The Mask (filme)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita fontes fiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde abril de 2013). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Trechos sem fontes poderão ser removidos.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing.
The Mask
A Máscara (PT)
O Máskara (BR)
Estados Unidos
1994 • cor • 97 min 
Direção Charles Russel
Roteiro Mike Werb
Elenco Jim Carrey
Cameron Diaz
Peter Greene
Amy Yasbeck
Género Fantasia, Aventura, Comédia
Idioma inglês
Cronologia
Último
Último
Son of the Mask (2005)
Próximo
Próximo
Página no IMDb (em inglês)
Applications-multimedia.svg A Wikipédia possui o

The Mask (pt: O Máscara / br: O Máskara) é um filme de fantasia e comédia de 1994 baseado em uma série de história em quadrinhos publicadas pela Dark Horse Comics. Este filme foi dirigido por Chuck Russell, e produzido pela Dark Horse Entertainment ea New Line Cinema, e lancado originalmente aos cinemas em 29 de julho de 1994. O filme é estrelado por Jim Carrey como Stanley Ipkiss (também conhecido como The Mask) e Cameron Diaz como Tina Carlyle, em sua estréia como atriz. Carrey foi nomeado para um Globo de Ouro por seu papel. O filme foi indicado para o Oscar de Melhores Efeitos Visuais, perdendo apenas para Forrest Gump.

Inicialmente a ideia do diretor Charles Russell, era de fazer uma história de terror e humor negro, mais fiel aos primeiros quadrinhos "The Mask", onde o personagem era bem mais cruel e vingativo. Os produtores porém, chegaram à conclusão de que talvez o público não aceitasse muito bem o tema, e decidiram fazer um filme de comédia. O filme tem muitas cenas inspiradas em situações que acontecem nos quadrinhos, porém com menos violência.

Em 1995 o filme ganhou com um spin-off a série animada de televisão The Mask: The Animated Series, e em 2005 uma sequencia chamada "Son of the Mask" ("O Filho do Máskara").

Sinopse[editar | editar código-fonte]

Stanley Ipkiss é funcionário de um banco na cidade de Edge City. Ele é fracassado, desprezado e vive brigando com a dona da pensão em que mora junto com seu cachorro Milo. Certo dia (na verdade era à noite), após ter sido expulso de uma festa, á caminho de casa, o carro velho que pegou emprestado empaca no meio do caminho, num acesso de raiva, Stanley força o carro para funcionar novamente e por fim acaba com o mesmo. Frustrado com tudo que estava acontecendo com ele, Stanley encosta no beiral da ponte onde destruira o carro e ao olhar para o rio, vê algo que se assemelha a um rosto. Para a sua surpresa, não é uma pessoa no rio, e sim uma máscara. Ao chegar em casa, Ipkiss coloca a máscara no rosto e se transforma em um cara completamente louco, com poderes fantásticos, com uma habilidade incrível de realizar seus desejos mais íntimos, sejam eles bons ou ruins.

Durante o filme, Stanley e seu melhor amigo e colega de trabalho Charlie conhecem Tina Carlyle, uma elegante e glamurosa cantora loira que é a nova atração do clube da cidade Coco Bongo. Encantado com ela, Stanley desenvolve um interesse platônico e acha quase impossível conquistá-la, até que adquire a máscara. Um de seus desejos é tentar seduzir a bela loira. O único problema é que terá que enfrentar o namorado da mesma, Dorian Tyrell, um inescrepuloso gângster que deseja tomar para si a cidade eliminando seu chefe Niko, que é o dono do Coco Bongo. Dorian usa Tina como Go-Go Girl para as festas do clube, e a trata como um objeto seu. Em um dado momento, o Máskara tira vantagem de Dorian, uma vez em que atrapalha o assalto planejado por Dorian e seus comparsas, colocando-os no prejuízo, procurados pela polícia. O Máskara agora é perseguido por Dorian e seus comparsas e também pela polícia.

Elenco[editar | editar código-fonte]

Elenco de dublagem[editar | editar código-fonte]

  • Observação: O Máskara recebeu duas dublagens no Brasil, a primeira foi feita em São Paulo no estúdio Álamo, para o lançamento em [Cinema] e [VHS],e também exibida pelo [Cartoon Network]] e pela [Rede Brasil](recentemente foi lançada também em DVD), a segunda foi dublada no Rio de Janeiro pela VTI, para a exibição na Rede Globo (também passa no SBT e FX ]), essa segunda versão é a mais conhecida pelos fãs, e conta também com muitos dubladores do desenho do Máskara.

Primeira versão para VHS - (Álamo):

Segunda versão para TV - (VTI):

Diferenças entre o filme e os quadrinhos[editar | editar código-fonte]

  • Ao contrário do gibi, onde Stanley ao virar o Máskara se tornava violento e vingativo, no filme ele possui poderes, acima de tudo, cômicos, inspirados nos desenhos animados de Tex Avery, dos Looney Tunes, e do Pica-Pau. No filme, aparentemente o indivíduo só se torna violento se já for uma pessoa má, como no caso de Dorian Tyrell.
  • Nos primeiros quadrinhos a máscara era bem diferente de como aparece no filme e na série animada do Máskara, não era feita de madeira, mas sim de vários pedaços de jade, e tinha mais detalhes como olhos e nariz. Outra diferença, é que nos quadrinhos ela é uma máscara vudu de uma tribo africana (e pode falar com Ipkiss), enquanto no filme é uma máscara viking.
  • A cena do filme, em que o Máskara ataca dois mecânicos por vingança, estava presente nos primeiros quadrinhos, mas com a diferença de que ele realmente mata os mecânicos.
  • Diferente do filme, o Tenente Kellaway era o principal herói nos primeiros quadrinhos, e nem suspeitava que Stanley Ipkiss era o Máskara.
  • Somente após o lançamento do filme o personagem passou a ser chamado de "The Mask". Na verdade, o título "The Mask" que aparecia nos primeiros quadrinhos, se referia somente a máscara (objeto), enquanto a "transformação" era denominada "Big Head" (não importando quem estivesse usando a máscara).
  • No gibi Stanley tem uma namorada chamada Kathy, e ele encontra a máscara em uma loja de antiguidades, enquanto procurava um presente para comprar para Kathy.
  • Nas histórias em quadrinhos, muitas outras pessoas usaram a máscara depois de Stanley Ipkiss, entre elas, estão a sua namorada Kathy e o Tenente Kellaway.
  • A cena em que o Máskara faz animais de balões, e atira em uma gangue de punks com uma metralhadora, também foi tirada dos quadrinhos originais da Dark Horse. Porém nos quadrinhos quem usava a máscara nesta ocasião era o Tenente Kellaway, que ao coloca-la havia se transformado em um policial louco, e estava perseguindo e matando todos os bandidos da cidade, com a ajuda de seus novos poderes.

Curiosidades[editar | editar código-fonte]

Broom icon.svg
Seções de curiosidades são desencorajadas pelas políticas da Wikipédia.
Ajude a melhorar este artigo, integrando ao corpo do texto os itens relevantes e removendo os supérfluos ou impróprios.
  • A enorme dentadura usada pelo Máskara só apareceria nas cenas sem diálogos, mas Jim carrey aprendeu a falar com ela e passou a usá-la sempre.
  • Uma foto de Marion Wormer, de Clube dos Cafajestes, é enconrada por Douglas enquanto revistava o Máskara no parque. Douglas diz ao tenente Kellaway (vivido por Peter Riegert) que é uma foto de sua esposa. Isso foi uma referência ao fato de Peter Riegert ter estado em Clube dos Cafajestes, contracenando com Verna Bloom, intérprete de Marion.
  • Este foi o primeiro filme de Cameron Diaz.
  • No filme, a máscara se assemelha a um triângulo côncavo e arredondado, enquanto no desenho ela tem a forma de um rosto por inteiro.
  • O diretor Chuck Russell contou posteriormente que O Máskara começou como um filme de terror bem sombrio mais fiel aos quadrinhos, antes de se tornar uma comédia para Jim Carrey.
  • Talvez pela obsessão de Stanley Ipkiss por desenhos, o Máskara imita alguns personagens, como Taz, no modo de girar como um tornado, Pepe Le Pew, enquanto corteja Tina no parque, e Pernalonga, na cena em que ele finge morrer nos braços de um gângster.
  • Além de "O Máskara", existem outros filmes de Jim Carrey que tiveram dublagens feitas somente para a Rede Globo, como acontece com "O Mentiroso" e "Debby e Loide", que receberam primeiramente dublagens paulista para VHS (com Francisco Bretas em "O Mentiroso", e Tatá Guarnieri em "Debby e Loide"), e depois ganharam outras dublagens, feitas no Rio especialmente para a exibição na TV Globo (todas com Marco Ribeiro). No caso de "O Máskara" e "Debby e Loide", os relançamentos em DVD contavam com as versões de São Paulo, onde Jim Carrey é dublado por Tatá Guarnieri, enquanto "O Mentiroso" foi o único lançado em DVD com a versão de Marco Ribeiro feita para a Globo, e a versão de Francisco Bretas ficou somente no primeiro lançamento em VHS.
  • Nas cenas em que canta, Cameron Diaz foi dublada por Susan Boyd.
  • Muito do que acontece nas cenas de Tina na boate foi retirado de um desenho de Tex Avery, de 1943, chamado "Red Hot Riding Hood", que é o mesmo a que Stanley assiste no início do filme.
  • Anna Nicole Smith e Vanessa Williams estiveram cotadas para interpretar Tina Carlyle.
  • O nome do clube freqüentado por Stanley é Coco Bongo, o mesmo do bar que Peter Appleton, de Cine Majestic, vai após perder o emprego. Ambos são personagens vividos por Jim Carrey.
  • O prédio Ripley’s Auto Finishing também foi usado em Caça-Fantasmas 1 e 2, servindo como quartel general dos personagens.
  • Durante a cena em que Jim Carrey fazia bichos de balões para os gângsteres, e de repente tira um preservativo do bolso, dizendo: “Me desculpe, bolso errado”, foi improvisada pelo ator.
  • A banda que se apresenta no Coco Bongo é a californiana Royal Crown Revue, tocando seu sucesso “Hey Pachuco”.
  • Um dos homens que aparecem do lado de fora da boate é o roteirista Michael Fallon.
  • A roupa amarelo-banana que Jim carrey usa é baseada na roupa que sua mãe costurou quando ele tentou fazer comédia de palco pela primeira vez.
  • Originalmente, a gangue que enfrenta o Máskara iria assaltar Stanley no começo do filme, levando seu dinheiro e relógio. É por isso que a proprietária de seu apartamento lhe pergunta quantas horas são e ele responde: “Na verdade, não sei”.
  • Uma introdução sobre como os Vikings enterraram a máscara de Loki está entre as cenas deletadas do filme, disponíveis no DVD.
  • Havia uma cena no filme em que a personagem Peggy Brendt morria, quando cai nas prensas de jornais, apesar de não ter entrado para o filme, está incluida no material especial do DVD.
  • O orçamento de O Máskara foi de US$ 18 milhões, sendo que o filme arrecadou nas bilheterias de todo o planeta a quantia de US$ 320 milhões.
  • Quando Stanley acorda inconsciente na cama, pode-se notar nos quadros a cima de cama os desenhos do Gaguinho e do Patolino dos Looney Tunes.
  • Não muito tempo após o lançamento do filme O Máscara (The Mask), foi anunciado pela revista Nintendo Power que Carrey estaria retornando a uma sequência. A revista promoveu um concurso, o vencedor participaria do filme, mas devido a recusa de Jim Carrey em reprisar seu papel, o projeto nunca chegou a ser concretizado. Em um 1995 no programa Barbara Walters Special, Carrey revelou que lhe ofereceram a soma então recorde de US $ 10 milhões para estrelar "O Máscara 2", mas ele recusou, porque suas experiências em Ace Ventura 2: Um maluco na África não o convenceu de que reprisar um personagem lhe oferecia desafio como ator [1] . Após Ace Ventura 2, Jim nunca mais fez continuações de seus sucessos, sempre recusando a oferta, apesar de estar estudando uma possibilidade de fazer continuação de "Debi & Lóide" com a direção dos irmãos Farrelly do filme original.[2]

Referências

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]