The Mind Is a Terrible Thing to Taste

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
The Mind Is a Terrible Thing to Taste
Álbum de estúdio de Ministry
Lançamento Novembro de 1989
Gênero(s) Rock alternativo
Metal industrial
Metal alternativo
Duração 50 min 03 seg
Formato(s) CD, LP, Cassete
Gravadora(s) Sire Records
Warner Bros. Records
Produção Hypo Luxa, Hermes Pan
Opiniões da crítica

O parâmetro das opiniões da crítica não é mais utilizado. Por favor, mova todas as avaliações para uma secção própria no artigo. Veja como corrigir opiniões da crítica na caixa de informação.

Cronologia de Ministry
Último
Último
The Land of Rape and Honey
(1988)
In Case You Didn't Feel Like Showing Up
(1990)
Próximo
Próximo
Singles de The Mind Is a Terrible Thing to Taste
  1. "Burning Inside"
    Lançamento: 7 de Novembro de 1989
  2. "Thieves"
    Lançamento: 1990


The Mind Is a Terrible Thing to Taste é o quarto álbum de estúdio da banda de metal industrial MINISTRY, lançado em 1989, através da gravadora Sire/Warner. A música tomou um rumo mais hardcore, com guitarras agressivas. Assim como a maioria da obra do Ministry, as letras tratam basicamente de corrupção política ("Thieves");  violência cultural ("So What"); degradação ambiental e guerra nuclear ("Breathe"); vício em drogas ("Burning Inside"); e insanidade ("Cannibal Song").

Letras: 


"Thieves"[edit]

  • "Get up! Get on your feet!" "You will not kill!" "I can't hear you!" - diálogo do instrutor feito pelo personagem R. Lee Ermey em “Nascido Para Matar” (Full Metal Jacket).

§

"Burning Inside"[edit]

  • (Introdução de advertência de metais e sintetizadores) - dos filmes de John Carpenter, “O Enigma de Outro Mundo” (The Thing) e “Príncipe das Sombras” (Prince of Darkness, partitura original).

§

"Cannibal Song"[edit]

  • "The mind is a labyrinth." é do filme Hellraiser II.

§

"Breathe"[edit]

  • “A sequência musical de abertura (os primeiros 30 segundos)" - é do filme “Um  Grito de Liberdade” (Cry Freedom).

§

"So What"[edit]

  • O diálogo durante a música ("You have had all that money can give you", "Kill for a thrill", etc.) é do juiz resumindo ao final do filme The Violent Years (1956), escrito por Ed Wood e dirigido por William Morgan.
  • "Die!" e a gargalhada são do filme Scarface.

§

"Faith Collapsing"[edit]

  • Contém trechos de diálogos dos filmes 1984 ("There have been spontaneous demonstrations by party workers, voicing gratitude and joy") e Fahrenheit 451 ("The system will eat itself").

§

Faixas[editar | editar código-fonte]

Todas as faixas por Alain Jourgensen, Paul Barker, Chris Connelly, exceto onde anotado.

  1. "Thieves" (Alain Jourgensen, Paul Barker, Chris Connelly, Kevin Ogilvie) - 4:59
  2. "Burning Inside" (Jourgensen, Barker, William Rieflin, Connelly) - 5:16
  3. "Never Believe" - 4:58
  4. "Cannibal Song" - 6:07
  5. "Breathe" (Jourgensen, Barker, Rieflin, Connelly, Ogilvie) - 5:38
  6. "So What" (Jourgensen, Barker, Rieflin, Connelly) - 8:12
  7. "Test" (Jourgensen, Barker, Rieflin, K. Lite) - 6:02
  8. "Faith Collapsing" - 4:00
  9. "Dream Song" (Jourgensen, Barker) - 4:48

Paradas[editar | editar código-fonte]

Créditos[editar | editar código-fonte]

  • Alien Jourgensen – Vocal, guitarra
  • Paul Barker – Baixo
  • William Rieflin – Bateria, vocal de apoio
  • Mars Williams – Saxofone

Referências

Ícone de esboço Este artigo sobre um álbum de Ministry é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.