The Snake Pit

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou se(c)ção não cita fontes fiáveis e independentes (desde fevereiro de 2011). Por favor, adicione referências e insira-as no texto ou no rodapé, conforme o livro de estilo. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
The Snake Pit
O Fosso das Víboras (PT)
A cova da serpente (BR)
 Estados Unidos
1948 • p&b • 108 min 
Direção Anatole Litvak
Produção Robert Bassler
Anatole Litvak
Darryl F. Zanuck
(produção executiva)
Roteiro Millen Brand
Arthur Laurents
(não creditado)
Frank Partos
Mary Jane Ward
(livro)
Elenco Olivia de Havilland
Mark Stevens
Leo Genn
Celeste Holm
Género drama
Idioma inglês
Música Alfred Newman
Cinematografia Leo Tover
Edição Dorothy Spencer
Lançamento Estados Unidos 4 de novembro de 1948
Página no IMDb (em inglês)

The Snake Pit (A cova da serpente (título no Brasil) ou O Fosso das Víboras (título em Portugal)) é um filme estadunidense de 1948, um drama, baseado num relato semi-autobiográfico de Mary Jane Ward, dirigido por Anatole Litvak e estrelado pela prestigiada atriz Olivia de Havilland, ganhadora do Oscar pela performance em To Each His Own (br: Só Resta uma Lágrima), de 1946, e The Heiress (br: Tarde Demais), de 1949.

O filme, um dos sucessos de bilheteria de 1948, ficando entre as 10 maiores do ano, mais precisamente na 6ª posição, foi um dos primeiros a mostrar o ponto de vista da sociedade em relação às pessoas que sofrem de doença mental.

Sinopse[editar | editar código-fonte]

O filme começa mostrando uma jovem mulher que apresenta sinais de perda de memória. 'Virginia Stuart Cunningham' não sabe o lugar onde está, e nem como lá chegou. Na verdade ela sofreu uma crise nervosa poucos dias após seu casamento, e o seu marido, 'Robert Cunningham' decidiu levá-la para um hospital psiquiátrico.

O Dr. 'Mark Kick' dá a Virginia toda atenção, iniciando um tratamento com eletro-choques, hipnoterapia e sessões de psicanálise, visando curá-la da amnésia depressiva em que se encontra. Enquanto o médico trata sua paciente, o passado da jovem vai sendo mostrado em flashbacks, e logo fica claro que as causas que levaram Virginia a desenvolver esse tipo de problema estão ligadas a sentimentos de culpa mal resolvidos em relação principalmente ao pai dela.

Com o auxílio de seu marido e do Dr. Kick, Virginia começa a melhorar gradativamente e muda para o pavilhão 1, uma ala onde se encontram os pacientes em fase de recuperação, alguns prestes a receber alta do hospital. A enfermeira chefe do pavilhão, 'Miss Davis' , não aceita a presença de Virginia lá e começa a criar casos, ameaçando transferí-la de volta para o pavilhão 33, (a cova das serpentes), onde são confinados os pacientes sem esperanças de cura. Virginia diz à Davis que ela a trata mal porque tem ciúmes pelo fato de o Dr. Kick lhe dar grande atenção e, furiosa, a enfermeira entra em confronto com a paciente, o que resulta no retorno de Virginia ao temido pavilhão.

No pavilhão 33, Virginia sofre uma completa recaída. O lugar é tudo o que se possa imaginar de pior num asilo, com os pacientes desenganados a gritar e dançar o tempo todo. Mas o Dr. Kick não desiste de sua paciente. Acreditando na cura de Virginia, ele vai até o fim durante o todo o processo do tratamento, e obtém uma boa resposta de sua paciente que, aos poucos, vai se libertando de seus medos. Virginia consegue receber alta e volta para o marido, mas se torna testemunha dos maus tratos e das péssimas condições às quais os outros internos estão submetidos.

Elenco[editar | editar código-fonte]

Olivia de Havilland, estrela de A cova da serpente
Ator/Atriz Personagem
Olivia de Havilland Virginia Stuart Cunningham
Mark Stevens Robert Cunningham
Leo Genn Dr. Mark Kik
Celeste Holm Grace
Glenn Langan Dr. Terry
Helen Craig Enfermeira Davis
Leif Erickson Gordon
Beulah Bondi Mrs. Greer
Lee Patrick Paciente
Howard Freeman Dr. Curtis
Natalie Schafer Mrs. Stuart
Ruth Donnelly Ruth
Katherine Locke Margaret
Frank Conroy Dr. Jonathan Gifford
Minna Gombell Miss Hart
Ruth Clifford Enfermeira (não-creditada)

Recepção[editar | editar código-fonte]

O filme foi bem recebido tanto pelo público como pelos críticos. Muitos apresentaram críticas amáveis, como Louella Parsons, que declarou: "O filme aborda corajosamente um polêmico assunto nunca tratado na tela". Walter Winchell escreveu: "A qualidade do filme prende a atenção do espectador". Porém não deixaram de haver controvérsias, ainda que normalmente muitos discordassem delas; o psiquiatra Herman F. Weinberg afirmou que "Apesar de ser um bom filme, a história tem uma veracidade superficial que requer um diretor melhor que Litvak". Uma afirmação no mínimo irônica, uma vez que Litvak recebeu várias indicações a prêmios pelo trabalho de direção realizado neste filme.

The Snake Pit conquistou a 6ª maior bilheteria de 1948, empatando com o filme Belinda.

Censura[editar | editar código-fonte]

O censor britânico insistiu que houvesse um prefácio explicando que todas as pessoas mostradas no filme eram atores, e não pacientes, e que as condições nos hospitais para doentes mentais britânicos eram exatamente o contrário das que eram representadas no filme.

Impacto[editar | editar código-fonte]

Os realizadores deste filme tinham como objetivo chamar a atenção das autoridades para os maus-tratos aos quais os doentes mentais são submetidos nas populosas instituições psiquiátricas do governo. E foi justamente isso o que conseguiram. Em 1949, Herb Stein escreveu: "O Wisconsin é o sétimo estado do país a instituir reformas em seus hospitais mentais em consequência do filme". Mais tarde, todos os estados do país procuraram fazer reformas nos hospitais psiquiátricos somente por influência do filme.

Prêmios e Indicações[editar | editar código-fonte]

O filme recebeu vários prêmios e também indicações, incluindo:

- Indicado para 6 Oscars, venceu na categoria de melhor mixagem de som (Thomas T. Moulton).

Indicações:

- melhor filme;

- melhor atriz (Olivia de Havilland);

- melhor direção (Anatole Litvak);

- melhor roteiro adaptado (Frank Partos, Millen Brand);

- melhor trilha sonora (Alfred Newman).

- Ganhou o prêmio Volpi Cup de Melhor Atriz (Olivia de Havilland).

- O filme ganhou também um prêmio especial no Festival de Veneza em 1949. Como foi dito, para "a história audaz dos casos clínicos mostrados".

- O diretor Anatole Litvak foi indicado ao prêmio Leão de Prata.

  • Sindicato dos Jornalistas Italianos

- Prêmio de Melhor Atriz Estrangeira (Olivia de Havilland).

Curiosidades[editar | editar código-fonte]

Broom icon.svg
Seções de curiosidades são desencorajadas pelas políticas da Wikipédia.
Ajude a melhorar este artigo, integrando ao corpo do texto os itens relevantes e removendo os supérfluos ou impróprios.
  • Gene Tierney foi escolhida para o papel de Virgínia Stuart Cunningham, mas ficou grávida e foi substituída por Olivia de Havilland.
  • The Snake Pit foi, mais precisamente, o terceiro filme a abordar sobre a vida de uma pessoa que sofre de doença mental. O primeiro foi Quando fala o coração, de Alfred Hitchcock, e o segundo, Amar foi minha ruína, ambos os filmes de 1945.
  • O diretor Anatole Litvak pesquisou durante três meses sobre psicanálise. Ele exigiu que todos, tanto os atores como os realizadores, visitassem várias instituições mentais e analisassem tudo a respeito das pessoas de lá. A própria Olivia de Havilland realizou pesquisas com uma intensidade que surpreendia a todos. Prestou atenção com cuidado a cada um dos procedimentos aplicados aos doentes mentais, como tratamentos de hidroterapia e de eletro-choque. Quando permitida, participou de longas sessões individuais de terapia. Participou de eventos sociais, incluindo jantares e também chegou a dançar com alguns pacientes. No entanto, depois do lançamento do filme, a colunista Florabel Muir questionou se as instituições mentais realmente “permitiram danças e contato com internos violentos”. Para surpresa de Florabel, Olivia, por telefone, a assegurou que a iniciativa de jantar e dançar com os internos foi ela mesma quem tomou.
  • Olivia de Havilland desempenhou uma brilhante performance que arrancou da crítica vários elogios. Ela foi convidada depois para estrelar o filme Uma rua chamada pecado (1951), com Marlon Brando, onde interpretaria a esquizofrênica "Blanche DuBois", mas recusou, e o papel acabou ficando com Vivien Leigh (com quem a atriz havia contracenado em 1939 em E o vento levou); Vivien acabou ganhando o seu segundo Oscar de melhor atriz pelo trabalho neste filme.
  • O personagem do gentil psiquiatra "Mark Kick" foi inspirado no verídico Dr. Gerard Chrzanowski, que pedia a seus pacientes para chamar-lhe simplesmente de "Dr. Kick". Dr. Chrzanowski morreu em novembro de 2000, aos 87 anos.
  • Em seu livro (que inspirou este filme), Mary Jane Ward conta o que lhe aconteceu na época em que ela teve de ser internada num hospital psiquiátrico. O livro causou muita controvérsia quando foi lançado em 1946, sendo considerado por alguns como uma acusação mordaz aos tratamentos dos doentes mentais, um assunto considerado tabu nos anos 40.
  • O título deriva de uma prática antiga que faziam com os doentes mentais, que eram atirados em lugares que os perturbassem, chamados de "cova das serpentes". Essa prática, segundo diziam, faria de um insano uma pessoa normal. A personagem principal do filme comenta sobre isso numa das cenas finais.
  • Muitas cenas do filme foram gravadas no Camarillo State Mental Hospital, na California.
  • Uma versão de The Snake Pit foi realizada para o rádio em 1950, também com De Havilland no papel principal.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre The Snake Pit
Ícone de esboço Este artigo sobre um filme é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.