The Machinery of Freedom

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Este artigo não cita fontes confiáveis e independentes. (desde Fevereiro de 2009). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)


As Engrenagens da Liberdade (The Machinery of Freedom) é um livro de 1973 de não-ficção escrito pelo economista David Friedman que demostra como uma sociedade pode funcionar sem Estado. O Institute of Public Affairs incluiu o livro em uma lista dos 20 livros que você deve ler antes de morrer.

O livro defende a abolição e privatização de todas as funções governamentais e detalha sugestões para os passos para a privatiza"ao e explora as consequências do pensamento libertário, além de exemplos de sociedades libertárias (como a da Islândia e Irlanda) e ainda oferece o porque ele virou libertário. Os tópicos no livro incluem a privatização da lei (legislações e cumprimento) e os problemas de fornecer bens públicos (como a defesa nacional) em uma sociedade puramente libertária. As conclusões de Friedman o posicionam como um anarcocapitalista.

Enquanto alguns libertários e anarcocapitalistas oferecem pontos de vista deontológicos e argumentam em termos de direitos naturais, Friedman argumenta a partir do utilitarismo que as consequências do anarcocapitalismo serão benéficas para a vasta maioria, incluindo os pobres. A estratégia de Friedman para a mudança do estado atual para o anarcocapitalismo é pragmática em espírito, defendendo mudanças incrementais. Por exemplo, ele favorece a introdução de cheques educação como um prelúdio para a privatização do sistema de ensino, e a descentralização da polícia como um primeiro passo para a privatização da defesa.

Lei de Friedman[editar | editar código-fonte]

Friedman diz que qualquer coisa feita pelo governo custa no mínimo duas vezes mais do um equivalente provido privadamente. Ele ilustra essa ideia com muitos exemplo, o Correios americano é um caso bem conhecido.

Versão Brasileira[editar | editar código-fonte]

A versão brasileira do livro foi realizada através de parceria entre o Portal Libertarianismo e o Estudantes Pela Liberdade, que entre 2009 e 2011 traduziram e revisaram o livro com trabalho voluntário.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações Externas[editar | editar código-fonte]