The Joker is Wild

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
The Joker is Wild
Chorei por você (BR)
 Estados Unidos
1957 • pb • 126 min 
Direção Charles Vidor
Roteiro Art Cohn (livro Life of Joe E. Lewis)
Oscar Saul
Elenco Frank Sinatra
Mitzi Gaynor
Jeanne Crain
Eddie Albert
Género drama
filmes biográficos
Idioma inglês
Página no IMDb (em inglês)

The Joker is Wild (br.: Chorei por você) é um filme estadunidense de 1957 do gênero "Drama biográfico" dirigido por Charles Vidor. O roteiro conta a história de Joe E. Lewis, popular comediante e cantor americano e uma das principais atrações dos clubes noturnos dos Estados Unidos nas décadas de 1920 a 1950. Frank Sinatra está no papel principal e realiza várias interpretações de "All the Way", ganhadora do Oscar de "Melhor Canção Original".

Elenco[editar | editar código-fonte]

Sinopse[editar | editar código-fonte]

Joe E. Lewis é um cantor em ascensão na noite de Chicago e trabalha numa boate administrada pela Máfia durante a vigência da Lei Seca. Ele recebe uma vantajosa proposta para cantar num clube rival e aceita. Por causa disso seus antigos patrões tentam matá-lo, retalhando à faca seu rosto e pescoço, o que lhe afeta as cordas vocais e interrompe a carreira de cantor.

Anos depois, seu fiel companheiro e pianista Austin Mack o encontra atuando num show burlesco como comediante e arranja para que ele seja convidado a se apresentar numa apresentação da famosa cantora Sophie Tucker. Contudo, ao ser chamado ao palco para cantar seus antigos sucessos ele confessa que não pode mais devido aos ferimentos recebidos mas consegue distrair a platéia fazendo piadas sobre isso. O empresário de Mack gosta do show e contrata Lewis como comediante e ele recupera a carreira apesar do alcoolismo e do vício em jogatina, ao mesmo tempo que começa um namoro com uma rica dama da sociedade.

Produção[editar | editar código-fonte]

Frank Sinatra leu o livro de Art Cohn chamado The Joker is Wild: The Story of Joe E. Lewis em meados dos anos de 1950 e comprou os direitos da obra. A revista Variety noticiou em novembro de 1955 que a Paramount Pictures financiaria o projeto mas para todos os efeitos o filme é uma produção independente, com Lewis, Sinatra, Charles Vidor e Art Cohn investindo cada um $400.000 e com isso tendo o direito a 75% dos lucros do filme. O New York Times noticiou que a parte de Sinatra foi de $125.000 e 25% dos lucros do filme.

Sinatra decidiu que todas as cenas musicais fossem ao vivo. "Quando eu apresento um número e alguém tosse, eu gosto", ele disse. "Gosto do barulho do arrastar das cadeiras. Você pega o sentimento que envolve a atmosfera do lugar. Eu sempre achei que Lewis era um dos quatro ou cinco maiores artistas desse século [século XX] - outro deles era Jolson - e eu me lembro dele gritar como o diabo ao fazer uma gravação" (de All the Way: A Biography of Frank Sinatra).

Ligações externas[editar | editar código-fonte]