3. a b c d e f g h i O Hobbit: A Desolação de Smaug - Créditos. AdoroCinema. Página visitada em 10 de junho de 2013.
  4. The Hobbit filming to start again in NZ (em inglês). Television New Zealand (20 de maio de 2013). Página visitada em 04 de dezembro de 2013.
  5. Gicas, Peter (22 de maio de 2013). The Hobbit Trilogy Resumes Final Filming, Director Peter Jackson Posts Photo on Facebook (em inglês). E!. Página visitada em 04 de dezembro de 2013.
  6. Hobbit set fires up for new movie shoot (em inglês). stuff.co.nz (7 de junho de 2013). Página visitada em 04 de dezembro de 2013.
  7. The Hobbit: The Desolation of Smaug - Rotten Tomatoes (em inglês). Página visitada em 23 de dezembro de 2013.
  8. Biasi, Pedro de. ‘O Hobbit’ domina as bilheterias internacionais pelo quarto fim de semana (em português). 6 de janeiro de 2014. Página visitada em 07 de janeiro de 2013.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]